Trabalho e educação: o currículo da rede estadual paulista no contexto da reestruturação produtiva do capital

Autores

  • Victor Hugo Junqueira Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
  • Maria Cristina dos Santos Bezerra Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v14i57.8640416

Palavras-chave:

Trabalho. Educação. Currículo Paulista. Sociedade do Conhecimento

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir as relações entre trabalho e educação no contexto da reestruturação produtiva do capital, tendo como pressupostos teóricos a abordagem materialista e histórica do desenvolvimento capitalista. Nesse sentido, considerando o atual processo de reestruturação produtiva do capital e os seus múltiplos efeitos sobre o mundo do trabalho o artigo enfoca as contradições e ideologias do Currículo do Estado de São Paulo ao definir como prioridade o contexto do trabalho para o Ensino Médio. Os resultados evidenciam que a educação colocada a serviço do capital e dirigida pelas políticas neoliberais não tem significado um aprendizado efetivo, uma vez que é da própria lógica do capitalismo contemporâneo, a exploração de uma grande massa de mão-de-obra adestrada, mas pouco qualificada. Por outro lado, o Currículo da rede estadual paulista, calcado nos fundamentos da pedagogia do aprender a aprender contribui para alimentar a ilusão de uma sociedade do conhecimento que mascara os reais processos de alienação e exploração do trabalhador, submetido à precarização e a exclusão cada vez mais presente no mundo do trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Hugo Junqueira, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2007). Especialista em Gestão Ambiental pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Atualmente é mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professor de Geografia na Educação Básica nos níveis Fundamental e Médio e na Educação Superior na modalidade a distância do Centro Universitário Claretiano de Batatais-SP. É membro Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo - GEPEC/UFSCar.

Maria Cristina dos Santos Bezerra, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Professora Adjunta no Departamento de Educação da Universidade Federal de São Carlos DED/UFSCar. Possui graduação em Ciências Sociais pela Associação Limeirense de Educação (1996) Mestrado (2001) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2007). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação/UFSCar. Membro do Grupo de Pesquisa em Educação do Campo

Referências

ALVES, G. Dimensões da reestruturação produtiva. Ensaios de Sociologia do trabalho. Londrina: Praxis; Bauru: Canal 6, 2007.

ALVES, G. Trabalho e nova precariedade salarial no Brasil. Morfologia Social do Trabalho na década de 2000. Oficina do Centro de Estudos Sociais, Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra. 2012. Disponível em: http://www.ces.uc.pt/publicacoes/oficina/index.php?id=6024 Acesso em: 10 de abril de 2013.

ANTUNES, R. A desertificação neoliberal: (Collor, FHC, Lula). Campinas: Autores Associados, 2004.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaios sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. Campinas: Editora Cortez, 2011.

ANTUNES, R.; ALVES, G. As mutações do trabalho na era da mundialização do capital. Educ. Soc., Campinas, vol. 25, n. 87, p. 335-351, maio/ago. 2004. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acesso em: 10 de maio de 2013.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: LTC editora, 1987.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI). Falta de trabalhador qualificado na indústria. Sondagem especial, Rio de Janeiro, ano 9, n. 2, abril de 2011. Disponível em: www.cni.org.br Acesso em 02 de junho de 2013.

DELORS, J., (org.) (1998). Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, Brasília, DF: MEC: UNESCO

DUARTE, N. As pedagogias do aprender a aprender e algumas ilusões da assim chamada sociedade. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n.18 p. 35-40, set/out/nov/dez 2001.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do Macaco em Homem. In: ANTUNES, R (org.). A dialética do trabalho. Escritos de Marx e Engels.São Paulo: Expressão Popular, 2004.

ENGELS, F. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.

HARVEY, D. A condição pós-moderna: Uma pesquisa sobre a origem da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume. 2005.

KUENZER, A. Z. Da dualidade assumida à dualidade negada: o discurso da flexibilização justifica a inclusão excludente. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1153-1178, out. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acesso em 14 de maio de 2013

LOMBARDI, J.C. Reflexões sobre educação e ensino na obra de Marx e Engels. 2010. 377 f. Tese (Livre Docência) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. Lisboa: Edições 70, 1989.

MARX, K. O capital. Crítica da economia política. Os Economistas. Volume 1, livro 1. O processo de produção do capital. São Paulo: Nova Cultural. 1996.

MARX, K. & ENGELS, F. Ideologia Alemã. Crítica a novíssima filosofia alemã em seus representantes Feurbach, B. Bauer e Stirner, e do Socialismo alemão em seus diferentes profetas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (1845-1846). 2007.

MÉSZÁROS, I. Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

POCHMANN, M. O trabalho sob fogo cruzado: exclusão, desemprego e precarização no final do século. São Paulo: Contexto. 1999.

POCHMANN, M. Políticas públicas e situação social na primeira década do século XXI . In: SADER, E. (org.). 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo, SP: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO Brasil 2013.

PONCE, A. Educação e luta de classes. São Paulo: Cortez, 2005.

RUSSO, M.; CARVALHO, C. A política educacional do governo Serra. 2009. Disponível em: www.simposioestadopoliticas.ufu.br/imagens/anais/pdf/C38.pdf. Acesso em: 22 mai. 2013.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, 2008.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Estado da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências Humanas e suas tecnologias. São Paulo: SEE, 2010. 152 p.

SAVIANI, D. Trabalho e Educação: Fundamentos Ontológicos e Históricos. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, ano/vol. 12, numero 034, p. 152-165, jan-abr. 2007.

SANFELICE, J. L. A política educacional do Estado de São Paulo: apontamentos. Nuances: estudos sobre Educação, Presidente Prudente, v. 17, n. 18, p. 146-159, jan./dez. 2010.

Downloads

Publicado

2014-11-22

Como Citar

JUNQUEIRA, V. H.; BEZERRA, M. C. dos S. Trabalho e educação: o currículo da rede estadual paulista no contexto da reestruturação produtiva do capital. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 14, n. 57, p. 291–310, 2014. DOI: 10.20396/rho.v14i57.8640416. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640416. Acesso em: 17 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>