Análise crítica da contribuição das tecnologias gerenciais para a relação entre trabalho e educação

  • Rafael Rodrigo Mueller FAE Centro Universitário-PR
Palavras-chave: Tecnologias gerenciais. Trabalho e educação. Capital

Resumo

O objetivo do artigo é analisar das tecnologias gerenciais e sua relação histórica com a educação. Para tanto, torna-se imprescindível verificarmos o desenvolvimento dos métodos e técnicas de treinamento concebidos nos Estados Unidos por Charles Allen, em 1919, que foram intensificados a partir do que ficou conhecido como “Treinamento dentro da Indústria” ou Training Within Industry (TWI), em 1940, e evoluíram, após a Segunda Guerra Mundial, e o que se caracterizou como “Gerenciamento Japonês”, quando finalmente fundamentaram-se como um elemento-chave do “Sistema Toyota de Produção” (STP). O caráter ideológico que perpassa e é característico das tecnologias gerenciais foi verificado por intermédio da relação de tal manifestação de tecnologia com os ideais educacionais presentes tanto no discurso de managers como nas recomendações dos órgãos multilaterais e suas determinações voltadas à educação nas últimas três décadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Rodrigo Mueller, FAE Centro Universitário-PR
Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Socioeconômico (PPGDS) da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

Referências

ALVES, Giovanni. Dimensões da Reestruturação Produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. 2. ed. Londrina: Praxis/Bauru: Canal 6, 2007.

BATTAGLIA, Flávio. Para que tanta tecnologia? Disponível em: http:www.lean.org.br. Acesso em: 25 de maio de 2007.

BIANCHETTI, Lucídio. As novas tecnologias e o devassamento do espaço-tempo do saber tácito dos trabalhadores. In: AUED, Bernardete Wrublevski. Educação para o (des) emprego. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

BRAGA, Ruy. Introdução. In: GRAMSCI, Antonio. Americanismo e fordismo. São Paulo: Hedra, 2008.

BRUNO, Lúcia (org.). Educação e trabalho no capitalismo contemporâneo: leituras selecionadas. São Paulo: Atlas, 1996.

BRYAN, Newton Antonio Paciulli. Educação, processo de trabalho, desenvolvimento econômico: contribuição aos estudos das origens e desenvolvimento da formação profissional no Brasil. Campinas: Alínea, 2008.

CATTANI, Antônio David; HOLZMANN, Lorena (orgs). Dicionário de Trabalho e Tecnologia. Porto Alegre: EdUFRGS, 2006.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília: MEC/UNESCO, 2003.

DUARTE, Newton (org.). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004.

DUARTE, Newton. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas: Autores Associados, 2001.

FARIA, José Henrique de (org.) Análise crítica das teorias e práticas organizacionais. São Paulo: Atlas, 2007.

FARIA, José Henrique de. Economia Política do poder. vol. I e II. Curitiba: Juruá, 2004.

FARIA, José Henrique de. Tecnologia e processo de trabalho. 2. ed. Curitiba: EdUFPR, 1997.

FRANCISCO FILHO, Geraldo. Administração escolar analisada no processo histórico. Campinas: Alínea, 2006.

GRAMSCI, Antonio. Americanismo e fordismo. São Paulo: Hedra, 2008.

GURGEL, Cláudio. A gerência do pensamento: gestão contemporânea e consciência neoliberal. São Paulo: Cortez, 2003.

HUTZINGER, Jim. Treinamento dentro da indústria: a origem do gerenciamento japonês e do kaizen. Disponível em: <http://www.lean.org.br>. Acesso em: 30 de abril de 2007.

JUSTA, Marcelo Augusto Oliveira da; BARREIROS, Nilson Rodrigues. Técnicas de gestão do Sistema Toyota de Produção. Gestão Industrial. v. 05, n. 01, pp. 01-17, 2009.

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Editora Planta, 2004.

LIKER, Jeffrey K; HOSEUS, Michael. A cultura Toyota. A alma do modelo Toyota. Porto Alegre: Bookman, 2009.

MARTINS, Lígia Márcia. Da formação humana em Marx à crítica da pedagogia das competências. In: DUARTE, Newton (org.). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004.

MARX, Karl. Capítulo VI inédito de O Capital: resultados do processo de produção imediata. São Paulo: Editora Moraes, 1985.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Textos sobre Educação e Ensino. São Paulo: Moraes, 1992.

MÉSZARÓS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

OLIVEIRA, Eurenice de. Toyotismo no Brasil: desencantamento da fábrica, envolvimento e resistência. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

ORGANIZAÇÃO para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Panoramas para a Educação: indicadores da OCDE. Disponível em http//:www.oecd.org/bookshop/. Acesso em: 20 de novembro de 2009.

PEREIRA, Denise de Castro; CRIVELLANI, Helena M. T. Just-in-time bancário: uma discussão sobre a Gestão de tecnologias organizacional. In: Anais do Enanpad, 1991, vol. I, p. 95-126.

ROESLER, Vera Regina. Uma nova fase na relação entre mundo da educação e mundo do trabalho: um estudo de caso da criação da Universidade Corporativa Grande Banco. 2007. 256 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

SHIROMA, Eneida Oto. Mudança tecnológica, qualificação e políticas de gestão: a educação da força de trabalho no modelo japonês. 1993. 222 f. Tese (Doutorado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1993.

TAUILE, José Ricardo. Para (re) construir o Brasil contemporâneo: Trabalho, tecnologia e acumulação. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.

TRAGTENBERG, Maurício. Burocracia e ideologia. 4. ed. São Paulo: Ática, 1985.

Publicado
2012-06-23
Como Citar
Mueller, R. R. (2012). Análise crítica da contribuição das tecnologias gerenciais para a relação entre trabalho e educação. Revista HISTEDBR On-Line, 11(44), 57-75. https://doi.org/10.20396/rho.v11i44.8639978
Seção
Artigos