Banner Portal
O Instituto de Organização Racional do Trabalho - IDORT, como instituição educacional nas décadas de 1930 e 1940 no Brasil
PDF

Palavras-chave

Educação profissional. Racionalização. Taylorismo

Como Citar

BATISTA, Eraldo Leme. O Instituto de Organização Racional do Trabalho - IDORT, como instituição educacional nas décadas de 1930 e 1940 no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 63, p. 33–44, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i63.8641170. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8641170. Acesso em: 22 abr. 2024.

Resumo

O Instituto de Organização Racional do Trabalho, foi criado em 1931, centralizando as discussões do projeto industrial para o país, bem como as discussões sobre as proposta para a educação profissional, que deveria se pensada na perspectiva da formação de novo trabalhador, para um industria em processo de crescimento. Defendemos a tese de que este instituto empresarial tornou-se também uma instituição educacional por excelência, pois formulava, divulgava e defendia teses referentes à educação e educação profissional. Tese fundamental para entendermos este período histórico e a questão da educação, pois a historiografia até o presente momento, não considerava esta organização como sendo educacional, mas apenas industrial o que deixava uma lacuna na historiografia, pois escolanovistas como Lourenço Filho, Fernando Azevedo, Noemy Silveira e professores da escola politécnica de São Paulo, foram fundadores do IDORT e articuladores do pensamento educacional no interior desta instituição, contando com apoio e contribuição de Roberto Mange, engenheiro e professor responsável pela elaboração de projetos voltados para a formação de trabalhadores.

https://doi.org/10.20396/rho.v15i63.8641170
PDF

Referências

AZEVEDO, F. A educação na encruzilhada. São Paulo: Melhoramentos, 1957.

BRYAN, N. A. P. Educação, processo de trabalho, desenvolvimento econômico. Campinas: Alínea, 2008.

CUNHA, L. A. O ensino de ofícios artesanais e manufatureiros no Brasil escravocrata. São Paulo: UNESP, 2005a.

CUNHA, L. A. O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. São Paulo: UNESP, 2005b.

CUNHA, L. A. O ensino industrial na irradiação do industrialismo. São Paulo: UNESP, 2005c.

REVISTA IDORT. Pela cooperação: a guerra econômica e o Instituto de Organização Racional do Trabalho de São Paulo, n. 2, p. 1-2-, fev. 1932.

MÜLLER, M. T. A lousa e o torno: a escola SENAI Roberto Mange de Campinas. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas, 2009.

MONARCHA, C. A reinvenção da cidade e da multidão. Dimensões da modernidade brasileira: a Escola Nova. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1990.

PICHELI, V. O IDORT enquanto proposta educacional no contexto de formação da hegemonia burguesa no Brasil (1930-1944). Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas, 1997.

ROMANELLI, O. O. História da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

SEGNINI, L. R. P. Taylorismo: uma análise crítica. In: BRUNO, L. Organização, trabalho e tecnologia. São Paulo: Atlas, 1986.

SENAI. De homens e máquinas: Roberto Mange e a formação profissional. São Paulo, SENAI, 1991.

SENAI. O giz e a graxa: meio século de educação para o trabalho. Projeto Memória SENAI-SP. São Paulo: SENAI, 1992.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M; EVANGELISTA, O. Política educacional. Rio de Janeiro: Lamparina, 2004.

SOUZA, E. G. de. Relação trabalho-educação e questão social no Brasil: uma leitura do pensamento pedagógico da Confederação Nacional da Indústria – CNI (1930-2000). Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas, 2012.

ZUCCHI, B. B. O programa e os métodos de treinamento profissional do curso de ferroviários da Companhia Sorocabana (São Paulo, Década de 1930). Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontíficia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

WEINSTEIN, B. (Re)formação da classe trabalhadora no Brasil, 1920-1964. São Paulo: Cortez; CDAPH-IFAN, 2000.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.