Rituais, festas e lira cacerense: Iniciativas de implantação da escola primária republicana na fronteira Brasil Bolívia (1910-1913)

Autores

  • Maria do Carmo Brazil Universidade Federal da Grande Dourados
  • Adriane Cristine Silva Universidade Federal da Grande Dourados

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v12i45.8640151

Palavras-chave:

Cultura material. Festas cívicas. Mato Grosso

Resumo

O tempo da inauguração da República brasileira (1889) foi também o tempo da invenção da escola primária pautada nos princípios e projetos do novo regime. Os espaços escolares deviam ser organizados e animados, por meio do agenciamento urbano e da edificação, como símbolos dos novos valores educacionais incorporados doravante pela sociedade moderna. O objetivo desta abordagem foi discutir as dimensões históricas da escola primária instalada num dos rincões do oeste do país, mais precisamente a sudoeste do Estado de Mato Grosso. Erguida com seus vastos pátios e guarnecida de suas alfaias e paramentos essa escola representava o palco para a expressão do imaginário social e locus da ação política da Republica em sua magnífica pompa litúrgica. Com esse caráter a instituição lograva visibilidade social e, ao mesmo tempo, ajudava a revigorar princípios culturais vivenciados pela sociedade. O recorte temporal envolveu o período compreendido entre 1910-1913, primeiros anos do processo de surgimento do Grupo Escolar Espiridião Marques, implantado na cidade de Cáceres, MT (fronteira Brasil-Bolívia), com destaque analítico para as relações sociais aquilatadas pela civilidade, civismo e outras devoções do interesse público. Nesta reflexão os rituais e festas foram tomados como parte do “sistema simbólico” que à luz do referencial de Pierre Félix Bourdieu (1989), cumpre a função política de legitimar ou garantir as relações de poder.  Recorremos às informações contidas, sobretudo, no Jornal a “Razão” e no Jornal “Argos”, ambos de circulação local, fontes de onde emergem algumas representações da difusão das ações da Republica em Matos Grosso, impressos em suas dimensões simbólicas e pedagógicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Carmo Brazil, Universidade Federal da Grande Dourados

Professora Titular em História do Brasil da Universidade Federal da Grande Dourados. Docente da Faculdade de Educação. 

Adriane Cristine Silva, Universidade Federal da Grande Dourados

Universidade Federal da Grande Dourados

Referências

DIÁRIO DO SENADO, 39a Sessão Ordinária do 3.o Período da 1.a legislatura, em 10 de Fevereiro de 1913, pp. 23-35.

JORNAL CIDADE DE CAMPINAS, 13 de outubro de 1910, citado por Souza, 1998, p. 260.

JORNAL DIÁRIO DA CAPITAL, Cuiabá, agosto, 1913.

JORNAL A RAZÃO. Cáceres, 01 de dezembro de 1912.

JORNAL A RAZÃO. Cáceres, 15 de dezembro de 1912.

JORNAL ARGOS. Cáceres, 27 de abril de 1913.

JORNAL A RAZÃO. Cáceres, 31 de agosto de 1913.

JORNAL A RAZÃO. Cáceres, 25 de julho de 1927.

MENSAGENS do Presidente do Estado à Assembléia Legislativa, APMC, 1910-911-1912-1915-1916-1919.

RELATÓRIO PRESIDENTE PROVÍNCIA DE MATO GROSSO, 1910.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Repensando o Ensino de História e a criação do fato. São Paulo: Ensino Contexto, 1997.

BOURDIEU, Pierre. “Sobre o poder simbólico”. In: BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: DIFEL, 1989, p. 7-15.

CAMARGO, Marilena A. Jorge Guedes de. Coisas Velhas – Um percurso de investigação sobre cultura escolar (1928-1958). São Paulo: Editora UNESP, 2000.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas. O imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A escola e a república. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CONTIER, Arnaldo Daraya. Ideologia Dominante em São Paulo através dos Periódicos (1827-1835). São Paulo: Universidade de São Paulo, 1973. (Tese de Doutorado).

CONTIER, A. D. . Imprensa e Ideologia em São Paulo (1822-1842). Matizes do Vocabulário Político e Social. 1. ed. Campinas, SP: Vozes- UNICAMP, 1979.

COSTA, Lucio. Lucio Costa: registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes, 1995.

DA MATTA, Roberto. “Você sabe com quem está falando? Um ensaio sobre a distinção entre indivíduo e pessoa no Brasil”, in: Carnavais, malandros e heróis. Para uma sociologia do dilema brasileiro. 5a ed., Rio de Janeiro: Guanabara, 1990, p. 146-204 [59p.]

FRAGO, A. V. Del espacio escolar y la escuela como lugar: propuestas y cuestiones. História de la Educacion. Revista Interuniversitaria. Madri,Vol. 12/13. 1993-1994, pp. 17-74.

GIRARDET, Raoul. Em Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Cia. das Letras, 1987.

GLÉNISSON, Jean. Iniciação aos Estudos Históricos. Rio de Janeiro: Bertrand, 1991. (Primeira edição 1961).

GRESSLER ,Patrícia. Bonito, cidade das águas: nas trilhas das construções identitárias de Mato Grosso do Sul (1948-2010). 2010. Universidade Federal da Grande Dourados. (Dissertação Mestrado em História).

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: breve século XX 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

LEITE, Gervásio. Um século de Instrução Pública. (História do Ensino Primário em Mato Grosso). Goiás: Rio Bonito, 1970.

MENDES, Natalino Ferreira. História de Cáceres - História da administração Municipal. (Tomo I). Cáceres: Secretaria Municipal de Educação, 1973.

NAGLE, Jorge. Educação e Sociedade do Brasil: 1920-29. Araraquara, São Paulo: FFCL, 1996.

NÓVOA, António. A imprensa de Educação e Ensaino: Concepção e organização do repertório português. In: CATANI , Denise e BASTOS, Maria Helena Camara. Educação em Revista – A Imprensa Periódica e a história da educação. São Paulo: Editora Escrituras, 1997.

PINSKY, Carla Bassanezi (org). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005.

REIS, Rosinete Maria. “A análise do processo de reconstrução da Escola Pública no Estado de Mato Grosso de 1910 a 1927”, Revista HISTEDBR on-line, Campinas, n.21, p. 44-51, 2006.

RODRIGUES, José Honório. Teoria da História do Brasil: Introdução Metodológica. Vol.1. 2.ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1957. (Primeira edição: 1949).

SILVA, Adriane Cristine. Grupo Esperidião Marques: Uma contribuição para os estudos das Instituições Escolares em Mato Grosso 1910-1947. Dourados, MS: UFGD, 2011, 183f. (Dissertação de Mestrado)

SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de espetáculos e ritos. In: SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: EdUNESP, 1998. pp 241-278.

SOUZA, Rosa Fátima de. Espaço da educação e da civilização: origens dos grupos escolares no Brasil. In: SAVIANI, Dermeval. O legado educacional do século XIX. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

VIDAL. Diana G. Culturas escolares: estudo sobre práticas de leitura e escrita na escola pública primária – Brasil e França, final do século XIX. 2004. Tese (Livre Docência)– Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

Downloads

Publicado

2012-06-09

Como Citar

BRAZIL, M. do C.; SILVA, A. C. Rituais, festas e lira cacerense: Iniciativas de implantação da escola primária republicana na fronteira Brasil Bolívia (1910-1913). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 12, n. 45, p. 310–329, 2012. DOI: 10.20396/rho.v12i45.8640151. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640151. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos