O trabalho associado como princípio educativo e a educação escolar: notas a partir das fábricas recuperadas

  • Henrique Tahan Novaes UNESP
Palavras-chave: Trabalho. Educação. Fábricas Recuperadas

Resumo

Este artigo pretende abordar a educação escolar e não escolar nas fábricas recuperadas latino-americanas, especialmente no Brasil e Argentina. Para atingir nosso objetivo, fizemos um breve balanço do momento histórico atual, para depois tentar diferenciar as lutas anti-capital das lutas pontuais. Na terceira seção, fizemos um breve retrospecto da primeira fase das lutas das Fábricas Recuperadas (FRs), caracterizada por extrema criatividade, embriões de desalienação do trabalho e resgate dos princípios autogestionários (trabalho associado como princípio educativo). A quarta seção aborda a segunda fase das FRs: a acomodação das fábricas na ordem do capital, a cooptação pelo Estado ou a degeneração das mesmas no mercado capitalista. Os projetos de educação profissional nas FRs, as demandas de conteúdo e forma escolar sinalizados pelas FRs foram expostos na quinta seção. Encerramos o artigo com algumas considerações finais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Tahan Novaes, UNESP
Docente do Depto de Administração e Supervisão Escolar da UNESP - Marília

Referências

ALANIZ, E. P. Qualificação Profissional: um estudo das práticas educacionais em uma empresa de autogestão. São Paulo, SP: Editora da Unesp, 2007.

ALANIZ, E. P. A política pública de formação para economia solidária no Brasil (2003-2011): análise de um projeto PROESQ/PNQ executado pela Rede Abelha/RN e CFES nacional. Tese de doutorado. São Paulo, USP, Faculdade de Educação, 2012.

ANTUNES, R. Palestra. VI Colóquio Internacional Marx e Engels. Unicamp, IFCH, outubro de 2010.

AZPIAZU, D.; BASUALDO, E. Concentración econômica y regulación de los servicios públicos. 2001. Disponível em: www.wilsoncenter.org/topics/docs/concentración%20economica.doc. Acesso em: junho de 2007.

CABRAL, F. A. Arte para pensar a vida e educar os sentidos. In: MENDONÇA, S. G.; SILVA, V.; MILLER, S. (Org.). Marx, Gramsci e Vigotski: aproximações. 2ed. Araraquara-SP: Junqueira&Marin editores, 2012, v. 1, p. 377-397.

CALDART, R. S. (Org.) Caminhos para a transformação escolar. São Paulo, SP: Expressão Popular, 2009.

DAGNINO, R. (Org.) Tecnologia Social – ferramenta para construir outra sociedade. Campinas, SP: Instituto de Geociências-Unicamp, 2008.

DAL RI, N. M.; VIEITEZ, C. G. Educação Democrática e Trabalho Associado no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e nas Fábricas de Autogestão. São Paulo, SP: Ícone-Fapesp, 2008.

DOS SANTOS, T. Teoria da dependência: balanço e perspectivas. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2000.

ELISALDE, R.; AMPUDIA, M. “Movimientos sociales y escuelas populares dejóvenes y adultos. Notas sobre la construcción de un proyecto de educación popular”. Marília, Mimeo (impresso), 2011.

FREITAS, L. C. A luta por uma pedagogia do meio: revisitando o conceito. In: PISTRAK, M. M. (org.) A Escola-Comuna. São Paulo, SP: Expressão Popular, 2009. p. 9- 103.

HENRIQUES, F. C. et. al. Empresas recuperadas pelos trabalhadores. Rio de Janeiro, RJ: Multifoco, 2013.

HILSENBECK, Filho A. O MST e o Teatro – potencialidades pedagógicas. 2012. Disponível em: http://passapalavra.info/2012/11/66247. Retirado em 15/11/2012. Acesso em: 15/11/2012.

IANNI, O. O declínio do Brasil-nação. São Paulo: Revista de Estudos Avançados 14 (40), 2000, p. 51-58.

IASI, M. Educação, consciência de classe e estratégia revolucionária. Revista Universidade e Sociedade, Distrito Federal, n. 48: 122-30. Jul. 2011.

LEHER, R. Reforma Universitária de Córdoba, noventa anos. Um Acontecimento Fundacional para a Universidade Latino-americanista. In: SADER, E; GENTILI, P; ABOITES, H. (compiladores). La reforma universitaria: desafíos y perspectivas noventa años después. 1a ed. Buenos Aires: CLACSO, 2008, p. 25-47.

LUKÁCS, G. Prolegômenos para uma ontologia do ser social. Tradução de Lya Luft e Rodnei Nascimento. São Paulo, SP: Boitempo editorial, 2010.

LIMA FILHO, P. A. O Projeto Universidade Popular. São Paulo, impresso (mimeo), 1999.

LIMA FILHO, P. A. Carta sobre a Universidade Federal da Grande Fronteira Sul. Campinas, Impresso, outubro de 2008.

LIMA FILHO, P. A.; MACEDO, R. A poeira dos mitos: revolução e contrarevolução nos capitalismos da miséria. In: BENINI, E. A.; FARIA, M. S.; NOVAES, H. T.; DAGNINO, R. (Orgs.) Gestão Pública e Sociedade: fundamentos e políticas públicas de Economia Solidária. São Paulo, SP: Outras Expressões, 2011, p. 200-231.

LOMBARDI, J. C. Educação e ensino na obra de Marx e Engels. Campinas, SP: Alínea, 2011.

MELLO, I. J. Sob o domínio do medo: controle social e criminalização da miséria no neoliberalismo. Tese de Doutorado, IFCH, Unicamp, 2008.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. Tradução de Paulo Cezar Castanheira. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

MÉSZÁROS, I. Educação para além do capital. Tradução de Isa Tavares São Paulo, SP: Boitempo, 2006.

MÉSZÁROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico. Tradução de Ana Cotrim e Vera Cotrim. São Paulo, SP: Boitempo, 2007.

MINTO. L. W. A educação da “miséria”: particularidade capitalista e educação superior no Brasil. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Unicamp, Campinas, 2011.

NOVAES, H. T. (Org.) O retorno do caracol à sua concha: alienação e desalienação em cooperativas e associações de trabalhadores. São Paulo, SP: Expressão Popular, 2010.

NOVAES, H. T. (Org.) A Autogestão como magnífica escola: notas sobre a educação no trabalho associado. In: BATISTA, E. L.; NOVAES, H. T. (Orgs.). Educação e reprodução social: as contradições do capital no século XXI. Bauru, SP: Canal 6/Praxis, 2011, p. 97-123.

NOVAES, H. T. (Org.) Reatando um fio interrompido – a relação universidade movimentos sociais na América Latina. São Paulo, SP: Expressão Popular-Fapesp, 2012.

NOVAES, H. T. (Org.) BENINI, E. Quem controla o Estado Brasileiro: o capital rentista e a dívida pública. In: BENINI, E. A.; FARIA, M. S.; NOVAES, H. T.; DAGNINO, R. (Orgs.) Gestão Pública e Sociedade: fundamentos e políticas públicas de Economia Solidária. São Paulo, SP: Outras Expressões, 2012, p. 230-242.

OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista/ O ornitorrinco. São Paulo: SP, Boitempo Editorial, 2003.

PINASSI, M. O. Da miséria ideológica à crise do capital – uma reconciliação histórica. São Paulo, SP: Boitempo, 2009.

PISTRAK, M. M. (Org.) A escola-comuna. Tradução de Luiz Carlos de Freitas e Alexandre Marenich. São Paulo, SP: Expressão Popular, 2009.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1996.

RODRIGUES, F. MST - Formação Política e Reforma Agrária nos anos de1980. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Unicamp, 2013.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica – primeiras aproximações. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, D. Comentários a Palestra de Henrique Novaes. Campinas, Unicamp, 2012 (mimeo).

SILVA, F. A Fábrica como agência educativa. Araraquara, SP: Cultura Acadêmica-Unesp, 2005.

SVAMPA, M.; PEREYRA, S. Entre la ruta y el barrio: la experiência de lãs organizaciones piqueteras. 1o ed. Buenos Aires: Biblos, 2003.

TAUILE, J. R. Do socialismo de mercado à Economia Solidária. Revista de Economia Contemporânea. Rio de Janeiro, 6(1): 107-122, jan./jun. 2002.

TIRIBA, L; FISCHER, M.C.B. Saberes do trabalho associado. In: CATTANI, A. D.; LAVILLE, J. L.; GAIGER, L. I.; HESPANHA, P. Dicionário Internacional da Outra Economia. São Paulo/Coimbra, Almedina Brasil , 2009, p. 293-298.

TRAGTENBERG, M. Sobre educação, política e sindicalismo. São Paulo, SP: Unesp, 2004.

VARSAVSKY, O. Ciencia, Política y Cientificismo. Caracas: Monte Ávila, 2007. [1969].

VIEITEZ, C.; DAL RI, N. Trabalho Associado. Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2001.

Publicado
2014-03-22
Como Citar
Novaes, H. T. (2014). O trabalho associado como princípio educativo e a educação escolar: notas a partir das fábricas recuperadas. Revista HISTEDBR On-Line, 13(54), 70-88. https://doi.org/10.20396/rho.v13i54.8640169
Seção
Artigos