Banner Portal
Trabalho e educação: o currículo da rede estadual paulista no contexto da reestruturação produtiva do capital
PDF

Palavras-chave

Trabalho. Educação. Currículo Paulista. Sociedade do Conhecimento

Como Citar

JUNQUEIRA, V. H.; BEZERRA, M. C. dos S. Trabalho e educação: o currículo da rede estadual paulista no contexto da reestruturação produtiva do capital. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 57, p. 291–310, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i57.8640416. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640416. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir as relações entre trabalho e educação no contexto da reestruturação produtiva do capital, tendo como pressupostos teóricos a abordagem materialista e histórica do desenvolvimento capitalista. Nesse sentido, considerando o atual processo de reestruturação produtiva do capital e os seus múltiplos efeitos sobre o mundo do trabalho o artigo enfoca as contradições e ideologias do Currículo do Estado de São Paulo ao definir como prioridade o contexto do trabalho para o Ensino Médio. Os resultados evidenciam que a educação colocada a serviço do capital e dirigida pelas políticas neoliberais não tem significado um aprendizado efetivo, uma vez que é da própria lógica do capitalismo contemporâneo, a exploração de uma grande massa de mão-de-obra adestrada, mas pouco qualificada. Por outro lado, o Currículo da rede estadual paulista, calcado nos fundamentos da pedagogia do aprender a aprender contribui para alimentar a ilusão de uma sociedade do conhecimento que mascara os reais processos de alienação e exploração do trabalhador, submetido à precarização e a exclusão cada vez mais presente no mundo do trabalho.

https://doi.org/10.20396/rho.v14i57.8640416
PDF

Referências

ALVES, G. Dimensões da reestruturação produtiva. Ensaios de Sociologia do trabalho. Londrina: Praxis; Bauru: Canal 6, 2007.

ALVES, G. Trabalho e nova precariedade salarial no Brasil. Morfologia Social do Trabalho na década de 2000. Oficina do Centro de Estudos Sociais, Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra. 2012. Disponível em: http://www.ces.uc.pt/publicacoes/oficina/index.php?id=6024 Acesso em: 10 de abril de 2013.

ANTUNES, R. A desertificação neoliberal: (Collor, FHC, Lula). Campinas: Autores Associados, 2004.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. Campinas: Editora Cortez, 2011.

ANTUNES, R.; ALVES, G. As mutações do trabalho na era da mundialização do capital. Educ. Soc., Campinas, vol. 25, n. 87, p. 335-351, maio/ago. 2004. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acesso em: 10 de maio de 2013.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: LTC editora, 1987.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI). Falta de trabalhador qualificado na indústria. Sondagem especial, Rio de Janeiro, ano 9, n. 2, abril de 2011. Disponível em: www.cni.org.br Acesso em 02 de junho de 2013.

DELORS, J., (org.) (1998). Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, Brasília, DF: MEC: UNESCO

DUARTE, N. As pedagogias do aprender a aprender e algumas ilusões da assim chamada sociedade. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.18 p. 35-40, set/out/nov/dez 2001.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do Macaco em Homem. In: ANTUNES, R (org.). A dialética do trabalho. Escritos de Marx e Engels.São Paulo: Expressão Popular, 2004.

ENGELS, F. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.

HARVEY, D. A condição pós-moderna: Uma pesquisa sobre a origem da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume. 2005.

KUENZER, A. Z. Da dualidade assumida à dualidade negada: o discurso da flexibilização justifica a inclusão excludente. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1153-1178, out. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acesso em 14 de maio de 2013

LOMBARDI, J.C. Reflexões sobre educação e ensino na obra de Marx e Engels. 2010. 377 f. Tese (Livre Docência) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. Lisboa: Edições 70, 1989.

MARX, K. O capital. Crítica da economia política. Os Economistas. Volume 1, livro 1. O processo de produção do capital. São Paulo: Nova Cultural. 1996.

MARX, K. & ENGELS, F. Ideologia Alemã. Crítica a novíssima filosofia alemã em seus representantes Feurbach, B. Bauer e Stirner, e do Socialismo alemão em seus diferentes profetas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (1845-1846). 2007.

MÉSZÁROS, I. Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

POCHMANN, M. O trabalho sob fogo cruzado: exclusão, desemprego e precarização no final do século. São Paulo: Contexto. 1999.

POCHMANN, M. Políticas públicas e situação social na primeira década do século XXI . In: SADER, E. (org.). 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo, SP: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO Brasil 2013.

PONCE, A. Educação e luta de classes. São Paulo: Cortez, 2005.

RUSSO, M.; CARVALHO, C. A política educacional do governo Serra. 2009. Disponível em: www.simposioestadopoliticas.ufu.br/imagens/anais/pdf/C38.pdf. Acesso em: 22 mai. 2013.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, 2008.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Estado da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências Humanas e suas tecnologias. São Paulo: SEE, 2010. 152 p.

SAVIANI, D. Trabalho e Educação: Fundamentos Ontológicos e Históricos. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, ano/vol. 12, numero 034, p. 152-165, jan-abr. 2007.

SANFELICE, J. L. A política educacional do Estado de São Paulo: apontamentos. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 17, n. 18, p. 146-159, jan./dez. 2010.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.