O ensino profissionalizante no contexto da reestruturação da educação a partir da década de 1990 no Brasil

Autores

  • Thaís Cristina Figueiredo Rego Universidade Federal de Uberlândia
  • Fabiane Santana Previtali Universidade Federal de Uberlândia
  • Cílson Cesar Fagiani Universidade Federal de Uberlândia
  • Robson Luís de França Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i49.8640329

Palavras-chave:

Ensino profissionalizante. Trabalho. Educação

Resumo

O artigo discute as relações entre trabalho e educação no ensino médio profissionalizante na medida em que foca a problemática da formação profissional e as demandas de qualificação para o mercado de trabalho no Brasil do século XXI. Busca-se problematizar os alcances e limites dessa modalidade de ensino no país face ao desemprego crescente e à demanda do mercado por profissionais mais qualificados. Faz-se um resgate histórico do processo de transformações estruturais do capitalismo e sua influência nas formas de organização técnica da produção e os desafios colocados à educação no intuito de investigar e identificar seus impactos na formação profissional dos sujeitos sociais envolvidos nesse processo. A metodologia utilizada refere-se à revisão de literatura e análise documental, tomando-se como referência a década de 1990, quando acentuam-se as reformas educacionais de caráter neoliberal no Brasil. Foram coletados dados no Censo Escolar 2010 e na Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios realizada pelo IBGE 2007, que aborda os aspectos complementares da Educação de Jovens e Adultos e Educação Profissional. Os resultados e conclusões apresentadas, ainda parciais, apontam que os cursos profissionalizantes tendem a formar fundamentalmente para atender demandas específicas do mercado de trabalho, as quais mudam rapidamente em função das inovações tecnológicas e, embora representem um montante significativo dos investimentos públicos em educação, não têm se traduzido em emprego efetivo em sua área de qualificação para essa parcela da classe trabalhadora alvo de políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Cristina Figueiredo Rego, Universidade Federal de Uberlândia

Mestre em Educação – UFU. Doutoranda em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia – PPGED/UFU. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Trabalho, Educação e Sociedade – GPTES. Docente das Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros (FIPMoc).

Fabiane Santana Previtali, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Docente do Instituto de Ciências Sociais da Universidade Federal de Uberlândia da Universidade Federal de Uberlândia - UFU. Coordenadora do GPTES. Pesquisadora Fapemig - PPM.

Cílson Cesar Fagiani, Universidade Federal de Uberlândia

Mestre em Agronomia -Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” -Esalq/USP. Doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação - PPGED /UFU. Membro do GPTES.

Robson Luís de França, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em Educação pela Universidade Estadual Paulista - Unesp/FCL. Docente da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGED/FACED/UFU. Membro do GPTES e líder do Grupo de Pesquisa Trabalho, Educação e Formação Humana. Pesquisador CNPq.

Referências

NES, Ricardo. Os sentidos do trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. Boitempo Editorial, 2002.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho?: ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 13. ed. rev. ampl. São Paulo: Cortez, 2008.

BAGNATO, Maria Helena Salgado; BASSINELLO, Greicelene Aparecida Hespanhol; LACAZ, Cristiane Pessoa da Cunha; MISSIO, Lourdes. Ensino Médio e educação profissionalizante em enfermagem: algumas reflexões. Rev. esc. enferm. USP, v.41 n,.2, São Paulo, jun. 2007. Disponível em: www.scielo.br/pdf/reeusp/v41n2/14.pdf Acesso em 20 jun. 2012

BRASIL, Ministério do Trabalho do. Tendências do Mercado de Trabalho Brasileiro: rumos, desafios e o papel do Ministério do Trabalho. Exposição realizada na câmara dos Deputados em 14/05/98. Disponível em: Acesso em: 22 mar. 2012.

BRASIL. Decreto n. 2208/1997. Regulamenta o § 2o do art. 36 e os arts. 39 a 42 da Lei Federal no 9.394/96, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1997.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Ministério da Educação, 1996.

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. Brasília, fev. 2011. Disponível em: http://www.fazenda.gov.br/spe/publicacoes/conjuntura/atividade_economica/2011/2011_01/IE%202011%2001%2019%20CAGED.pdf Acesso em: 23 jul. 2011.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

CORAGGIO, José Luis. Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In: TOMMASI, Lívia de; WARDE, Mirian Jorge; HADAD, Sérgio (orgs). O Banco Mundical e as políticas educacionais. 3. ed., São Paulo: Cortez, 2000.

FRANÇA, Robson Luiz. “O Discurso e a Educação Profissional de Nível Técnico e Tecnológico”, IN: SCOCUGLIA, Afonso. et al. O Controle do Trabalho no Contexto da Reestruturação Produtiva do Capital. Curitiba: CRV Editora. 2011.

FRANÇA, Robson Luiz.(Org.) Educação e Trabalho - Políticas Públicas e a Formação para o Trabalho. Campinas: Alínea. 2010.

FRIGOTTO, Gaudencio. Globalização e crise do emprego: mistificações e perspectivas da formação técnico-profissional. Disponível em: http://www.senac.br/BTS/252/boltec252c.htm,1999. Acesso em: 12 fev. 2011.

GARCIA, Nilson Marcos Dias; LIMA FILHO, Domingos Leite. Politécnica ou educação tecnológica: desafios ao ensino médio e à educação profissional. Trabalho apresentado na XXVII reunião da ANPED. Caxambu, 2004. Disponível em: www.anped.org.br/reunioes/27/diversos/te_domingos_leite.pdf Acesso em: 20 jun. 2012.

GONDIM, Sônia Maria Guedes; BUNCHAFT, Alexandra Flávio; BRAIN, Fernanda Roberta Menezes. A outra face da qualificação profissional: uma análise qualitativa de anúncios de cursos profissionalizantes. Revista Gestão e Ação. v. 7, n. 3, 2004. Disponível em: www.gestaoemacao.ufba.br/revistas/sumv7n3ed.html Acesso em 20 jun. 2012.

GOUNET, T. Fordismo e toyotismo na civilização do automóvel. São Paulo: Boitempo, 1999.

HARVEY, David. A condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1992.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa mensal de emprego. 2011. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/defaulttab2.shtm Acesso em 23 ago. 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, 2007. Disponível em: www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/.../pnad2007/default.sht... Acesso em: 29 maio 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP. Censo da educação profissional: resultados 99. Brasília, s.ed., 2000.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP. Censo Escolar 2010, 2011 Disponível em: portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task. Acesso em: 29 maio 2012

KUENZER, Acácia Zeneida. Educação profissional: categorias para uma nova pedagogia do trabalho. Disponível em: http://www.senac.br/ BTS/252/boltec252b.htm. 2003. Acesso em: fevereiro de 2011.

KUENZER, Acácia Zeneida. Ensino médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. São Paulo: Cortez, 2000.

KUENZER, Acácia Zeneida. A reforma do ensino técnico e suas consequências. In: LIMA FILHO, Domingos Leite. Educação profissional: tendências e desafios: documento final do Seminário sobre a Reforma do Ensino Profissional, Curitiba: SINDOCEFET, 1999a.

KUENZER, Acácia Zeneida. Desafios teóricos-metodológicos da relação trabalho-educação e o papel social da escola. In: FRIGOTTO, G. (org.). Educação e Crise do Trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis (RJ): Vozes, 2000.

KUENZER, Acácia Zeneida. Educação profissional: categorias para uma nova pedagogia do trabalho. In: Boletim Técnico do SENAC. SENAC: Rio de Janeiro, v.25, n.2, maio/ago., 1999b.

KUENZER, Acácia Zeneida. Pedagogia da Fábrica: As relações de produção e a educação do trabalhador. São Paulo: Cortez. 6. ed., 2002.

LIMA FILHO, Domingos Leite. A desescolarização da escola: impactos da reforma da educação profissional (período 1995-2002). Curitiba: Torre de Papel, 2003.

LUCENA, Carlos. Tempos de destruição: educação, trabalho e indústria do petróleo no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados; Uberlândia, MG: EDUFU, 2004.

MACHADO, L. R. S. Educação e divisão social do trabalho: contribuições para o estudo do ensino técnico industrial brasileiro. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

MANFREDI, Silvia Maria. Educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MARX, Karl. Manuscritos econômicos e filosóficos de 1844. Tradução Jesus Ranieri.São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, Karl. O capital.. São Paulo: Nova Cultural, 1988. (Coleção Os economistas)

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

NORONHA, Olinda Maria. Políticas neoliberais, conhecimento e educação. 2. ed. rev. ampl. Campinas/SP: Alínea, 2006. (Educação em Debate

OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales. Mudanças no mundo do trabalho: Acertos e desacertos na proposta curricular para o Ensino Médio (Resolução CNE 03/98). Diferenças entre formação técnica e formação tecnológica. Educ. Soc., v. 21, n.70, Campinas, apr. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302000000100004&script=sci_arttext Acesso em: 20 jun. 2012.

OLIVEIRA, Ramon de. A Teoria do Capital Humano e a Educação Profissional Brasileira. Boletim Técnico do SENAC. v. 27, n.1, jan./abr. 2001. Disponível em: http://www.senac.br/informativo/bts/271/boltec271c.htm Acesso em: 20 jun. 2012.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT. Brasil: Uma estratégia inovadora alavancada pela renda. Genebra/Suíça: OIT, 2010.

PREVITALI, Fabiane Santana et. al. Trabalho, educação e sociedade: a formação do trabalhador no âmbito da acumulação do capital. In: FRANÇA, Robson Luiz de (org.). Educação e Trabalho: políticas públicas e a formação para o trabalho. São Paulo: Alínea, 2010.

SAMPAIO, I.; FRANÇA, R. L. O PNPE na Política do Ministério do Trabalho e Emprego e a Formação do Jovem: Precarização e Captura da Subjetividade. Revista da RET. Estudos do Trabalho. n. 5, 2009.

SEABRA, Carlos. Inclusão digital: desafios maiores que as simples boas intenções. 2003 Disponível em http://www.infoinclusao.org.br/conteudo.asp?conteudo_id=180. Acesso em 24 set. 2004.

SEBRAE. Taxa de sobrevivência das empresas no Brasil. 2011. (Coleção estudos e pesquisas) Disponível em: www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/DowContador?...unid... Acesso em: 20 jun. 2012.

SOUZA, Luciene Maria de. Estado e Políticas Públicas Educacionais: reflexões sobre as teses neoliberais. In: FRANÇA, Robson Luiz de (org.). Educação e Trabalho: políticas públicas e a formação para o trabalho. São Paulo: Alínea, 2010.

Downloads

Como Citar

REGO, T. C. F.; PREVITALI, F. S.; FAGIANI, C. C.; FRANÇA, R. L. de. O ensino profissionalizante no contexto da reestruturação da educação a partir da década de 1990 no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 49, p. 210–230, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i49.8640329. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640329. Acesso em: 23 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)