Desafio histórico na educação prisional brasileira: ressignificando a formação de professores ... Um quê de utopia?

Autores

  • Elenice Maria Cammarosano Onofre Universidade Federal de São Carlos – UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i47.8640048

Palavras-chave:

História da Educação Prisional. Políticas Públicas. Formação de Professores

Resumo

As reflexões apresentadas neste artigo são resultado de estudos sobre o papel da escola naprisão e de atividades colaborativas com professores que atuam em unidades prisionais. Ocontinente latinoamericano apresenta singularidades em relação à questão prisional, e nocaso brasileiro, há uma efervescência de ações e de construção de políticas públicas, com ointuito de implementar as Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens eadultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Entrevistas econversas informais com professores, observações sistemáticas, estudo de documentoslegais, bem como participação em seminários e colóquios nos permitiram rica coleta dematerial. A análise dos dados evidencia a complexidade do fenômeno educativo e anecessária formação do professor que, para além de conteúdos específicos, deve seapropriar das singularidades do cotidiano e das motivações dos aprisionados, uma vez queconstrói com eles um projeto de vida que pode contribuir com a (re)inserção social. Paratanto, há que se investir no fortalecimento e concretização de políticas públicas naperspectiva dos direitos humanos, reforçando propostas presentes no contexto educacionalbrasileiro de tornar a instituição prisão mais inclusiva e mais humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenice Maria Cammarosano Onofre, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar

Docente do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar.

Referências

ALARCÃO, I. (Org.). Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BRASIL. Parecer CNE/CEB No 4/2010. Diretrizes Nacionais para a oferta de educação de jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Brasília, DF: MEC/CNE/SECAD, 2010.

BRZEZINSKI, I. Pedagogia, pedagogos e formação de professores. Busca e movimento. Campinas: Papirus, 2000.

CANCLINI, N. G. Latinoamericanos buscando lugar en este siglo. Buenos Aires: Paidós, 2008.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GADOTTI, M. Perspectivas actuales de la educación. México: Siglo XXI, 2003.

GUIMARÃES, M. de F. O desenvolvimento de uma professora de matemática do ensino básico: uma história de vida. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Porto, 2004.

HARGREAVES, A. Profesorado, cultura y postmodernidad: cambian los tempos, cambia el profesorado. Madrid: Morata, 1998.

HARGREAVES, A. et al. Aprendendo a mudar: o ensino para além dos conteúdos e da padronização. Porto Alegre: Artmed, 2002.

IANNI, O. O labirinto latino-americano. Petrópolis: Cortez, 1993.

JULIÃO, E. F. A ressocialização através do estudo e do trabalho no sistema penitenciário brasileiro. 2009. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

KRAWCZYK, N.; CAMPOS, M. M.; HADDAD, S. (Orgs.). O cenário educacional latino-americano no limiar do século XXI: reformas em debate. Campinas: Autores Associaods, 2000.

LEME, J. A. G. A cela de aula: tirando a pena com letras. Uma reflexão sobre o sentido da educação nos presídios. 2002. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. 2002.

LOURENÇO, A. da S. O espaço de vida do agente segurança penitenciária no cárcere: entre gaiolas, ratoeiras e aquários. Curitiba: Juruá, 2011.

MAEYER, M. de. Prólogo. In: RANGEL, H. (Coord.). Mapa Regional latinoamericano sobre educación en prisiones. Notas para el análisis de la situación y la problemática regional. Centre International d’études pédagogiques (CIEP), 2009.

MAEYER, M. de. Na prisão existe a perspectiva da educação ao longo da vida? Alfabetização e Cidadania. Revista de Educação de jovens e adultos. Brasília: RAAB/UNESCO/Governo Japonês, 2006.

MARTÍ, J. Educação em nossa América. Ijuí: Unijuí, 2007.

MORIN, E. Os sete saberes necessários á educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000.

ONOFRE, E. M. C. Educação escolar na prisão. Para além das grades: a essência da escola e a possibilidade de resgate da identidade do homem aprisionado. 2002. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2002.

ONOFRE, E. M. C. Educação escolar na prisão: controvérsias e caminhos de enfrentamento e superação da cilada. In: LOURENÇO, A. S.; ONOFRE, E. M. C. (Orgs). O espaço da prisão e suas práticas educativas: enfoques e perspectivas contemporâneas. São Carlos: EdUFSCar, 2011. p. 267-285.

PENNA, M. G. de O. O ofício de professor: ambigüidades do exercício da docência por monitores-presos. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2003.

PÉREZ - GÓMEZ, A. I. La encrucijada de culturas. Investigación en la escuela. n. 26, p 7-24, 1995.

RANGEL, H. (Coord.). Mapa Regional latinoamericano sobre educación en prisiones. Notas para el análisis de la situación y la problemática regional. Centre International d’études pédagogiques (CIEP), 2009.

REGO, T. C.; MELLO, G. N. de. Formação de professores na América Latina e Caribe: a busca por inovação e eficiência. In: Conferência Internacional Desempenho dos Professores na América Latina: tempo de novas prioridades. Brasília, DF, 2002.

SCARFÓ, F. J. El derecho a la educación en las cárceles como garantia de la educación en derechos humanos (EDH). Revista IIDH. v. 36, p. 291 –324, 2002.

SERRADO JUNIOR, J. V. Políticas públicas educacionais no âmbito do sistema penitenciário: aplicações e implicações no processo de (re)inserção social do apenado. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual Paulista, 2009.

SILVA, M. C. M. da. O primeiro ano de docência: o choque de realidade. In: ESTRELA, M.T. (Org.). Viver e construir a Profissão Docente. Porto: Porto Editora, 1997, p. 51-80.

SILVA, R. da. A eficácia sócio-pedagógica da pena de privação da liberdade. 2001. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2001.

STRECK, D. R.; ADAMS, T.; MORETTI, C. Z. Pensamento pedagógico em nossa América: uma introdução. In: STRECK, D. R. (Org). Fontes da Pedagogia Latino-Americana: uma antologia. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 19-35.

SYKES, G. M. The society of captives: a study of a maximum security prison. New Jersey: Princeton University Press, 1999.

VEENMAN, S. El proceso de llegar a ser professor: um análisis de la formación inicial. In: VILLA, A. (Coord.). Perspectivas y problemas de la función docente. Madrid, 1988, p. 39-68.

VIEIRA, E. L. G. Trabalho docente: de portas abertas para o cotidiano de uma escola prisional. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

WHITE, R.T. The study of lives. New York: Dryden, 1989.

Downloads

Como Citar

ONOFRE, E. M. C. Desafio histórico na educação prisional brasileira: ressignificando a formação de professores ... Um quê de utopia?. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 47, p. 205–219, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i47.8640048. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640048. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos