Manifesto dos pioneiros versus manual didático de literaturas estrangeiras: igreja católica frente à revolução escolanovista

  • Maria Lucia de Amorim Soares Universidade de Sorocaba/SP
  • Eliete Jussara Nogueira Universidade de Sorocaba/SP
  • Luiz Fernando Gomes Universidade de Sorocaba/SP
  • Leandro Petarnella Universidade Nove de Julho/SP
Palavras-chave: Escola Nova. Pensamento Católico. Manifesto dos Pioneiros. Literaturas Estrangeiras

Resumo

Este trabalho tem como objetivo explicitar, através da análise do Manual Didático de Literaturas Estrangeiras, de autores anônimos, publicado em 1931 pela editora FTD, do Rio de Janeiro, a existência de convicções católicas exasperadas pelo clima espiritual e pelo contexto histórico da época. Essa publicação que atende às diretrizes emanadas do papado, responde às modificações estruturais da Igreja-Estado e reage às discussões dos escolanovistas que, inspirados pela pedagogia ativa da “educação pela ação” do americano John Dewe, lutavam em prol de uma escola publica, gratuita, obrigatória e laica. Por meio desse curioso manual, as escolas católicas do Rio de Janeiro recebiam avaliações polêmicas baseadas no pensamento de direita da Igreja, com advertências sobre a suposta perversidade existente em obras de romancistas, poetas, filósofos, historiadores alemães, ingleses, russos, franceses e portugueses. Os resultados da análise conduzem à afirmação de que o momento no qual estruturas tradicionais convivem e conflitam com novas forças emergentes, (Era Vargas 1930-1934), o acirramento ideológico leva a uma reação daqueles pertencentes à Igreja Católica no âmbito escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lucia de Amorim Soares, Universidade de Sorocaba/SP
Universidade de Sorocaba/SP
Eliete Jussara Nogueira, Universidade de Sorocaba/SP
Universidade de Sorocaba/SP
Luiz Fernando Gomes, Universidade de Sorocaba/SP
Universidade de Sorocaba/SP
Leandro Petarnella, Universidade Nove de Julho/SP
Universidade Nove de Julho/SP

Referências

ALBUQUERQUE, O. P.. Sobre o Seminário e Collégios Diocesanos. Terezina: Typografia, P. 1915. (2a Carta Pastoral)

ATAHYDE, T.. Debates pedagógicos. Rio de Janeiro: Schimidt, editor, 1931.

AZEVEDO, F. A cultura Brasileira. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do IBGE, 1943.

AZEVEDO, F. A educação pública em São Paulo: problemas e discussões para “O Estado de São Paulo”, em 1926. São Paulo: Editora Nacional, 1937.

AZEVEDO, F. Novos caminhos e novos fins: a nova política de educação no Brasil. São Paulo: editora Nacional, 1931.

BEOZZO, J. O.. A Igreja e a revolução de 1930. In: FAUSTO, Boris (Org.). História Geral da Civilização Brasileira. Tomo III, 4o vol. São Paulo: Difel, 1986.

CABRAL, A. S.. A Igreja e o Ensino. Belo Horizonte: Imprensa Diocesana, 1925 (Carta Pastoral).

CARNEIRO LEÃO, A..O Brazil e a educação popular. Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commercio,1917.

CARVALHO, M. M. C.. Molde Nacional e Forma Cívica. Bragança Paulista, SP: EDUSF, 1998.

CARVALHO, M. M. C.. Carta Pastoral do Episcorajado Brasileiro (1900). In: A Igreja na República: Brasília: UNB, 1981.

EDUCAÇÃO. Órgãos da Diretoria Geral da Instrução Publica de São Paulo. V.6, n.1/2/3, jan./fev./mar.1932.

CARVALHO, M. M. C.. Literaturas Estrangeiras. Rio de Janeiro: FTD, 1931. Manifesto dos Pioneiros. Revista da Educação, n6,n.1/2/3 (jan/fer/mar), 1932.

MARX, K.. O 18 Brumário de Luis Bonaparte. São Paulo: Abril Cultural, Coleção os Pensadores, 1978.

MATE, C. H.. O Manifesto dos Pioneiros de 32 como ampliação da política reformista. Caxambu: GT02, História da Educação, ANPED, 2006.

MICELI, S.. A Elite Eclesiástica Brasiliense. Rio de Janeiro: Bertrand, 1988.

PAULILO, A. L.. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 23, no 46, pg. 93 – 122, 2003.

PIO XI. Carta ao Episcopado Filipino. In: Colecion de Encíclicas y cartas Pontifícias. Buenos Aires: Editorial Pablet, 1944.

PIO X. Pascendi Dominici Gregis. In: Colecion de Encíclicas e Cartas Pontifícias. Buenos Aires: Editorial Poblet, 1944.

ROMANELLI, O. O.. História da educação no Brasil(1930-1973).

ROMANELLI, O. O.. Sectarismo e Franqueza. Caderno Idéias, Jornal do Brasil, 25/08/2007, p. 9.

TAMBARA, E.. Estado, Igreja e Educação – Urbi et Orbe. Caxambu: GT História da Educação / n. 02, ANPED, 2005.

Como Citar
Soares, M. L. de A., Nogueira, E. J., Gomes, L. F., & Petarnella, L. (1). Manifesto dos pioneiros versus manual didático de literaturas estrangeiras: igreja católica frente à revolução escolanovista. Revista HISTEDBR On-Line, 11(42), 133-142. https://doi.org/10.20396/rho.v11i42.8639870
Seção
Artigos