Escola e desejo

Autores

  • Joni Ramón Ocaño de La Fuente Mag. em Educação (ORT-Uruguay)

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i45.8640133

Palavras-chave:

Desejo. Prazer. Pedagogia. Escola

Resumo

O artigo aborda o problema da ausência do desejo e do prazer no ensino escolar contemporâneo aportando algumas reflexões sob a crise atual das escolas. A situação do ensino escolar nos dias atuais, parece ser ao mesmo tempo complexa e de fácil apresentação (mas não de fácil solução): os estudantes não aprendem ou, no melhor dos casos, aprendem cada vez em menor grau, os elementos centrais da cultura universal. Uma das hipóteses é que as escolas trabalham sem ter em conta a vontade ou o desejo de aprender e, portanto, eliminando o prazer das aulas. Se explora as possibilidades de trabalhar o desejo e o prazer nas escolas no contexto das sociedades capitalistas posindustriais incorporando alguns conceitos do pensamento deleuzeano e se busca propor uma reflexão sob a possibilidade e a licitude da “gestão pedagógica” do desejo no sistema escolar, inspirado na proposta do pedagogo francés Philippe Meirieu e incorporando a questão do poder. Além disso, parte do problema mais íntimo do ensino contemporâneo nas sociedades capitalistas ocidentais tem a ver com o que tem sido chamado de “perda do rosto” que o sistema busca impor por meio da sua ação racionalizadora sob o mundo da vida. Sem rosto não á possibilidade de chegar ao verdadeiro eu mesmo de cada um, ficando irremediavelmente perdidas parte das questões que nos definem: os afetos, os sentimentos, os sonhos e os desejos. Se analiza a questão do professor e dos condicionamentos estruturais aos que se ve submetido, assim como das posibilidades de escapar à ação racionalizadora do sistema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joni Ramón Ocaño de La Fuente, Mag. em Educação (ORT-Uruguay)

Mag. em Educação (ORT-Uruguay)

Referências

ADORNO, Theodor; Horkheimer, Max. Dialéctica de la Ilustración. Madrid: Trotta, 2001.

ALVAREZ-URÍA, Fernando. Escuela y subjetividad. Cuadernos de Pedagogía. Barcelona, n. 242, p.56-64, 1995.

ALVEZ, Rubem. Conversas com quem gosta de ensinar. Sao Paulo: Cortez Associados, 1985.

ASSMAN, Hugo. Reencantar a educação. Rumo à sociedade aprendente. Petrópolis: Vozes, 1998.

BERGER, Peter; Luckmann Thomas. La construcción social de la realidad. Buenos Aires: Amorrortu, 1995.

DELEUZE, Gilles; Guattari, Felix. El antiedipo: capitalismo y esquizofrenia. Buenos Aires: Paidós, 1985.

DÍAZ, Esther. Posmodernidad. Buenos Aires: Biblos, 2002.

FREUD, Sigmund. Los textos fundamentales del psicoanálisis. Buenos Aires: Altaya, 1996.

HOMERO. La odisea. México, D.F.: Leyenda, 2004.

MÈLICH, Joan-Carles. Del extraño al cómplice. La educación en la vida cotidiana. Barcelona: Anthropos, 1994.

MEIRIEU, Philippe. Aprender sí. Pero ¿cómo? Barcelona: Octaedro, 2002.

RESTREPO, Luis Carlos. Ecología humana. Una estrategia de intervención cultural, San Pablo editor, Bogotá, 2002. Disponible en: www.luiscarlosrestrepo.com. Consultado el: 8 de marzo de 2008.

WOLF, Werner. Introducción a la Psicología. México: F.C.E, 1963.

Downloads

Publicado

2012-06-08

Como Citar

LA FUENTE, J. R. O. de. Escola e desejo. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 45, p. 24–35, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i45.8640133. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640133. Acesso em: 21 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos