A participação como princípio da gestão democrática: o debate pós ditadura militar

  • Maria Alice de Miranda Aranda Universidade Federal da Grande Dourados
Palavras-chave: Participação. Gestão democrática da educação. Estado, política educacional

Resumo

Este artigo apresenta uma pesquisa bibliográfica feita nas produções acadêmicas produzidas no pós 1988, sobre o princípio da participação, tema presente na intrincada relação entre gestão da educação, democracia, Estado e sociedade, categorias que alicerçam a Política Educacional Brasileira.  Objetiva sintetizar como a academia vem respondendo às demandas em torno do mesmo e para tanto se utiliza de contribuições das áreas da Pedagogia, da Sociologia, da Política, da Economia. O diálogo estabelecido em torno do tema participação como princípio da gestão democrática da educação permite registrar retrocessos, avanços e lacunas, bem como os problemas oriundos de conceitos, concepções, finalidades e práticas diferenciadas, detectando projetos antagônicos de sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Alice de Miranda Aranda, Universidade Federal da Grande Dourados

Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Grande Dourados – PPGEDU/UFGD Pós-Doutoranda –PNPD/CAPES/PPGED/UFU

Referências

ARANDA, M. A. de M. O significado do princípio da participação na política educacional brasileira nos anos iniciais do século XXI: o declarado no PPA “Brasil de Todos 2004-2007”. 236 p. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS, 2009.

ARANDA, M. A. de M. A Constituinte Escolar da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul (1999 a 2001): uma proposta de gestão democrática. 184 f. (Dissertação de Mestrado, UFMS). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, 2004.

ARANDA, M. A. de M. Projeto Pedagógico e Plano de Desenvolvimento da Escola: buscando a distinção, 2001.78 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) – Campus de Dourados, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Dourados, 2001.

AVRITZER, L. & NAVARRO, Z. (Orgs.). A inovação democrática no Brasil: o orçamento participativo. São Paulo: Cortez. 2003.

BENEVIDES, M. V. de M. A cidadania ativa: referendo, plebiscito e iniciativa popular. São Paulo: Ática, 2000.

BOBBIO, N. O Futuro da Democracia. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

BORON, A. A Coruja de Minerva. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Conferência Mundial de Educação para Todos. Jomtien/Tailândia. UNESCO, UNFPA e UNICEF.Brasília: MEC, 1990.

BRASIL. Plano Decenal de Educação para Todos. Brasília: MEC, 1993.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Programa Toda Criança na Escola. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Programa Acorda Brasil! Está na Hora da Escola. Brasília: MEC, 1995.

CAMINI, L. (Org.). Educação pública de qualidade social: conquistas e desafios. Petrópolis: Vozes, 2001.

CARDOSO NETO, O. F. Dissensos no Consenso: a democratização na Escola Pública em Mato Grosso. MT: Editora da UFMT, 2004.

CASTILLA URBINA, M. de. Neoliberalismo y educacion en Nicarágua. Revista Contexto e Educação, Ijui, v. 11, n. 47, p. 92-113, jul./set. 1997.

COSTA, M. de L. de C. Gestão democrática da escola publica: uma questão de qualidade. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, 1994.

COUTINHO, C. N.. A democracia na batalha das idéias e nas lutas políticas do Brasil de hoje. In: FÁVERO, O.; SEMERARO, G. (Orgs.). Democracia e Construção do Público no Pensamento Educacional Brasileiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. p. 11-40

DAROS, M. das D. Em busca da participação: a luta dos professores pela democratização da educação. Florianópolis: UFSC, Centro de Ciências da Educação. Núcleo de Publicações, 1999.

DI GIORGI, C. Uma outra escola é possível: uma análise radical da inseção social e da democracia na escola do mundo globalizado. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

FERNANDES, M. D. E. Políticas públicas de educação: a gestão democrática na rede estadual de ensino em Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2000.

FIGUEIRA, K. C. N. A política educacional de Mato Grosso do Sul (1991-1994) e os novos paradigmas de produção. (Dissertação de Mestrado). UFMS, 1998.

GIRARDI, N. M. Autonomia da gestão escolar e as funções educacionais do Estado. (Dissertação de Mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - História e Filosofia da Educação, 1994.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. (Trad.) Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 1991.

HAGOPIAN, F. The Compromised Consolidation: the Political Class in the Brazilian Transition. In : MAINWARING, S., O'DONNELL, G. & VALENZUELA, S. (eds.). Issues on Democratic Consolidation:the New South American Democracies in Comparative Perspective. Notre Dame : University of Notre Dame Press, 1992.

KINZO, M. D’ A. G. A democratização brasileira: um balanço do processo político desde a transição. Revista Perspectiva, out./dez., vol. 15, no 4, São Paulo, 2001, p. 3-12.

LIMA, A. B. (Org.). Estado e o controle social no Brasil. Uberlândia, MG: Edufu, 2011.

LIMA, A. B. (Org.). A Participação da Comunidade na Gestão Democrática da Escola em prol da qualidade de ensino: o Projeto Político Pedagógico em questão. Edital 13/2012 (Pesquisa em Educação Básica – Acordo Capes-FAPEMIG). Processo no: APQ-03536-12. Uberlândia, MG 2012-2015 (em andamento).

MARTINS, C. E. Vinte anos de democracia?Lua Nova, n.64 São Paulo jan./abr. 2005.

MÉSZÁROS, I. O século XXI: socialismo ou barbárie? São Paulo: Boitempo, 2003.

NEVES, L. M. W. As massas trabalhadoras começam a participar do banquete, mas o cardápio é escolhido à sua revelia, ou democracia e educação escolar nos anos iniciais do século XXI. In: FÁVERO, O. SEMERARO, G. (Orgs.).Democracia e Construção do Público no Pensamento Educacional Brasileiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. p. 163-174

NOGUEIRA, M. A.. Sociedade civil, entre o político-estatal e o universo gerencial. Revista Brasileira de Ciências Sociais, jun. vol.18, no.52, 2003, p.185-202.

O'DONNELL, G. Delegative Democracy. Journal of Democracy. v. 5, n. 1. Baltimore, 1994. p. 55-69

OLIVEIRA, L. H. H. de.Rumos da democratização brasileira: a consolidação de um modelo majoritário de democracia? Revista de Sociologia e Política, n.15 Curitiba nov., 2000.

RAMOS, J. F. P.. Gestão democrática da escola pública: a experiência do governo das mudanças (1995-2001). Ceará: Editora da UECE. Ceará, 2004.

ROSAR, M. de F. F. A dialética entre a concepção e a prática da gestão democrática da educação básica no Brasil. Educação e Sociologia, vol. 20, no 69, 1999. p. 165-176

SALES, C. V. As máscaras da democracia: notas sobre a teoria democrática contemporânea à luz dos eixos dahlsianos.Revista Sociologia e Política, jun. no.24, 2005., p.233-245

SENNA, E.. Educação e Democracia:um estudo dessa articulação na produção pedagógica dos anos 80. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo. São Paulo, 1994.

SETUBAL, M. A. Escola como espaço de encontro entre políticas nacionais e locais. Cadernos de Pesquisa, n. 102, p. 121-133, nov. São Paulo, 1997.

SILVA, J. M. da. Democracia e educação: a alternativa de participação popular na administração escolar. (Tese de Doutorado).Universidade de são Paulo – USP, 1990.

SILVA, T. da. Da participação que temos à que queremos: o processo do orçamento participativo na cidade do Recife. In. AVRITZER, L. & NAVARRO, Z. (Orgs.). A inovação democrática no Brasil: o orçamento participativo. São Paulo: Cortez. 2003.

SPÓSITO, M. P.. Educação, gestão democrática e participação. Revista Educação e Realidade. jan./jun., Porto Alegre: Faculdades de Educação da UFRGS, 1990. p. 52-56

TUPPY, M. I. N. A educação em confronto com a qualidade. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, 1998.

WEFFORT, F. C. Novas democracias. Quais democracias? In: WEFFORT, F. C. Qual democracia? São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

Como Citar
Aranda, M. A. de M. (1). A participação como princípio da gestão democrática: o debate pós ditadura militar. Revista HISTEDBR On-Line, 14(56), 266-279. https://doi.org/10.20396/rho.v14i56.8640448
Seção
Artigos