Os Congressos Agrícolas do Rio de Janeiro e de Pernambuco e a educação (1878)

Autores

  • Maria Isabel Moura Nascimento Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
  • Manoel Nelito Matheus Nascimento UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640229

Palavras-chave:

História da Educação. Congresso Agrícola do Rio de Janeiro. Congresso Agrícola de Recife

Resumo

Este artigo apresenta um estudo sobre a educação nos Congressos Agrícolas do Rio de Janeiro e de Pernambuco (1878) realizado com o principal objetivo de examinar como se manifesta a proposta de constituição de escolas nos Congressos Agrícolas. Na segunda metade do século XIX, quando a sociedade brasileira intensificou o debate sobre o fim da escravidão e a iminente crise (falta) de mão-de-obra. A promulgação da Lei do Ventre Livre em 1871 acirrou o debate, levando a classe dominante, composta principalmente de grandes fazendeiros de café, a criar instituições para os primeiros (ingênuos) “libertos”, assim como propôs a criação de asilos e orfanatos de educação agrícola para receber e preparar as crianças para o trabalho.  Os discursos apresentados nos Anais dos dois Congressos Agrícolas revelam que a ensino primário e a instrução agrícola associado muitas vezes às leis coercitivas, eram compreendidos como essenciais para tornar possível a utilização do elemento nacional no serviço agrícola. Consideravam que os ingênuos e demais homens livres deveriam ser “recuperados” para uma vida digna, uma vida de trabalho, por meio da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Isabel Moura Nascimento, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Professora Adjunta do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG); Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) da UEPG. Coordenadora do Grupo de pesquisa História e Sociedade nos Campos Gerais-PR (HISTEDBR/UEPG)

Manoel Nelito Matheus Nascimento, UFSCar

Doutor em Educação e professor do Departamento de Educação (DEd) da UFSCar (São Carlos). Membro do HISTEDBR

Referências

AITA, Carmen S. A. Liberalismo & República: o pensamento político de J. F. de Assis Brasil. Porto Alegre: Tese de doutorado em História, PUCRS, 2006.

ALBUQUERQUE, Wlamyra Ribeiro de, FRAGA FILHO, Walter. Uma história do negro no Brasil. Universidade Federal da Bahia. Centro de Estudos Afro-Orientais, Fundação Cultural Palmares, 2006

ALMEIDA, José Ricardo Pires de. História da instrução pública no Brasil (1500-1889). São Paulo: EDUC ; Brasília, DF: INEP/MEC, 1989

ANTONIL, A. J. Cultura e opulência do Brasil. Vol. 2. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967. (Coleção Roteiro do Brasil).

BEIGUELMAN, Paula. A Formação do povo no complexo cafeeiro. São Paulo, Edusp, 1968.

CHALHOUB, Sidiney. Visões da Liberdade: uma História das Últimas Décadas da Escravidão na Corte. São Paulo: Cia das Letras, 1990.

CHIAVENATO, Júlio José. O Negro no Brasil: da senzala à abolição. São Paulo: Moderna , 1999.

CORREA, Roberto Lobato. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 1987

COUTY, Louis. O Brasil em 1884: Esboços sociológicos. Rio de Janeiro: Fundação casa de Rui Barbosa, Brasília – Senado Federal, 1984.

DEAN, W. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

DEL PRIORE, Mary e VENÂNCIO, Renato. Uma História da Vida Rural no Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006

FERLINI, Vera Lucia Amaral. Uma fábrica colonial: trabalhos e técnicas nos engenhos brasileiros In: VIEIRA, Alberto (Org.). História e Tecnologia do Açúcar. Funchal: CEHA, 2000, p. 183-206.

FERLINI, Vera Lucia Amaral. Terra, Trabalho e Poder, São Paulo, Brasiliense, 1988.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Dominus, USP, 1965.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

FERNANDES, H. R. A Força Pública Do Estado De São Paulo. In: Boris Fausto História geral da civilização brasileira, v. 9, p.244.

FONSECA, Marcus V. A Educação dos Negros: Uma nova face do processo de abolição da escravatura no Brasil. São Paulo: Edusp, 2002.

FONSECA, Marcus V. Escolas para crianças negras: uma análise a partir do congresso agrícola do Rio de Janeiro e do Congresso Agrícola do Recife em 1878. In: III Congresso Brasileiro de História da Educação, 2004, Curitiba. SBHE, 2004.

MARTINEZ, Alessandra Frota. Educar e instruir: a instrução popular na Corte imperial. 1870 - 1889. Dissertação de Mestrado, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 1997

MATTOS, Hebe Maria. Das cores do silêncio: Os significados da liberdade no sudeste escravista. Brasil, séc. XIX. 3a ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

MATTOSO, Katia M. de Queirós. Ser Escravo no Brasil. Brasiliense: São Paulo,1982.

MILET, Henrique Augusto. Os Quebra-Quilos E A Crise Da Lavoura. 2 ed. São Paulo: Global, 1987.

MOYSÉS. S. M. A. Leitura e apropriação de textos por escravos e libertos no Brasil do século XIX. Revista de Ciência e Educação – Educação e Sociedade. São Paulo: Papirus, n.o48, agosto/1994

MOURA, Denise A. Soares.. Saindo das Sombras: Homens livres no declínio do escravismo. Campinas: CMU/Fapesp/Unicamp, 1998.

MOURA, Clóvis. Brasil: raízes do protesto negro. São Paulo: Global, 1983.

MOURA, Clóvis. Rebeliões da senzala. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988

MOURA, Clóvis. Dialética Radical do Brasil Negro. Editora Anita, 1994.

NASCIMENTO, Maria Isabel Moura. A primeira escola de professores dos Campos Gerais - PR. Tese de Doutorado. Campinas-SP: UNICAMP-FE, 2004

NASCIMENTO, Manoel Nelito M. HISTÓRIA, TRABALHO EDUCAÇÃO: Relações de produção e qualificação da força de trabalho na agroindústria canavieira. Tese de Doutorado. Campinas-SP: UNICAMP-FE, 2009.

PERRUCI, Gadiel. A república das usinas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

PINTO, R. P. A educação do Negro – uma revisão bibliográfica. In: Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, São Paulo, 62, agosto/1987.

PINHEIRO, P.S. Classes médias urbanas: formação, natureza, intervenção na vida política. In: B. Fausto (org.). História geral da civilização brasileira, v. 9. São Paulo, Difel, 1989.

PINHEIRO, P.S. O Proletariado Industrial na Primeira República. In: Boris Fausto (org.). História geral da civilização brasileira, v. 9, p. 146 e 149.

PRADO Jr., Caio. Formação do Brasil contemporâneo. 7a ed. São Paulo: Brasiliense, 1963.

RIBEIRO, Maria Luisa. História da Educação Brasileira. A organização escolar. (6a ed.) São Paulo: Moraes, 1986.

SCHELBAUER, Analete Regina. Ideias que não se realizam. O debate sobre a educação do povo no. Brasil de 1870 a 1914. Maringá: Eduem, 1998.

SCHELBAUER, Analete Regina. Os congressos agrícolas de 1878 e o debate sobre a educação do povo no Brasil. In: Fórum Sul de coordenadores de pós-graduação em educação - ANPED. II Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 1999, Curitiba-PR: Imprensa Universitária-UFPR, 1999. p. 158

SIMÃO, André Luciano. Minas Gerais e o Congresso Agrícola de 1878: demandas, temores e percepções dos produtores rurais mineiros. In: Paula, João Antonio de and alli, et eds., Anais do XI Seminário sobre a Economia Mineira, Cedeplar, Universidade Federal de Minas Gerais. Disponível em: http://www.cedeplar.ufmg.br/diamantina2004/textos/D04A053.PDF Acesso em: 12/12/2012.

SIMÃO, André Luciano. Congressos Agrícolas de 1878: em retrato do reformismo ao final do século XIX. Dissertação de Mestrado em Sociologia, Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2001.

SINGER, Paul. O Brasil no Contexto do Capitalismo Internacional 1889-1930. In: FAUSTO, Boris (Dir.). História geral da civilização brasileira - O Brasil Republicano: estrutura de poder e economia. Tomo III v. 1 n. 8. 4 ed. São Paulo: Difel, 1985. P. 345-390

SOARES, Luiz Carlos. Os escravos de ganho no Rio de Janeiro do século XIX. Revista Brasileira de História, n. 16. mar., ago.1988.

TERRA, Paulo Cruz. Tudo que transporta e carrega negro? Carregadores, cacheiros e carroceiros no Rio de Janeiro (1824-1879) Dissertação de mestrado UFF, Niteroi, 2007.

TERRA, Paulo Cruz. Relações étnicas no setor de transportes: carregadores, cacheiros e carroceiros no Rio de Janeiro 1824-1870) Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, N.3., 2009.

VIOTTI DA COSTA, Emília, Da Monarquia à República. Momentos decisivos, 6a ed. São Paulo, Brasiliense, 1999

VIOTTI DA COSTA, Emília. Da Senzala à Colônia. São Paulo, Ciências Humanas. 4a. ed. São Paulo: Editora da UNESP, 1998.

VIOTTI DA COSTA, Emília. A Abolição. 4. Ed. São Paulo: Ed. Global, 1986

Downloads

Publicado

2013-11-27

Como Citar

NASCIMENTO, M. I. M.; NASCIMENTO, M. N. M. Os Congressos Agrícolas do Rio de Janeiro e de Pernambuco e a educação (1878). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 54–74, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640229. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640229. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>