Trabalho docente, gênero e poder em denúncias públicas da década de 1880

Autores

  • Clarice Nascimento de Melo Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Karla Nazareth Corrêa de Almeida Universidade Federal do Pará (UFPA)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i48.8640009

Palavras-chave:

Docência. Gênero. Poder

Resumo

Este artigo procura capturar, nos debates que denunciam práticas supostamente irregulares de professores, as conexões da educação de mulheres com os referenciais de gênero produzidos na sociedade paraense em fins do século XIX. Tomam-se por objeto de estudo as contendas sobre o trabalho docente contidas em notas publicadas nos jornais de circulação local desse período. Com elas indicam-se falas que dimensionam o trabalho docente perpassadas por representações de gênero, na medida em que as práticas docentes denunciadas conformam tipos de comportamentos idealizados socialmente para a profissão de forma diferenciada para homens e mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarice Nascimento de Melo, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Professora Adjunta da Universidade Federal do Pará, exercendo atividades de ensino e pesquisa no curso de graduação de Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica - PPEB .

Karla Nazareth Corrêa de Almeida, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Professor adjunto II da Universidade Federal do Pará.

Referências

A CONSTITUIÇÃO. S. Sebastião da Bôa Vista. 20 de fevereiro de 1880. Belém, 27 de fevereiro de 1880, n. 30.

A CONSTITUIÇÃO. Instrucção pública (1). Belém, 17 de março de 1881.

A CONSTITUIÇÃO. Instrucção pública (2). Belém, 17 de março de 1881.

A CONSTITUIÇÃO. Instrucção pública. Belém, 27 de julho de 1881.

ALVES, Maria Angélica. A educação feminina no Brasil entre os séculos XIX e XX: imagens da mulher intelectual. p.1-10. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe2/pdfs/Tema5/0540.pdf Aceso em dezembro de 2011.

BARROS, José D’Assunção. O campo da história: especialidades e abordagens. Petrópolis-RJ: Vozes, 2004.

BEZERRA NETO, José Maia. O asylo lindo e protetor: práticas e representações sociais sobre a educação feminina – Belém (1870/1888). In: ÁLVARES, Maria Luzia Miranda (Org.). A mulher existe? Belém: GEPEM/GOELDI, 1995. p.3-25.

BEZERRA NETO, José Maia. As luzes da instrução: o asylo de Santo Antônio em Belém do Pará (1870/1912). In: ACEVEDO MARIN, Rosa Elizabeth (Org.). A escrita da história paraense. Belém: NAEA/UFPA, 1998. p.185-205.BURKE, Peter, (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.

BURKE, Peter, (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.

CANCELA, Cristina Donza. Casamento e relações familiares na economia da borracha (Belém, 1870-1920). São Paulo-SP. 2006. Tese (Doutorado em História Econômica) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

CASTANHA, André Paulo. Moralidade pública e educação no século XIX. In: Anais do VI Congresso Brasileiro de História da Educação, 2011. Disponível no site: www.sbhe.org.br/.../Andre%20Paulo%20Castanha%20-%20Texto.pdf. Acesso em dezembro de 2011.

DURÃES, Sarah Jane Alves. Aprendendo a ser professor(a) no século XIX: algumas influências de Pestalozzi, Froebel e Herbart. In: Educação e Pesquisa. São Paulo, v.37, n.3, p. 465 - 480, set./dez. 2011.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. vol 1. Uma história dos costumes. Tradução de Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994. 2v.

FERREIRA, Ana Luiza de Oliveira Duarte. Ser Stella: um estudo sobre o papel da mulher e da educação feminina na Juiz de Fora do início do XX. In: Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, 1o número, Autores Associados, 2001.

FONSECA, Thais Nivia de Lima e. História da Educação e História Cultural. In: VEIGA, Cynthia Greive; FONSECA, Thais Nivia de Lima e. (Orgs.). História e Historiografia da Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GONDRA, José Gonçalves & SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no império brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da UNICAMP, 1992.

LOURO, Guacira Lopes. Nas redes do conceito de gênero 1991. In: Lopes, M. J., Meyer, D.E. e Waldow, V.R. Gênero e Saúde. Porto Alegre, Artes Médicas, 1996

MATOS, Maria Izilda Santos de. Por uma história das sensibilidades: em foco a masculinidade. In: História: questões & debates, n. 34. Curitiba: Editora da UFPR, 2001. p.45-63.

MENDEZ, Natalia Pietra. Do lar para as ruas: capitalismo, trabalho e feminismo. Disponível em: http://www.fee.rs.gov.br/sitefee/download/mulher/2005/artigo3.pdf. Acesso em: outubro/2007.

NÓVOA, António. A imprensa de educação e ensino. In: CATANI, Denice Bárbara; BASTOS, Maria Helena Câmara (org.). Educação em revista - A imprensa periódica e a educação. São Paulo: Escrituras, 1997. p.11-32.

O LIBERAL DO PARÁ. Belém, 25 de março de 1883.

O LIBERAL DO PARÁ. Vigia, 27 de setembro. Belém, 4 de outubro de 1885.

O LIBERAL DO PARÁ. A instrucção pública é um myto, Belém, 16 de novembro de 1887.

OLIVEIRA, Lilian Sarat de. Educadoras e religiosas no Brasil do século XIX nos caminhos da civilização. XII Simpósio Internacional Processo Civilizador, 2009. Disponível em http://www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais12/artigos/pdfs/comunicacoes/C_Oliveira3.pdf . Acesso em março de 2012.

PARÁ. Lei n. 1.030, de 7 de maio de 1880.

PRIORE, Mary Del & VENÂNCIO, Renato Pinto. O livro de ouro da história do Brasil: do descobrimento à globalização. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Tradução de Christine Rufino Dabat e Maria Betânia Ávila. Disponível no sítio http://disciplinas.stoa.usp.br/pluginfile.php/6393/mod_resource/content/1/G%C3%AAnero-Joan%20Scott.pdf. Acesso em: março de 2012.

SOUSA, Celita Maria Paes de. Traços de compaixão e misericordia na história do Pará: instituições para meninos e meninas desvalidas no século XIX até início do século XX. 2010. Tese. (Doutorado em Educação: Currículo) – Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), São Paulo, 2010.

VEIGA, Cynthia Greive. História da educação. São Paulo: Ática, 2007.

VIDAL, Diana Gonçalves; CARVALHO, Marília Pinto. Mulheres e magistério primário: ambigüidades e deslocamentos. In: VIDAL, Diana Gonçalves; HILSDORF, Maria Lúcia Spedo (org.). Brasil 500 anos: tópicas em história da educação. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

Downloads

Como Citar

MELO, C. N. de; ALMEIDA, K. N. C. de. Trabalho docente, gênero e poder em denúncias públicas da década de 1880. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 48, p. 64–76, 2013. DOI: 10.20396/rho.v12i48.8640009. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640009. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos