Desenvolvimento industrial e políticas de educação na gênese e na constituição do estado de Mato Grosso do Sul e no município de Campo Grande

Autores

  • Jefferson Carriello do Carmo Universidade Católica Dom Bosco

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v13i49.8640331

Palavras-chave:

Políticas de Educação Profissional. Educação e Trabalho. Desenvolvimento da Região Centro-Oeste

Resumo

O objetivo deste texto é investigar, na gênese e na Constituição do Estado de Mato Grosso do Sul e do município de Campo Grande, o desenvolvimento industrial, no setor secundário, e as políticas de educação para o trabalho, centrando-se na identificação de algumas ocorrências sobre o processo de industrialização nesse setor e nas políticas educacionais oriundas desse processo. As hipóteses que norteiam esse trabalho são duas: que o Governo Federal (Estado) a) gerenciou um “novo” desenvolvimento econômico; b) corroborou para manter o crescimento econômico alicerçado no binômio segurança/desenvolvimento instaurado pela ditadura militar contando com recursos do capital estrangeiro, do empresariado brasileiro e com o Estado como agente econômico, c) contribuiu e fortaleceu o embate político na divisão do Estado do Mato Grosso. Para essas questões postas, verificou-se que o Governo Federal contou com o I Plano Nacional de Desenvolvimento (PND, 1971) e os Plano de Desenvolvimento Econômico-social do Centro-Oeste (PLADESCO, BRASIL, 1973) e II Plano Nacional de Desenvolvimento: programa de ação do governo para região Centro-Oeste, 1975-1979 (SUDECO, BRASIL, 1975). E, por fim, esse desenvolvimento teve como uma de suas estratégias as articulações com as políticas educacionais. Metodologicamente a pesquisa centrou-se no campo teórico-bibliográfico analítico e documental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jefferson Carriello do Carmo, Universidade Católica Dom Bosco

Pós-Doutor em História Social do Trabalho, Departamento de História da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Doutor e Mestre em Educação, área de concentração Educação, Trabalho e Sociedade pela UNICAMP. Atualmente professor e pesquisador do PPGE/UCDB.

Referências

ABREU, Silvana de. Planejamento governamental: a SUDECO no espaço mato-grossense. 2001. 328f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-28022002-232232/pt-br.php. Acesso em: 12 abr. 2011

BAER, Werner. A industrialização e o desenvolvimento econômico do Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1977.

BENKO, Georges. Economia, espaço e globalização: na aurora do século XXI. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

BITTAR, Marisa. Mato Grosso do Sul, a construção de um estado: poder político e elites dirigentes sul-mato-grossenses. Campo Grande, MS: UFMS, 2009.

BOLOGNA, Ítalo. Formação da mão-de-obra industrial: o caso brasileiro. In: PEREIRA, Luiz. Desenvolvimento, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5692.htm. Acesso em: 10 abr. 2011.

BRASIL. I Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) - 1972/74. Brasília: IBGE, 1971.

BRASIL. Ministério do Interior. Superintendência do Desenvolvimento da Região Centro-Oeste. II Plano Nacional de Desenvolvimento (PND): programa de ação do governo para a região Centro-Oeste - 1975-1979. Brasília, 1975.

BRASIL. Lei n. 3.552, de 16 de fevereiro de 1959. Disponível em: http://www3.dataprev.gov.br/sislex/paginas/42/1959/3552.htm. Acesso em: 4 abr. 2011.

BRASIL. Ministério do Interior. Superintendência do Desenvolvimento da Região Centro-Oeste (SUDECO). Plano de Desenvolvimento Econômico-Social do Centro-Oeste (PLADESCO). Brasília, 1972.

BRASIL. Ministério do Interior. Superintendência do Desenvolvimento da Região Centro-Oeste (SUDECO). Plano de Desenvolvimento Econômico-Social do Centro-Oeste (PLADESCO). Brasília, 1973.

BRUSCO, Sebastiano. El concepto de distrito industrial su genesis. In: PYKE, F., BECATTINI, G., SENGENBERGER, W. (Orgs.). Los distritos industriales y lãs pequeñas empresas. I: distritos industriales y cooperacion interempresarial em Italia. Madri: Ministerio de Trabajo y Seguridad Social, 1990.

CARDOSO, Miriam Limoeiro. Ideologia do desenvolvimento Brasil: JK-JQ. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

CARMO, Jefferson Carriello do. Educação profissional e o Estado intervencionista: velhos problemas ou “novas” soluções? Revista Emancipação, Ponta Grossa, PR, v. 6, n. 1, p. 145-161, 2006.

CUNHA, Luiz Antônio. Educação e desenvolvimento social no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1985.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. São Paulo: UNIESP, Brasília, DF: Flacso, 2000.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino profissional na irradiação do industrialismo. São Paulo: UNIESP, Brasília, DF: Flacso, 2005.

FEDERAÇÃO Industrial de Mato Grosso do Sul (FIEMS); Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). Economia industrial Mato Grosso do Sul: relatório técnico SENAI, SEBRAE. Campo Grande: FIEMS, SENAI, 2008.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil. Ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

FONSECA, Celso Suckow da. História do ensino industrial no Brasil. Rio de Janeiro: SENAIS/DN/DPEA, 1986. v. 5.

FONSECA, Pedro Cesar Dutra. Vargas: o capitalismo em construção. São Paulo: Brasiliense, 1987.

FONSECA, Pedro Cesar Dutra; MONTEIRO, Sergio Marley Modesto. O Estado e suas razões: o II PND. Revista de Economia Política, São Paulo, SP, v. 28, n. 1 (109), p. 28-46, jan-mar/2007.

FREITAG, Bárbara. Escola, Estado e sociedade. 6. ed. São Paulo: Moraes, 1986.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. São Paulo: Cortez, 1989. FUNDO Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO). Disponível em: http://www.integracao.gov.br/pdf/fundos/fco/fco_programacao.pdf. Acesso em: abr. 2011.

FURTADO, Celso. Não à recessão e ao emprego. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento econômico. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

FURTADO, Celso. Um projeto para o Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Saga, 1969.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2006.

HARVEY, David. O novo imperialismo. São Paulo: Loyola, 2004.

HORTA, José Silvério Baía. Planejamento educacional. In: MENDES, Durval Trigueiro (Coord.). Filosofia da educação brasileira. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

IANNI, Octavio. O colapso do populismo no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.

INSTITUTO Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/. Acesso em: abr. 2011.

KUENZER, Acácia; WALTER, Garcia; CALAZANS, M. Julieta C. Planejamento educacional no Brasil. São Paulo: Cortez, 1990.

LAMARCA, Guillerno et al. La educación burguesa. México: Nueva Imagen, 1978.

LAUNAY, Jean. Elementos para uma economia política da educação. In: DURAND, Jose Carlos Garcia. (Org.). Educação e hegemonia de classe: as funções ideológicas da escola. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

MANFREDI, Silvia Maria. Educação profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MARHALL, T. H. Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MARSHALL, A. P. Princípios de economia: tratado introdutório. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MARTINS, Carlos Estevam (Org.). Estado e capitalismo no Brasil. São Paulo: HUCITEC, 1977.

OLIVEIRA, Francisco. Crítica à razão dualista o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2008

OLIVEIRA, T. C. M. de. Agroindústria e reprodução do espaço. Brasília: Ministério da Integração Nacional. Campo Grande, MS: UFMS, 2003.

PEREIRA, Luiz. Desenvolvimento, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da educação no Brasil (1930/1973). 10. ed. Petrópolis: Vozes, 1988.

SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adélia A. de; SILVEIRA, Maria Laura (Orgs.). Território: globalização e fragmentação. 4. ed. São Paulo: HUCITEC, 1998.

SAVIANI, Dermeval. Política e educação no Brasil: o papel do congresso na legislação do ensino. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1987. (Coleção Educação Contemporânea).

SAVIANI, Dermeval. A nova lei da educação: LDB trajetória limites e perspectiva. São Paulo: Cortez, 1997.

SAVIANI, Dermeval. Análise crítica da organização escolar brasileira através das leis 5.540/68 e 5.692/71. In: GARCIA, Walter E. Educação brasileira contemporânea: organização e funcionamento. 3. ed. São Paulo: McGRAW-HILL, 1978.

SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE DISTRITOS INDUSTRIAIS CUIABÁ, MT, 1., Anais... Cuiabá, 1976.

SCHULTZ, Theodore W. O capital humano: investimentos em educação. Rio de Janeiro: Zahar, 1973a.

SCHULTZ, Theodore W. O valor econômico da educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1973b.

SUZIGAN, Wilson. Indústria brasileira: origens e desenvolvimento. São Paulo: HUCITEC; Campinas, SP: UNICAMP, 2000.

SUZIGAN, Wilson. Estado e industrialização no Brasil. Revista de Economia Política. São Paulo, SP, v. 8, n. 4, p. 5-16, out/nov. 1988.

SZMRECSÁNYI, Tomás; GRAZIERA, Rui G. (Orgs.). Getúlio Vargas e a economia contemporânea. São Paulo: HUCITEC; Campinas, SP: UNICAMP, 2004.

VARSIANI, Flavio Rabelo; BARROS, José Mendonça de (Orgs.). Formação econômica no Brasil: a experiência da industrialização. São Paulo: Saraiva, 1977. (Série ANPEC de Leituras de Economia).

WARDE, Mirian Jorge. Educação e estrutura social: a profissionalização em questão. 3. ed. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

WEINSTEIN, Barbara. (Re) formação da classe trabalhadora no Brasil (1920-1964). São Paulo: Cortez; CDAPH-IFAN - Universidade de São Francisco, 2000.

ZAMBERLAN, et al. Análise da industrialização sul-mato-grossense em fase da industrialização brasileira. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Taubaté, SP, v. 6, n. 3, p. 114-135, set-dez/2010.

Downloads

Como Citar

CARMO, J. C. do. Desenvolvimento industrial e políticas de educação na gênese e na constituição do estado de Mato Grosso do Sul e no município de Campo Grande. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 13, n. 49, p. 249–266, 2013. DOI: 10.20396/rho.v13i49.8640331. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640331. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos