Práticas reformistas na educação brasileira: a contribuição dos irmãos Gildásio e Gilson Amado

Autores

  • Raylane Andreza Dias Navarro Barreto Universidade Tiradentes (UNIT)
  • Alice Ângela Thomaz Universidade Tiradentes (UNIT)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i46.8640085

Palavras-chave:

Educação à distância. Ensino Secundário. Gildásio Amado. Gilson Amado

Resumo

Para o presente artigo tomamos como objeto de estudo as trajetórias de vida de dois irmãossergipanos: Gildásio e Gilson Amado, objetivando refletir sobre parte da história daEducação presencial e a distância no Brasil. A partir da atuação, sobretudo nas décadas de1960 e 1970, dessas duas personagens no campo educacional à frente da Diretoria deEnsino Secundário do Ministério da Educação - Dese, no caso de Gildásio, e da FundaçãoCentro Brasileira de TV Educativa - FCBTVE, no caso de Gilson, conseguimos perceberas transformações vivenciadas pela Educação nesse período, permitindo a compreensão doquanto Gildásio e Gilson Amado atuaram e efetivamente promoveram mudanças no ensinobrasileiro e o quanto as marcas deixadas por esses intelectuais foram profundas,perpetuando-se até os dias de hoje como referência de concepção de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raylane Andreza Dias Navarro Barreto, Universidade Tiradentes (UNIT)

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); Mestre em Educação e bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Professora PPG 1 da Universidade Tiradentes e líder do Grupo de Pesquisa Sociedade, educação, história e memória.

Alice Ângela Thomaz, Universidade Tiradentes (UNIT)

Especialista em Comunicação e Novas Tecnologias pela Universidade Tiradentes e graduada em Comunicação Social, habilitações em Jornalismo, pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Publicidade e Propaganda pela Universidade Tiradentes, aluna especial do Mestrado em Educação da Universidade Tiradentes e membro do Grupo de pesquisa Sociedade, educação, história e memória.

Referências

AMADO, Genolino. Um menino sergipano. Memórias. Rio de Janeiro: civilização brasileira; Brasília: INEP, 1977.

AMADO, Gilberto. História da minha infância. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1954.

AMADO, Gildásio. Educação média e fundamental. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.

ALEX. Carta aberta a Gilson Amado. Jornal do Comércio. 13 de fev de 1964.

CERTEAU, Michael de. A invenção do cotidiano. Artes de Fazer. Tradução Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes, 1994.

ESCOLA FREI CASIMIRO. Histórico da Escola. Disponível em: http://escolafreicasimiro.blogspot.com/2008/08/histrico-da-escola.html. Acesso em: 08 ago. 2011.

FAMILIA AMADO, genealogia. Disponível em: http://famlia-amado-genealogia.blogspot.com/2009/01/gilson-amado.html. Acesso em: 20 dez. 2010.

KRAMER, Sonia. Leitura e escrita de professores: da prática de pesquisa à prática de formação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.7, p.19-41, jan./abr., 1998.

MACIEL. Leandro Silvio Katzer Rezende. Projeto “João da Silva” – pioneirismo em teleducação matemática. Disponível em: http://limc.ufrj.br/htem4/papers/6.pdf. Acesso em: 20 jan. 2011.

MACIEL, Leandro Silvio Katzer Rezende. “A conquista”: uma História da educação à distância pela televisão e o movimento da matemática moderna no Brasil. 2009. 179 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em educação Matemática, Universidade Bandeirantes, São Paulo, 2009.

MAGALHAES, Justino Pereira. Tecendo nexos: historia das instituições educativas. Bragança Paulista/Editora Universitária São Francisco, 2004.

MILANEZ, Liana.TVE: cenas de uma história. Rio de Janeiro: ACERP, 2007.

NETO, Francisco José da Silveira Lobo. Gilson Amado. in FAVERO, Maria de Lourdes Albuquerque. BRITTO, Jader Medeiros (ORG). Dicionário de educadores no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ/MEC- Inep, 2002. p. 420-424.

PINTO, Diana Couto. Gildásio Amado. in FAVERO, Maria de Lourdes Albuquerque.

BRITTO, Jader Medeiros (ORG). Dicionário de educadores no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ/MEC- Inep, 2002. p. 414-419.

RORAIMA, Secretaria de Educação, Cultura e Desporto. Histórico da Escola Estadual Barão de Parima. Disponível em: http://www.educacao.rr.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=767&Itemid=33. Acesso em: 08 ago. 2011.

SANTANA, J. S. A crítica cultural no ensaio e na crônica de Genolino Amado. 2001. 234 f. Dissertação (Mestrado em Teoria e Historia Literaria) - Programa de Pós-Graduação em Teoria e História Literária, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo. 2001

SARAIVA, Terezinha. Educação a distância no Brasil: lições de história. Em Aberto, Brasília, ano 16, n.70, abr./jun. 1996.

SIRINELLI, Jean Francois. Os intelectuais. In: RÉMOND, René. (Org.). Por uma história política. Tradução Dora Rocha. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Fundação Getulio Vargas, 1996.

SIRINELLI, Jean Francois. Elites culturais. In: RIOUX, Jean Pierre. (Org.). Por uma história cultural. Lisboa: Editora Estampa, 1997.

VIEIRA, Cleber Santos. História, cidadania e livros escolares de OSPB (1962-1964), 2009. Disponível em: http://secbahia.blogspot.com/2009/03/organizacao-social-e-politica-do-brasil.html. Acesso em: 27 maio 2011.

XAVIER, Ricardo. Almanaque da TV - 50 anos de memória e Informação. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2000.

Downloads

Como Citar

BARRETO, R. A. D. N.; THOMAZ, A. Ângela. Práticas reformistas na educação brasileira: a contribuição dos irmãos Gildásio e Gilson Amado. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 46, p. 264–277, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i46.8640085. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640085. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos