O projeto romanizador no final do século XIX: a expansão das instituições escolares confessionais

Autores

  • Lúcia Helena Moreira de Medeiros Oliveira Universidade do Estado de Goiás – UFG/JATAÍ

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v10i40.8639811

Palavras-chave:

História da Educação. História das ideias religiosas. História das instituições escolares confessionais

Resumo

O artigo intenta apresentar reflexões a respeito do projeto romanizador no final do século XIX, e, consequentemente, a disseminação do ideário católico, por meio de suas instituições escolares. Para esse feito, foi imprescindível a análise das cartas encíclicas, escritas pelos Papas Pio IX, Leão XIII e Pio X, no período de 1860 a 1903, o que possibilitou compreender o princípio fundante e norteador da ação educacional da Igreja no período, sobretudo, apreender as intenções e finalidades da mesma, além de buscar entender as ações propostas para materialização do ideário  romanizador no contexto da sociedade capitalista. Uma vez analisadas as encíclicas, infere-se que a ideia central do projeto da Igreja era ressacralizar a sociedade, converter o homem tornando-o obediente às leis da Igreja Católica por meio da educação e, desse modo, a mesma apoiou a expansão das instituições confessionais no Brasil. Nesse sentido, a instalação das Congregações Religiosas européias no Brasil convalida essa ideia e, mais que isso, suas escolas buscam formar o homem ordeiro, trabalhador e patriota.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lúcia Helena Moreira de Medeiros Oliveira, Universidade do Estado de Goiás – UFG/JATAÍ

Docente da Universidade Federal de Uberlândia/ FACIP. 

Referências

ARAÚJO, José Carlos. Igreja Católica no Brasil. São Paulo: Paulinas, 1986.

AZZI, Riolando. A crise da cristandade e o projeto liberal. História do Pensamento Católico. v. 2. São Paulo, Paulinas, 1991.

AZZI, Riolando. O Estado leigo e o projeto ultramontano. História do pensamento Católico.v. 4. São Paulo, Paulus, 1994.

AZZI, Riolando. A Neocristandade – um projeto restaurador. História do Pensamento Católico. v. 5. São Paulo, Paulus, 1994a.

CARTA PASTORAL. Episcopado Brasileiro aos fiéis da igreja do Brasil. São Paulo: Typografia a vapor de Jorge Seckeler & Cia, 1890.

CHAUÍ, Marilena. Brasil – mito fundador e sociedade autoritária. Rio de Janeiro: Fundação Persa Abramo, 2000.

FRANCESCONI, Pe. Mario. Inizi Della Congregazione Scalabriniana (1886-1888). Roma: Centro Studi Emigrazione, 1969.

FRANCESCONI, Pe. Mario. Storia della Congregazione Scalabriniana: Lê peime missioni nel Brasile (1888-1905), Roma: Centro Studi Emigrazione, 1973. v. 3.

HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. Francisco Rangel Pestana: jornalista, político e educador. 1986. Tese (Doutoramento em Educação) – Progra ma de Pós Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1986.

IGREJA CATÓLICA. Papa (1831-1878: Gregório XVI e Pio IX) in Documentos da Igreja. São Paulo: Paulus,1999.

IGREJA CATÓLICA. Papa (1878-1903: Leão XIII) in Documentos da Igreja. São Paulo: Paulus, 2005.

LUSTOSA, Oscar F. Reformistas na Igreja do Brasil – Império, São Paulo, Boletim no 17, 1977.

MANOEL, Ivan Aparecido. O pêndulo da história: um tempo e eternidade no pensamento católico (1800-1960). Maringá: Eduem, 2004.

MOURA, Pe. Laércio Dias de. A educação católica no Brasil. São Paulo: Loyola, 2000.

PASTORAL COLETIVA. Pastoral coletiva do episcopado brasileiro. São Paulo: Escola Tipográfica Salesiana,1900.

PAULO II, João. Código de Direito Canônico. São Paulo: Loyola, 1987.

QUIDORT, João. Sobre o poder régio e papal. Tradução de Luís A. de Boni. Petrópolis: Vozes, 1989.

SCALABRINI, João Batista. A emigração italiana na América. Tradução de Redovino Rizzardo. Caxias: Centro de Estudos de pastoral migratória, Universidade de Caxias, 1979.

SCAMPINI, Pe. José. A liberdade religiosa nas constituições brasileiras. [S.l.: s.n.].

Downloads

Como Citar

OLIVEIRA, L. H. M. de M. O projeto romanizador no final do século XIX: a expansão das instituições escolares confessionais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 10, n. 40, p. 145–163, 2012. DOI: 10.20396/rho.v10i40.8639811. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639811. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos