Banner Portal
Os Congressos Agrícolas do Rio de Janeiro e de Pernambuco e a educação (1878)
PDF

Palavras-chave

História da Educação. Congresso Agrícola do Rio de Janeiro. Congresso Agrícola de Recife

Como Citar

NASCIMENTO, Maria Isabel Moura; NASCIMENTO, Manoel Nelito Matheus. Os Congressos Agrícolas do Rio de Janeiro e de Pernambuco e a educação (1878). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 54–74, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640229. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640229. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Este artigo apresenta um estudo sobre a educação nos Congressos Agrícolas do Rio de Janeiro e de Pernambuco (1878) realizado com o principal objetivo de examinar como se manifesta a proposta de constituição de escolas nos Congressos Agrícolas. Na segunda metade do século XIX, quando a sociedade brasileira intensificou o debate sobre o fim da escravidão e a iminente crise (falta) de mão-de-obra. A promulgação da Lei do Ventre Livre em 1871 acirrou o debate, levando a classe dominante, composta principalmente de grandes fazendeiros de café, a criar instituições para os primeiros (ingênuos) “libertos”, assim como propôs a criação de asilos e orfanatos de educação agrícola para receber e preparar as crianças para o trabalho.  Os discursos apresentados nos Anais dos dois Congressos Agrícolas revelam que a ensino primário e a instrução agrícola associado muitas vezes às leis coercitivas, eram compreendidos como essenciais para tornar possível a utilização do elemento nacional no serviço agrícola. Consideravam que os ingênuos e demais homens livres deveriam ser “recuperados” para uma vida digna, uma vida de trabalho, por meio da educação.

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640229
PDF

Referências

AITA, Carmen S. A. Liberalismo & República: o pensamento político de J. F. de Assis Brasil. Porto Alegre: Tese de doutorado em História, PUCRS, 2006.

ALBUQUERQUE, Wlamyra Ribeiro de, FRAGA FILHO, Walter. Uma história do negro no Brasil. Universidade Federal da Bahia. Centro de Estudos Afro-Orientais, Fundação Cultural Palmares, 2006

ALMEIDA, José Ricardo Pires de. História da instrução pública no Brasil (1500-1889). São Paulo: EDUC ; Brasília, DF: INEP/MEC, 1989

ANTONIL, A. J. Cultura e opulência do Brasil. Vol. 2. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967. (Coleção Roteiro do Brasil).

BEIGUELMAN, Paula. A Formação do povo no complexo cafeeiro. São Paulo, Edusp, 1968.

CHALHOUB, Sidiney. Visões da Liberdade: uma História das Últimas Décadas da Escravidão na Corte. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

CHIAVENATO, Júlio José. O Negro no Brasil: da senzala à abolição. São Paulo: Moderna , 1999.

CORREA, Roberto Lobato. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 1987

COUTY, Louis. O Brasil em 1884: Esboços sociológicos. Rio de Janeiro: Fundação casa de Rui Barbosa, Brasília – Senado Federal, 1984.

DEAN, W. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

DEL PRIORE, Mary e VENÂNCIO, Renato. Uma História da Vida Rural no Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006

FERLINI, Vera Lucia Amaral. Uma fábrica colonial: trabalhos e técnicas nos engenhos brasileiros In: VIEIRA, Alberto (Org.). História e Tecnologia do Açúcar. Funchal: CEHA, 2000, p. 183-206.

FERLINI, Vera Lucia Amaral. Terra, Trabalho e Poder, São Paulo, Brasiliense, 1988.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Dominus, USP, 1965.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

FERNANDES, H. R. A Força Pública Do Estado De São Paulo. In: Boris Fausto História geral da civilização brasileira, v. 9, p.244.

FONSECA, Marcus V. A Educação dos Negros: Uma nova face do processo de abolição da escravatura no Brasil. São Paulo: Edusp, 2002.

FONSECA, Marcus V. Escolas para crianças negras: uma análise a partir do congresso agrícola do Rio de Janeiro e do Congresso Agrícola do Recife em 1878. In: III Congresso Brasileiro de História da Educação, 2004, Curitiba. SBHE, 2004.

MARTINEZ, Alessandra Frota. Educar e instruir: a instrução popular na Corte imperial. 1870 - 1889. Dissertação de Mestrado, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 1997

MATTOS, Hebe Maria. Das cores do silêncio: Os significados da liberdade no sudeste escravista. Brasil, séc. XIX. 3a ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

MATTOSO, Katia M. de Queirós. Ser Escravo no Brasil. Brasiliense: São Paulo,1982.

MILET, Henrique Augusto. Os Quebra-Quilos E A Crise Da Lavoura. 2 ed. São Paulo: Global, 1987.

MOYSÉS. S. M. A. Leitura e apropriação de textos por escravos e libertos no Brasil do século XIX. Revista de Ciência e Educação – Educação e Sociedade. São Paulo: Papirus, n.o48, agosto/1994

MOURA, Denise A. Soares.. Saindo das Sombras: Homens livres no declínio do escravismo. Campinas: CMU/Fapesp/Unicamp, 1998.

MOURA, Clóvis. Brasil: raízes do protesto negro. São Paulo: Global, 1983.

MOURA, Clóvis. Rebeliões da senzala. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988

MOURA, Clóvis. Dialética Radical do Brasil Negro. Editora Anita, 1994.

NASCIMENTO, Maria Isabel Moura. A primeira escola de professores dos Campos Gerais - PR. Tese de Doutorado. Campinas-SP: UNICAMP-FE, 2004

NASCIMENTO, Manoel Nelito M. HISTÓRIA, TRABALHO EDUCAÇÃO: Relações de produção e qualificação da força de trabalho na agroindústria canavieira. Tese de Doutorado. Campinas-SP: UNICAMP-FE, 2009.

PERRUCI, Gadiel. A república das usinas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

PINTO, R. P. A educação do Negro – uma revisão bibliográfica. In: Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, São Paulo, 62, agosto/1987.

PINHEIRO, P.S. Classes médias urbanas: formação, natureza, intervenção na vida política. In: B. Fausto (org.). História geral da civilização brasileira, v. 9. São Paulo, Difel, 1989.

PINHEIRO, P.S. O Proletariado Industrial na Primeira República. In: Boris Fausto (org.). História geral da civilização brasileira, v. 9, p. 146 e 149.

PRADO Jr., Caio. Formação do Brasil contemporâneo. 7a ed. São Paulo: Brasiliense, 1963.

RIBEIRO, Maria Luisa. História da Educação Brasileira. A organização escolar. (6a ed.) São Paulo: Moraes, 1986.

SCHELBAUER, Analete Regina. Ideias que não se realizam. O debate sobre a educação do povo no. Brasil de 1870 a 1914. Maringá: Eduem, 1998.

SCHELBAUER, Analete Regina. Os congressos agrícolas de 1878 e o debate sobre a educação do povo no Brasil. In: Fórum Sul de coordenadores de pós-graduação em educação - ANPED. II Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 1999, Curitiba-PR: Imprensa Universitária-UFPR, 1999. p. 158

SIMÃO, André Luciano. Minas Gerais e o Congresso Agrícola de 1878: demandas, temores e percepções dos produtores rurais mineiros. In: Paula, João Antonio de and alli, et eds., Anais do XI Seminário sobre a Economia Mineira, Cedeplar, Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: http://www.cedeplar.ufmg.br/diamantina2004/textos/D04A053.PDF Acesso em: 12/12/2012.

SIMÃO, André Luciano. Congressos Agrícolas de 1878: em retrato do reformismo ao final do século XIX. Dissertação de Mestrado em Sociologia, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2001.

SINGER, Paul. O Brasil no Contexto do Capitalismo Internacional 1889-1930. In: FAUSTO, Boris (Dir.). História geral da civilização brasileira - O Brasil Republicano: estrutura de poder e economia. Tomo III v. 1 n. 8. 4 ed. São Paulo: Difel, 1985. P. 345-390

SOARES, Luiz Carlos. Os escravos de ganho no Rio de Janeiro do século XIX. Revista Brasileira de História, n. 16. mar., ago.1988.

TERRA, Paulo Cruz. Tudo que transporta e carrega negro? Carregadores, cacheiros e carroceiros no Rio de Janeiro (1824-1879) Dissertação de mestrado UFF, Niteroi, 2007.

TERRA, Paulo Cruz. Relações étnicas no setor de transportes: carregadores, cacheiros e carroceiros no Rio de Janeiro 1824-1870) Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, N.3., 2009.

VIOTTI DA COSTA, Emília, Da Monarquia à República. Momentos decisivos, 6a ed. São Paulo, Brasiliense, 1999

VIOTTI DA COSTA, Emília. Da Senzala à Colônia. São Paulo, Ciências Humanas. 4a. ed. São Paulo: Editora da UNESP, 1998.

VIOTTI DA COSTA, Emília. A Abolição. 4. Ed. São Paulo: Ed. Global, 1986

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.