Banner Portal
Subsídios para a construção do projeto político-pedagógico em escolas municipais
PDF

Palavras-chave

Políticas públicas em educação. Projeto Político-Pedagógico. Educação básica

Como Citar

SILVA, Flávio Caetano da; CONTI, Celso Luiz Aparecido. Subsídios para a construção do projeto político-pedagógico em escolas municipais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 57, p. 199–210, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i57.8640412. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640412. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

Apresentamos neste o resultado de pesquisas no âmbito de políticas públicas voltadas ao processo de elaboração do Projeto Político-Pedagógico de unidades escolares em redes municipais do interior paulista. Oferecer subsídios aos debates em Planejamento escolar de escolas públicas municipais, baseado em vivências e construção de dados junto a profissionais da educação dessas redes. Esclarecemos que nossa análise possui um recorte na malha urbana estadual com foco em municípios em que a população absoluta gira em torno de 200.000 habitantes. Justificamos esse recorte pelo fato de que a malha paulista, com 645 municípios apresenta um conjunto de 93,95% de municípios nessa faixa populacional. Isso implica em aspectos que os tornam muito semelhantes, do ponto de vista de políticas públicas em educação, sobretudo naquelas que se referem ao planejamento educacional. Possuem, em geral, redes de escolas que vão de apenas uma – que representa o centro da vida social de seus munícipes – a algumas dezenas delas. É recorrente a carência de amplos e profundos debates em torno do planejamento, levando, muitos, a importarem modelos que pouco se adéquam às suas realidades. No âmbito deste texto oferecemos subsídios para que se possa repensar essas políticas.

https://doi.org/10.20396/rho.v14i57.8640412
PDF

Referências

ARELARO, Lisete. Formulação e implementação das políticas públicas em educação e as parcerias público-privadas: impasse democrático ou mistificação política? In: Educação & Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 – Especial, p.899-919. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a1328100.pdf Acesso em 10/04/2009.

ARROYO, M.G. Gestão democrática: recuperar sua radicalidade política? In: CORREA, B. C.; GARCIA, T. O. (orgs). Políticas Educacionais e organização do Trabalho na escola. São Paulo: Xamã, 2008. (p.39-56).

BARROSO, João. Autonomia das escolas: uma ficção necessária. Revista Portuguesa de Educação, ano/vol. 17, no 002, p.49-83, Universidade do Minho, Braga, Portugal, 2004, p.49-83. Disponível em: http://redalyc.uaemex.mx/pdf/374/37417203.pdf Acesso em 28 de fevereiro de 2012.

BARROSO, João. O estudo da autonomia da escola: da autonomia decretada à autonomia construída. In BARROSO, João. O estudo da Escola. Porto: Porto Ed., 1996.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do Saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 5a ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

FUSARI, José Cerchi. O Planejamento do Trabalho Pedagógico: Algumas Indagações e Tentativas de Respostas. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_08_p044-053_c.pdf Acesso em 28-01-14.

GANDIN, Danilo. Planejamento como prática educativa. 9a edição. São Paulo: Loyola, 1997.

GATTI, B. A. Atratividade da carreira docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas. São Paulo. 2009. Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/pdf/relatorio-final-atratividade-carreira-docente.pdf Acesso em 02-05-14.

RISCAL, Sandra Ap. Gestão democrática no cotidiano escolar. São Carlos: EDUFSCar, 2009. (Coleção UAB-UFSCar).

TEIXEIRA, L.H.G. Cultura Organizacional e Projeto de Mudança em Escolas Públicas.Campinas: Autores Associados, São Paulo: UMESP, ANPAE, 2002. Disponível em: http://books.google.com.br/books?id=yesDQwBZhk0C&pg=PA2&hl=pt-BR&source=gbs_toc_r&cad=3#v=onepage&q&f=false Acesso em 02-05-14.

VEIGA , Ilma Passos Alencastro. Inovações e projeto político-pedagógico:uma relação regulatória ou emancipatória?Cad. Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 267-281, dezembro 2003.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.