O construtivismo como discurso pedagógico oficial na rede de ensino paulista a partir da década de 1980

  • Ana Carolina Galvão Marsiglia Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Construtivismo. Pedagogia histórico-crítica. Secretaria de Estado da Educação de São Paulo

Resumo

O construtivismo é a concepção pedagógica oficialmente adotada pela Secretaria de Estado da Educação de São Paulo (SEE) desde 1983. O Estado de São Paulo é o principal centro econômico brasileiro e tem a maior população do país. A rede estadual de ensino paulista administra mais de 200 mil professores, quatro milhões de alunos e cinco mil escolas. O número de alunos sob responsabilidade da SEE é maior que a população de quinze Estados brasileiros. Diante desses números e dos baixos resultados que o Estado tem alcançado em diferentes avaliações, verifica-se a importância de se examinar o referencial pedagógico assumido pela Secretaria a partir da década de 1980. Assim, o objetivo desse artigo é trazer, à luz da pedagogia histórico-crítica, algumas considerações sobre documentos publicados pela SEE durante os governos que se sucederam de 1983 a 2010 que ilustram como o construtivismo se instaurou e se mantém nas sucessivas administrações paulistas e suas implicações para a formação humana plena. O que pudemos analisar nos documentos da SEE é sua filiação a uma concepção teórica que mantém vínculos com o neoliberalismo e pós-modernismo, que em lugar de possibilitar a apropriação da riqueza material e intelectual humana, ocasiona a preparação do indivíduo para a exploração capitalista, impedindo o desenvolvimento máximo de suas potencialidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Galvão Marsiglia, Universidade Federal do Espírito Santo

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Bauru e Doutora em Educação Escolar pela mesma universidade, campus de Araraquara (bolsista FAPESP). Professora do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo e membro do grupo de pesquisa “Estudos Marxistas em Educação”

Referências

APOLINÁRIO, M. Metas do Ideb: por que são tão tímidas? Jornal Virtual. Humana Editorial. Ano 8, n. 175, julho de 2010. Disponível em: http://meb.zarinha.com.br/2010/07/25/metas-do-ideb-por-que-tao-timidas/. Acesso em 14 de agosto de 2010.

ARCE, A. A pedagogia na “era das revoluções”: uma análise do pensamento de Pestalozzi e Froebel. Campinas-SP: Autores Associados, 2002.

BECKER, F. Epistemologia do professor: o cotidiano da escola. Petrópolis-RJ: Vozes, 1993.

BITAR, M. S. A política educacional paulista nos doze anos de governança do PMDB: 1983 a 1994. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Economia. Campinas, 2003.

BORGES, Z. P. A política educacional do Estado de São Paulo durante os governos do PMDB (1983-1994): a proposta partidária e sua execução. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. SAEB – 2005 – primeiros resultados: médias de desempenho do SAEB/2005 em perspectiva comparada. Brasília: MEC/INEP, 2007.

CARCANHOLO, M. D. Neoliberalismo e Consenso de Washington: a verdadeira concepção de desenvolvimento do governo FHC. In: MALAGUTI, M. L.; CARCANHOLO, R.; CARCANHOLO, M. D. (Orgs.). Neoliberalismo: a tragédia do nosso tempo. São Paulo: Cortez, 1998. p. 15-35.

CARVALHO, A. M. P.; LABURÚ, C. E.; SILVA, D. et al. O construtivismo e o ensino de ciências. In: SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Ciências na escola de 1o grau: textos de apoio a proposta curricular. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. São Paulo: SE/CENP, 1991. p. 63-73.

CARVALHO, D. P. Planejamento escolar: visão possível. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências. Marília, 1999.

CARVALHO, S. R. Políticas neoliberais e educação pós-moderna no ensino paulista. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras. Araraquara, 2010.

CASADO, M. I. M. O sistema de ciclos e a jornada de trabalho do professor do Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado. Universidade Metodista de Piracicaba. Faculdade de Ciências Humanas. Piracicaba, 2006.

CRAIDY, C. M.; GROSSI, E. P.; FIALHO, N. R. M. Uma proposta didática para alfabetização de crianças das classes populares. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. v. 64. n. 148. set/dez, 1983. p. 208-216.

DELLA FONTE, S. S. Filosofia da Educação e agenda pós-moderna. Anais da 26a. Reunião Anual da ANPED, Poços de Caldas, 2003. p. 1-16.

DUARTE, N. O debate contemporâneo das teorias pedagógicas. 2010a. No prelo.

DUARTE, N. Conhecimento tácito e conhecimento escolar na formação do professor (por que Donald Schön não entendeu Luria). In: DUARTE, N.; DELLA FONTE, S. S. Arte, conhecimento e paixão na formação humana: sete ensaios de pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2010b.

DUARTE, N. Por que é necessário uma análise crítica marxista do construtivismo? In: LOMBARDI, J. C. SAVIANI, D. (Orgs.). Marxismo e educação: debates contemporâneos. 2. ed. Campinas – SP: Autores Associados, 2008. p. 203-221.

DUARTE, N. A contradição entre universalidade da cultura humana e o esvaziamento das relações sociais: por uma educação que supere a falsa escolha entre etnocentrismo ou relativismo cultural. Educação e Pesquisa. São Paulo, v.32, n.3, set./dez, 2006a. p. 607-618.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 4. ed. Campinas – SP: Autores Associados, 2006b.

DUARTE, N. (Org.). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas-SP: Autores Associados, 2004.

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões: quatro ensaios crítico-dialéticos em filosofia da educação. Campinas-SP: Autores Associados, 2003.

DUARTE, N. O Construtivismo seria pós-moderno ou o pós-modernismo seria construtivista? (análise de algumas ideias do "construtivismo radical "de Ernest Von Glasersfeld). In: DUARTE, N. (Org.). Sobre o construtivismo: contribuições a uma análise crítica. Campinas-SP: Autores Associados, 2000. p. 87-106.

DUARTE, N. Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar. Caderno CEDES. O professor e o ensino: novos olhares. Campinas, n. 44, 1998. p. 85-106.

DUARTE, R. C. O professor coordenador das escolas públicas estaduais paulistas: Análise das Condições de Trabalho e a Construção do Projeto Político-Pedagógico. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Letras. Araraquara, 2007.

DURAN, M. C. G.; ALVES, M. L.; PALMA FILHO, J. C. Vinte anos da política do ciclo básico na rede estadual paulista. Cadernos de Pesquisa. v. 35, n. 124, jan./abr. 2005. p. 83-112,.

EIDT, N. M. A relação entre a atividade de pensamento e a apropriação da cultura na psicologia de A. N. Leontiev e sua incorporação a dissertações e teses em educação no Brasil no período de 1987 a 2004. Doutorado em Educação Escolar. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2009.

FACCI, M. G. D. Valorização ou esvaziamento do trabalho do professor? Um estudo crítico-comparativo da teoria do professor reflexivo, do construtivismo e da psicologia vigotskiana. Campinas-SP: Autores Associados, 2004.

FERREIRA, N. B. P.; DUARTE, N. Estética marxista, educação e emancipação humana: implicações para o ensino de literatura. In: MENDONÇA, S. G. L.; SILVA, V. P. (Orgs.). Socialismo e educação na América Latina: coletânea de textos do IV EBEM - Encontro Brasileiro de Educação e Marxismo. São José do Rio Preto, 13 a 16 de julho de 2009. Marília: Oficina Universitária Unesp, 2009. p. 1-8.

FURTADO, A. C. Por uma história das práticas de formação docente: um estudo comparado entre duas escolas normais de Ribeirão Preto-SP (1944-1964). Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação. São Paulo, 2007.

GARCIA, R. L. A qualidade comprometida e o compromisso da qualidade. ANDE. Revista da Associação Nacional de Educação de São Paulo, 1 (3), 1982. In: SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. Projeto “Capacitação de recursos humanos para o ensino de 1o grau” (Treinamento: Formação de monitores de alfabetização). Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. São Paulo: SE/CENP, 1983.

KRAWCZYK, N.; BRUNSTEIN, R. Sindicalismo e governo: uma agenda para o diálogo sobre a reforma educativa. O caso do Estado de São Paulo/Brasil. Disponível em: http://www.lpp-uerj.net/olped/documentos/conflitos/area_trabalho/0030.pdf. Acesso em: 16 de agosto de 2007.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LIMA, A. B.; VIRIATO, E. O. As políticas de descentralização, participação e autonomia: desestatizando a educação pública. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 23.; GT Estado e Política Educacional no Brasil, 2000, Caxambu. Anais... Rio de Janeiro: Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação, 2000. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/23/textos/0523t.PDF.

MARSIGLIA, A. C. G. Um quarto de século de construtivismo como discurso pedagógico oficial na rede estadual de ensino paulista: análise de programas e documentos da Secretaria de Estado da Educação no período de 1983 a 2008. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciência e Letras. Araraquara, 2011.

MARTINS, L. M. Da formação humana em Marx à crítica da pedagogia das competências. In: DUARTE, N. (Org.). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas-SP: Autores Associados, 2004. p. 53-73.

MARX, K. A consciência revolucionária da história (Manuscritos econômico-filosóficos de 1844). In: FERNANDES, F. (Org.) Marx e Engels: História. 2. ed. São Paulo: Ática. 1984. p. 146-181.

MAZZEU, L. T. B. Formação continuada de professores: uma análise crítica sobre as perspectivas oficiais de capacitação docente. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2007.

MINTO, L. W. Globalização, transição democrática e educação (inter)nacional (1984...). Campinas: Gráfica FE/Unicamp; HISTEDBR, 2006 (CD-ROM).

MORAES, M. C. M. Os “pós-ismos” e outras querelas ideológicas. Perspectiva, Florianópolis, v. 14, n. 25, jan./jun.1996. p. 45-60. Disponível em: http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/10856/10334. Acesso em 27 de dezembro de 2010.

NÓBREGA, M. L. S. Escola-padrão: Autonomia e Gestão Democrática. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, 1999.

OLIVEIRA, S. R. F. Formulação de políticas educacionais: um estudo sobre a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo (1995-1998). Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, 1999.

PALMA FILHO, J. C. A política educacional do Estado de São Paulo no período de 1983-2008. X Congresso Estadual Paulista Sobre Formação de Educadores - Formação de professores e a prática docente: os dilemas contemporâneos. São Paulo: Fundação Unesp. 2009. p. 6053-6065.

PARAGUASSÚ, L. PISA 2006 - Para o MEC, SP puxou notas para baixo. Site Todos pela Educação. Fonte: O Estado de São Paulo. Notícia de 05/12/2007. Disponível em: http://todospelaeducacao.org.br/comunicacao-e-midia/educacao-na-midia/453/pisa-2006---para-o-mec-sp-puxou-notas-para-baixo. Acesso em 20 de dezembro de 2010.

PARAGUASSÚ, L.; MANDELLI, M. São Paulo fica em 7o, atrás de ES e Região Sul. Site Todos pela Educação. Fonte: O Estado de São Paulo. Notícia de 08/12/2010.Disponível em: http://www.todospelaeducacao.org.br/comunicacao-e-midia/educacao-na-midia/12292/sao-paulo-fica-em-7-atras-de-es-e-regiao-sul. Acesso em 20 de dezembro de 2010.

PENNAC, D. Direitos imprescritíveis do leitor. In: SÃO PAULO (Estado). Letra e Vida: programa de formação de professores alfabetizadores. Coletânea de textos. Módulo 1. Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. São Paulo: SE/CENP, 2005. M1U4T6, p. 1-2.

PEREIRA, G. E. A política de conciliação: os intelectuais e o governo Montoro. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, 1994.

PEREIRA, M. F. R. Dois sentidos para a educação na década de 1980: democracia e cidadania/ implicações históricas. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D. NASCIMENTO, M. I. M. (Org.). Navegando pela história da educação brasileira. Campinas: Graf. FE: HISTEDBR, 2006. p. 1-29. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/artigos_frames/artigo_071.html. Acesso em 14 de novembro de 2008.

PEREZ, J. R. R. A política educacional do Estado de São Paulo: 1967-1990. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, 1994.

ROSSLER, J. H. Sedução e alienação no discurso construtivista. Campinas-SP: Autores Associados, 2006.

ROSSLER, J. H. Construtivismo e alienação: as origens do poder de atração do ideário construtivista. In: DUARTE, N. (Org.). Sobre o construtivismo: contribuições a uma análise crítica. Campinas-SP: Autores Associados, 2000. p. 3-22.

SALA, M. Socialização do conhecimento ou sociabilidade adaptativa: trabalho e educação diante das transformações do capitalismo contemporâneo. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Letras. Araraquara, 2009.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. Ler e escrever: guia de planejamento e orientações didáticas; professor – 3a série. Fundação para o Desenvolvimento da Educação. Concepção e elaboração: Angela Maria da Silva Figueiredo... [e outros]. São Paulo: FDE, 2009.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. Ler e escrever: guia de planejamento e orientações didáticas; professor – 2a série. 2. ed. v. 1. Fundação para o Desenvolvimento da Educação. Adaptação do material original: Claudia Rosenberg Aratangy, Ivânia Paula Almeida, Rosalinda Soares Ribeiro de Vasconcelos. São Paulo: FDE, 2008.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. Comunicado SE de 19 de dezembro de 2007. Orienta a implantação do Programa Ler e Escrever nas escolas da rede pública estadual, 2007.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. A escola de cara nova: programa de educação continuada. Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. São Paulo: SE/CENP, 1997.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. Isto se aprende com ciclo básico. Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. São Paulo: SE/CENP, 1987.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. Decreto no 21.833, de 28 de dezembro de 1983. Institui o Ciclo Básico no ensino de 1o grau das escolas estaduais, 1983a.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria de Educação. Projeto “Capacitação de recursos humanos para o ensino de 1o grau” (Treinamento: Formação de monitores de alfabetização). Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. São Paulo: SE/CENP, 1983b.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. Campinas-SP: Autores Associados, 2003.

SILVA. M. A. Anos 80: da transição com “abertura”, mas sem ruptura, do governo burocrático autoritário para o civil. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D. NASCIMENTO, M. I. M. (Org.). Navegando pela história da educação brasileira. Campinas: Graf. FE: HISTEDBR, 2006. p. 1-33. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/artigos_frames/artigo_067.html. Acesso em 14 de novembro de 2008.

SOUZA, A. N. As políticas educacionais para o desenvolvimento e o trabalho docente. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, 1999.

UTSUMI, M. C. Escola-Padrão: avanço na melhoria do ensino? Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, 1995.

VERÍSSIMO, M. V. B. et al. Política educacional e o desafio do ensinar e aprender: meandros do processo de inclusão/exclusão. In: NÚCLEOS DE ENSINO. Universidade Estadual Paulista. Pró-reitoria de graduação. p. 444-454. Editora Unesp, 2006. Disponível em: http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2004/artigos/eixo8/politicaeducacional.pdf. Acesso de 28 de fevereiro de 2009.

VILELA, L. R. Uma análise de políticas educacionais no ensino paulistana década de 90. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação. Campinas, 2002.

WEIZ, T. As contribuições da psicogênese da língua escrita e algumas reflexões sobre a prática educativa de alfabetização. In: SÃO PAULO (Estado). Ciclo básico em jornada única: uma nova concepção de trabalho pedagógico - recursos didáticos, sua utilização. v.

Publicado
2012-06-09
Como Citar
Marsiglia, A. C. G. (2012). O construtivismo como discurso pedagógico oficial na rede de ensino paulista a partir da década de 1980. Revista HISTEDBR On-Line, 12(45), 241-262. https://doi.org/10.20396/rho.v12i45.8640147
Seção
Artigos