O programa conexões de saberes como política afirmativa no contexto do semiárido nordestino: O caso da UFERSA em Mossoró/RN

Autores

  • Marcos Augusto de Castro Peres UESC
  • Ady Canário de Souza UFERSA

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i47.8640053

Palavras-chave:

Ensino superior. Extensão universitária. Políticas afirmativas. Exclusão educacional. Exclusão social. Semiárido

Resumo

Este texto analisa a experiência pioneira do Programa de Extensão Conexões de Saberes noâmbito da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA), campus de Mossoró/RN,ao longo do ano de 2010. Como fonte, foram utilizados os questionários preenchidos pelosestudantes no processo de seleção para a bolsa do Programa. Os resultados demonstramque, apesar dos problemas inerentes às políticas de ação afirmativa, o Programa Conexõesde Saberes tem sido importante para promover a inserção de estudantes de origem popularnas universidades públicas. Itens como raça, cor, gênero, renda familiar e região de origem(rural/urbana) ainda são determinantes no acesso e na permanência dos estudantes noensino superior brasileiro, especialmente nas universidades públicas. Em paralelo, aspeculiaridades do semiárido nordestino (área tradicionalmente marcada pela misériasocial), atuam como elementos agravantes da exclusão, constituindo mais um desafio a serenfrentado pelas políticas afirmativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Augusto de Castro Peres, UESC

Doutor em Educação pela USP. Mestre em Sociologia pela UNICAMP. Ex-professor da UFERSA, campus de Mossoró/RN (2009-2011). Atualmente, é professor adjunto da UESC, campus de Ilhéus/BA.

Ady Canário de Souza, UFERSA

Professora Assistente da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), campus de Angicos/RN. Mestre em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Doutoranda em Estudos da Linguagem pela UFRN. Atuou como Coordenadora Geral do Programa Conexões de Saberes na UFERSA (2010-2012).

Referências

ALBUQUERQUE JR. Durval. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 1999.

ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL, 2000.

CALDART, Roseli. Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes, 2008.

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FABRINI, João. As manifestações coletivas e comunitárias como componentes da resistência camponesa. In: Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, FFLCH-USP, São Paulo, março de 2005.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Globo, 2008.

IANNI, Octávio. A ditadura do grande capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

IBGE, Censos 2000 e 2010.

INEP. Panorama da educação do campo. Brasília/DF, 2007. LDB – Lei 9394/96.

MUNANGA, Kabengelê. Políticas de ação afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa de cotas. Revista Espaço Acadêmico, n. 22, mar./2003. Disponível em: www.espacoacademico.com.br/022/22cmunanga.htm (acessado em 07/08/2011).

PAIVA, Vanilda. História da educação popular no Brasil. São Paulo: Loyola, 2003.

PINTO, Álvaro. Sete lições sobre educação de adultos. São Paulo: Cortez, 2005.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO, 2005.

RAMOS, Graciliano. Vidas secas. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SILVA, Roberto. Entre o combate à seca e a convivência com o semiárido: políticas públicas e transição paradigmática. In: Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, vol. 38, n. 3, jul-set. 2007, p. 466-485.

VEIGA, José. Cidades imaginárias: o Brasil é menos urbano do que se calcula. Campinas/SP: Autores Associados, 2003.

VIEIRA, Evaldo. Estado e miséria social no Brasil: de Getúlio a Geisel. São Paulo: Cortez, 1987.

Downloads

Como Citar

PERES, M. A. de C.; SOUZA, A. C. de. O programa conexões de saberes como política afirmativa no contexto do semiárido nordestino: O caso da UFERSA em Mossoró/RN. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 47, p. 297–313, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i47.8640053. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640053. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos