Formação de professores no Brasil: história, políticas e perspectivas

  • Maria Célia Borges Universidade Federal do Triângulo Mineiro-UFTM
  • Orlando Fernández Aquino Universidade Federal do Triângulo Mineiro-UFTM/Universidade de Uberaba-Uniube
  • Roberto Valdés Puentes Universidade Federal do Uberlândia-UFU
Palavras-chave: Formação de Professores. História e políticas de formação. Perspectivas da formação docente

Resumo

Propôs-se, neste texto, discutir o tema da formação docente contemplando aspectos históricos, políticos e teóricos. Na primeira parte introduz-se o enfoque histórico, examinando a trajetória da formação de professores no Brasil, desdobrando-se em seis períodos que se iniciam com a aprovação da Lei das Escolas de Primeiras Letras, em 1827. Nota-se que a formação de professores em cursos específicos foi inaugurada no Brasil no final do século XIX com Escolas Normais destinadas à formação de docentes para as “primeiras letras”. A discussão segue e culmina com a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), em 1996; em seguida, discute-se sobre as políticas educacionais expressas na legislação, antes e após a LDB 9.394/1996, as Diretrizes Curriculares Nacionais (2002) e a Política Nacional de Formação de Professores, editada por meio do Decreto Presidencial n.º 6.755/2009. Verifica-se que as políticas e a práticas do sistema educacional brasileiro encontram-se orientadas pelos valores do neoliberalismo e, por isso, apresentam contradições. Por fim, na história brasileira, as políticas sobre formação de professores evidenciam sucessivas mudanças e reformas, contudo ainda não estabeleceram um padrão consistente de preparação docente para resolver os problemas enfrentados pela educação escolar.

Biografia do Autor

Maria Célia Borges, Universidade Federal do Triângulo Mineiro-UFTM
Universidade Federal do Triângulo Mineiro-UFTM
Orlando Fernández Aquino, Universidade Federal do Triângulo Mineiro-UFTM/Universidade de Uberaba-Uniube
Universidade Federal do Triângulo Mineiro-UFTM/Universidade de Uberaba-Uniube
Roberto Valdés Puentes, Universidade Federal do Uberlândia-UFU
Universidade Federal do Uberlândia-UFU

Referências

BORGES, M. C. Políticas Educacionais e a gestão democrática na escola pública de qualidade. São Paulo: Paulus, 2009.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei 9.394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Lei 5.692/71, de 11 de agosto de 1971. Diário Oficial da União, Brasília, 12 ago. 1971.Disponível em: http://www.soleis.adv.br. Acesso em 24 jul. 2010.

BRASIL/MEC/CFE. Parecer 349/72. Documenta, n. 137, p. 155173, abr. 1972. . Disponível em : www.soleis.adv.br. Acesso em: 16 jul. 2010.

BRASIL/MEC. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf Acesso: 20 dez. 2010.

BRASIL/MEC. Decreto n. 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina de atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior – CAPES – no fomento à programas de formação inicial e continuada, e dá outras providências. Disponível em: http://www.soleis.com.br/D6755.htm Acesso em 20 dez. 2010.

BRZEZINSKI, I. Embates na definição das políticas de formação de professores para a atuação multidisciplinar nos anos iniciais do Ensino Fundamental para a atuação multidisciplinar nos anos iniciais do Ensino Fundamental: respeito à cidadania ou disputa pelo poder? Educação & Sociedade, Campinas, v.20, n. 68, p. 80-108, 1996.

FREITAS, H.C.L. de. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embate entre projetos de formação.2002. Disponivel em: http://www.scielo.br/pdf/es/v23n80/12928.pdf Acesso em: 30 set. 2010.

GADOTTI, M. História das Ideias Pedagógicas. 7. ed. São Paulo: Editora Ática, 1999.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. de S. (Coord). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GENTILI, P. (Org.) Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: SILVA, T. T.;

GENTILI, P. Escola S. A. Quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília, DF: CNTE, 1996.

LUCKESI, C. C. Tendências pedagógicas na prática escolar. In: LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 2005.

PIMENTA, S.G. O estágio na formação de professores: unidade entre teoria e prática. Cadernos de pesquisa, são Paulo, n. 94, p. 58-73, ago. 1995.

RIBEIRO JUNIOR, J. A formação Pedagógica do Professor de Direito. Campinas-SP: Papirus, 2001.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos do problema no contexto brasileiro. Rev. Bras. Educ. [online]. 2009. Vol.14, n. 40, pp. 143-155.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. Teorias da Educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 37. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2005. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo; v. 5).

SAVIANI, D. História das Ideias Pedagógicas no Brasil. Campinas,SP: Autores Associados, 2007.

SEVERINO, A. J. Educação, sujeito e história. São Paulo: Olho D‟Água, 2001.

SEVERINO, A. J. Expansão do ensino superior: contextos, desafios e possibilidades. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aval/v14n2/a02v14n2. Acesso em: 25 dez. 2009.

SILVA, C. S. B. Curso de Pedagogia no Brasil: história e identidade. 2. Ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

SILVA. A.N.; ESPOSITO, Y.L., SAMPAIO, M.M.; QUINTERIO, J. Formação de professores no Brasil. São Paulo: FCC; REDUC, 1991.

SOUSA, M.L. de M. Mercantilismo na educação superior brasileira. Educ. Soc. vol.27 no.95 Campinas Mai/Ago. 2006 Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000200015 Acesso dia 26 jul de 2010.

Como Citar
Borges, M. C., Aquino, O. F., & Puentes, R. V. (1). Formação de professores no Brasil: história, políticas e perspectivas. Revista HISTEDBR On-Line, 11(42), 94-112. https://doi.org/10.20396/rho.v11i42.8639868
Seção
Artigos