Composições de força na constituição de um sujeito moderno: o infantil

  • Dinah Quesada Beck Instituto de Educação/Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Paula Corrêa Henning Instituto de Educação/Universidade Federal do Rio Grande - FURG
Palavras-chave: Educação. Infância. Modernidade. Governo

Resumo

O artigo tem como objetivo pensar sobre os entendimentos de infância ainda tão vinculados ao processo de ingenuidade e pureza, bem como o processo de escolarização como salvacionista de uma infância imaculada. O texto se nutre das discussões sobre história da emergência especialmente em Michel Foucault. O estudo demarca a consistência moderna em que se gestou a população dos infantis de modo a educá-los e conduzi-los ao caminho do bem. Ao fazê-las carregar a noção de frágeis e dependentes, um imenso desejo de controlar e conduzir a vida das crianças arquitetou-se aos ideais do projeto educacional e civilizatório propagado desde o nascimento da Modernidade. É especialmente a partir desse momento histórico que os sujeitos infantis foram concebidos como indivíduos a conhecer, a desvendar, a esquadrinhar, necessitando conhecê-los melhor para melhor governá-los.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dinah Quesada Beck, Instituto de Educação/Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Dinah Quesada Beck é Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa de Estudos em Educação e Relações de Gênero da UFRGS e do Grupo de Pesquisa Gênero e Sexualidade na Escola da FURG. Trabalha especialmente com Infâncias, Gênero e Sexualidade. Autora responsável pela correspondência.

Paula Corrêa Henning, Instituto de Educação/Universidade Federal do Rio Grande - FURG
Paula Corrêa Henning é Doutora em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa de Cultura, Subjetividades e Políticas de Formação da PUCRS. Trabalha especialmente com Educação Ambiental e Mídias nos espaços escolares.

Referências

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Tradução de Dora Flaksman. Rio de Janeiro: LCT – Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 1981.

BRASIL (1990). Lei Federal 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente, 1990. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm. Acesso em: 20/09/2010.

BUJES, Maria Isabel E. Infância e maquinarias. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

CORAZZA, Sandra. História da Infância sem Fim. Ijuí: Editora Unijuí, 2004.

CORAZZA, Sandra. Infância & Educação. Era uma vez... quer que conte outra vez? Petrópolis: Vozes, 2002.

FELIPE, Jane. Erotização dos corpos infantis. In: LOURO, Guacira; FELIPE, Jane;

GOELLNER, Silvana (Orgs). Corpo, Gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2007, p. 53-65.

GOELLNER, Silvana (Orgs). Governando mulheres e crianças: Jardins de infância em Porto Alegre na primeira metade do século XX. Porto Alegre: UFRGS, 2000 (Tese de Doutorado).

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 10a ed. São Paulo, Edições Loyola, 2004.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal Editora, 1990.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Editora Vozes, 1987.

LARROSA, Jorge. Dar a palavra. Notas para uma dialógica da transmissão. In.: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (Orgs.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p. 281-295.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da Sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.) O corpo educado: pedagogias da Sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2007, p. 8-34.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade. O “normal”, o “diferente” e o “excêntrico”. In: LOURO, Guacira Lopes.; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2007a, p. 41-52.

MÜLLER, Verônica. História de Crianças e Infâncias – registros, narrativas e vida privada. Petrópolis: Editora Vozes, 2007.

NARODOWSKY, Mariano. Infancia y Poder – La confirmacion de La Pedagogia. Buenos Aires: Editora Aique, 1994.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Tradução de Jean Melville. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

RAGO, Margareth. Libertar a história. In: M. Rago; L. OrandiI, A. Veiga-Neto (Orgs.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2005, p. 255-272.

VARELA, Júlia. O Estatuto do Saber Pedagógico. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). O Sujeito da Educação: Estudos Foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994, p. 87-96.

VARELA, Júlia; ALVAREZ-ÚRIA Fernando. Maquinaria escolar. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 6, 1992, p. 12-69.

VEYNE, P. Como se escreve a história e Foucault revoluciona a história. Tradução de Alda Baltar e Maria Auxiadora Kneipp. 4a ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.

Publicado
2014-03-22
Como Citar
Beck, D. Q., & Henning, P. C. (2014). Composições de força na constituição de um sujeito moderno: o infantil. Revista HISTEDBR On-Line, 13(54), 28-40. https://doi.org/10.20396/rho.v13i54.8640166
Seção
Artigos