O estágio supervisionado da teoria à prática: reflexões a respeito da epistemologia da prática e estágio com pesquisa, a luz da pedagogia histórico-crítica

Autores

  • Saulo Carvalho NEPPEM- O Núcleo de Estudos e Pesquisa "Psicologia Social e Educação: contribuições do marxismo". UNESP-BAURU-SP

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640245

Palavras-chave:

Estágio Supervisionado. Formação de Professores. Estágio com Pesquisa. Pedagogia Histórico-Crítica

Resumo

Neste artigo realizamos uma reflexão a respeito da concepção de Estágio Supervisionado como Pesquisa. O estágio enquanto pesquisa que se fundamenta no campo teórico da epistemologia da prática, busca compreender metodologicamente o campo da prática de Estágio Supervisionado e aproximá-lo à pesquisa em educação constituindo-se em uma nova metodologia na formação do futuro pedagogo. Por meio da compreensão das particularidades da prática de estágio e das delimitações do campo da pesquisa e prática pedagógica, apresentamos uma crítica a respeito do pragmatismo presente nesta tendência teórica que se constrói para o estágio docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Saulo Carvalho, NEPPEM- O Núcleo de Estudos e Pesquisa "Psicologia Social e Educação: contribuições do marxismo". UNESP-BAURU-SP

Mestre em Educação Escolar pela UNESP-FCLAr, Membro do NEPPEM-Bauru-SP. Atou como professor de Seminário de Pesquisa, Estágio Supervisionado I: educação infantil e Estágio Supervisionado II: anos iniciais do ensino básico na Universidade Federal do Amazonas UFAM/ICSEZ- Parintins-AM. Foi professor dos anos iniciais do ensino básico pelo Governo do Estado de São Paulo.

Referências

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 8a ed. São Paulo, 2011.

ANDERY, M. A. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. Rio de Janeiro: EDUC, 1988.

BRASIL. Diretrizes para os estágios supervisionados nos cursos de licenciaturas da Universidade Federal do Amazonas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS. Pró-Reitoria de Ensino de Graduação-PROEG, Manaus, 2011.

CARVALHO, S. R. Políticas neoliberais e educação pós-moderna no ensino paulista. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista, 2010.

CARVALHO, S. R. Marxismo, educação e formação da individualidade: o caminho das objetivações genéricas em-si às objetivações genéricas para-si. Caderno Sala de Aula. Manaus: EDUA, Ano 1, V. 1, p. 11-28, jan/jun, 2012.

COSTA, G. M. Serviço Social em debate: ser social, trabalho, ideologia. Universidade Federal de Pernambuco (UFP). Dissertação de Mestrado, (texto revisado para publicação), 2009

DUARTE, N. Conhecimento tácito e conhecimento escolar na formação do professor (por que Donald Schön não entendeu Luria). Educação e Sociedade. Campinas, V.24, n. 83, p. 601-625, agosto 2003.

DUARTE, N. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. 4a ed. Campinas: Autores Associados, 2007. (Coleção Polêmicas do nosso tempo)

CHASIN, J. Método Dialético. Aulas ministradas durante o curso de pós-graduação em Filosofia Política. Universidade Federal de Alagoas – UFAL, 1988. Transcrição Literal. Disponível em: http://orientacaomarxista.blogspot.com.br/2010/10/metodo-dialetico-jose-chasin.html Acesso em: novembro de 2010.

GHEDIN, E. e ALMEIDA, W. A. Fundamentos epistemológicos do desenvolvimento do estágio com pesquisa. Poiésis Pedagógica. v. 5/6 p. 15-32, jan-dez, 2008.

GIARDINETTO, J.R.B. Matemática Escolar e Matemática da Vida Cotidiana. Campinas: Autores Associados, 1999.

HAYEK, F. A. O uso do conhecimento na sociedade. Disponível em: http://www.ordemlivre.org/node/356 acesso em: 3 jan 2009.

JAEGER, W. Paidéia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1975.

LUCKÁCS, G. Introdução a uma estética marxista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.

LUKÁCS, G. Ontologia do ser social: o trabalho. Tradução provisória de Ivo Tonet. Versão digital enviada por em 16 de maio de 2007.

MARTINS, L. M. A formação social da personalidade do professor: um enfoque vigotskiano. Campinas: Autores Associados, 2007. (Coleção formação de professores)

MARTINS, L. M. As aparências enganam: divergências entre o Materialismo Histórico Dialético e as abordagens qualitativas de pesquisa. In: 29a Reunião Anual ANPED – Filosofia da Educação/GT7/. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/trabalho/GT17-2042--Int.pdf. Acesso em: Agosto de 2008.

MARX, K. O Capital: o processo de produção do capital. Livro1. Volume I. 27. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

MARX, K. & ENGELS, F. A ideologia alemã e outros escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 1965.

MORAES, M. C. M. O recuo da teoria: dilemas da pesquisa em educação. Revista Portuguesa de Educação, v.14, n.001, p.7-25, 2001.

PASQUALINI, J. C. Dialeticidade singular-particular-universal. Mimeo, 2010

PARINTINS. Instituto de Ciências Sociais Educação e Zootecnia. Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia. Universidade Federal do Amazonas, Parintins, 2010.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

PIMENTA, S. G e LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 3a. ed. São Paulo: Cortez, 2008. (Coleção docência em formação)

SAVIANI, D. O problema da pesquisa na pós-graduação em educação. In: Educação: do senso comum à consciência filosófica. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1980.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. ed. comemorativa. Campinas: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2000.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

Downloads

Publicado

2013-11-19

Como Citar

CARVALHO, S. O estágio supervisionado da teoria à prática: reflexões a respeito da epistemologia da prática e estágio com pesquisa, a luz da pedagogia histórico-crítica. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 52, p. 321–339, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i52.8640245. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640245. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos