Formação de professores e “escola ativa”: reflexões em torno de uma “tradição de inovação”

Autores

  • Joaquim Pintassilgo Universidade de Lisboa
  • Lénia Pedro Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i46.8640069

Palavras-chave:

Formação de professores. Pedagogia. Didática. Escola Ativa. Tradição

Resumo

O presente artigo tem como objetivo refletir sobre o conteúdo e implementação de duasdisciplinas do currículo das Escolas do Magistério Primário portuguesas (antigas EscolasNormais Primárias), a Pedagogia e Didática Geral e a Didática Especial, tal como seexpressam após a reabertura das referidas escolas, em 1942, e da definição dos novosprogramas no ano seguinte. As renovadas Escolas do Magistério Primário dão conta doesforço do Estado Novo salazarista para possuir, finalmente, escolas de formação deprofessores, no caso do chamado ensino primário, mais ajustadas às finalidades do regimeautoritário português. Mas esse enquadramento não deixa de conviver, de alguma maneira,com uma tradição pedagógica, que mergulha as suas raízes na Escola Nova, agoraadaptada aos novos tempos católicos e conservadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joaquim Pintassilgo, Universidade de Lisboa

Docente Universidade de Lisboa

Lénia Pedro, Universidade de Lisboa

Docente Universidade de Lisboa

Referências

GASPAR, J. M. & FERREIRA, O. G. Notas de Didática Especial. Coimbra: Coimbra Editora, 1944.

LOUREIRO, F. S. Lições de Pedagogia e Didática Geral. Coimbra: Livraria Gonçalves, 1950.

MOGARRO, M. J. Bibliotecas particulares e saberes pedagógicos: circulação e apropriação de modelos culturais. In: PINTASSILGO, J. et al. (Org.). História da escola em Portugal e no Brasil: circulação e apropriação de modelos culturais. Lisboa: Edições Colibri / Centro de Investigação em Educação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 2006, p.233-257.

MOGARRO, M. J. A formação de professores no Portugal contemporâneo. A Escola do Magistério Primário de Portalegre (Tese de Doutoramento). Cáceres: Universidad de Extremadura, 2001.

NÓVOA, A. (Dir.). Dicionário dos Educadores. Lisboa: Edições ASA, 2003, p. 297-298 e 334-336.

NÓVOA, A. Le Temps des Professeurs. Analyse socio-historique de la profession enseignante au Portugal (XVIIIe-XXe siècle). Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1987.

PINHEIRO, J. E. M. Elementos para um livro de memórias. Lisboa: [s.n.], 1996a.

PINHEIRO, J. E. M. Escritos vários relativos à Escola Normal Primária e à Escola do Magistério Primário de Lisboa. Lisboa: Escola Superior de Educação de Lisboa, 1996b.

PINHEIRO, J. E. M. Introdução ao estudo da Didática Especial, para uso dos alunos-mestres das Escolas do Magistério Primário (2.a edição, revista e aumentada). Lisboa: [s.n.], 1961.

PINTASSILGO, J. & PEDRO, L. C. A disciplina de Didática Especial na Escola do Magistério Primário de Lisboa. O exemplo do Prof. Moreirinhas Pinheiro. In: Hernández Díaz, J. M. (Coord.). Formación de Élites y Educación Superior en Iberoamérica (ss. XVI - XXI). Salamanca: Hergar Ediciones Antema, 2012, Vol. II, p.241-251.

PINTASSILGO, J. & PEDRO, L. C. As disciplinas de Didática nas Escolas do Magistério Primário. Reflexões em torno do currículo da formação de professores. Comunicação apresentada ao XIX Colóquio da Secção Portuguesa da AFIRSE – Revisitar os Estudos Curriculares: onde estamos e para onde vamos? – realizado no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa entre 2 e 4 de Fevereiro de 2012.

PINTASSILGO, J., MOGARRO, M. J. & HENRIQUES, R. P. A Formação de Professores em Portugal. Lisboa: Edições Colibri, 2010.

PINTASSILGO, J. & SERRAZINA, L. (Org.). A Escola Normal de Lisboa e a Formação de Professores: arquivo, história e memória. Lisboa: Edições Colibri / Centro de Investigação em Educação / Escola Superior de Educação de Lisboa, 2009.

PORTUGAL. Diário do Governo, Decreto- lei n.o 43369, 2 de dezembro de 1960.

PORTUGAL. Diário do Governo, Decreto-lei n.o 32629, 6 de janeiro de 1943.

PORTUGAL. Diário do Governo, Decreto- lei n.o 32243, 5 de Setembro de 1942.

TOLEDO, M. R. A. & MOGARRO, M. J. Circulação e apropriação de modelos de leitura para professores no Brasil e em Portugal: Edições pedagógicas da Companhia Editora Nacional nas bibliotecas portuguesas». In M. M. C. Carvalho & J. Pintassilgo (Orgs.). Modelos culturais, saberes pedagógicos, instituições educacionais: Portugal e Brasil, histórias conectadas. S. Paulo: EDUSP / FAPESP, 2011, pp.161-183.

Downloads

Como Citar

PINTASSILGO, J.; PEDRO, L. Formação de professores e “escola ativa”: reflexões em torno de uma “tradição de inovação”. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 46, p. 3–23, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i46.8640069. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640069. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos