Banner Portal
Propostas de inovação e redesenho curricular: o ensino médio em questão
PDF

Palavras-chave

Política educacional. Ensino médio. Reestruturação curricular.

Como Citar

CZERNISZ, Eliane Cleide da Silva; BATISTÃO, Marci; PIO, Camila Aparecida. Propostas de inovação e redesenho curricular: o ensino médio em questão. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 17, n. 2, p. 662–677, 2017. DOI: 10.20396/rho.v17i2.8644283. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8644283. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

Discutir as recentes propostas para reestruturação curricular do ensino médio é o objetivo deste artigo. Por meio de análise de legislação e de documentos de governo, questionam-se os objetivos das alterações curriculares processadas pelas últimas diretrizes curriculares para o ensino médio, assim como pelo Programa Ensino Médio Inovador. A década de 1990 é o ponto inicial deste trabalho, pois se caracteriza como período de reestruturação econômica e política, momento em que ocorre um redirecionamento econômico dos países periféricos, assolados por problemas com origem na crise capitalista, e, também, época em que a educação desponta como solução para os problemas e estratégia para moldar uma nova sociabilidade. Como resultados, destaca-se que as alterações em curso, que pretendem reestruturar o ensino médio, possibilitando acesso aos alunos, sua permanência e conclusão do curso, não se dissociam do projeto de sociedade que visa a mantê-la vinculada ao desenvolvimento econômico.

https://doi.org/10.20396/rho.v17i2.8644283
PDF

Referências

ALCÂNTARA, Hadaquel da Silva. A implementação e a operacionalização do programa ensino médio inovador em três escolas da rede estadual de ensino de Manaus. 2015. 142 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2015. Disponível em:< https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle /ufjf/1367 >. Acesso em: 02 jul. 2017.

AUR, Bahij Amin; CASTRO, Jane Margareth de. Ensino médio: proposições para inclusão e diversidade. Brasília, DF: Representação da UNESCO no Brasil, 2012.

BANCO MUNDIAL. Relatório sobre desenvolvimento mundial 2006: equidade e desenvolvimento. Washington, D. C.: Visão geral. 2005.

BANCO MUNDIAL. Um Brasil mais justo, sustentável e competitivo: estratégia de assistência ao país, 2004-2007. Brasília, DF, 2003.

BRASIL. Constituição. Emenda Constitucional N. 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta §3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual de Desvinculação de receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br /ccivil03

/constituicao/emendas/emc/emc59.htm >. Acesso em: 09 jan. 2014.

BRASIL. Decreto Presidencial n. 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União, em regime de colaboração com municípios, Distrito Federal e estados. Diário Oficial da União, Brasília, 24 de abril de 2007. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil _03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6094.htm >. Acesso em: 16 ago. 2015.

BRASIL. Lei n. 9394/96 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996. p. 27833.

BRASIL. Lei nº. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de

Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10. jan. 2001. Seção 1, p. 01.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB Nº: 5/2011. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio - DCNEM. Diário Oficial da União, Brasília, 24 jan. 2012, Seção 1, p. 10.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Coordenação Geral do Ensino Médio. Programa Ensino Médio Inovador. Documento orientador. Brasília, DF, MEC/SEB, 2013. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13249-doc-orientador-proemi2013-novo-pdf&category_slug=junho-2013-pdf&Itemid=30192 >. Acesso em: 04 jun. 2017.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. Plano Plurianual 2004-2007. Mensagem Presidencial. Brasília, MP, 2003. Disponível em: < www.sigplan.gov.br/arquivos/portalppa/41_(menspresanexo).pdf >. Acesso em: 19 jan. 2014.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. Plano Plurianual 2008-2011: Projeto de Lei. Mensagem Presidencial. Brasília, MP, 2007. Disponível em: < http://www.planejamento.gov.br/secretarias/upload/Arquivos/spi/plano_plurianual/PPA/081015_PPA_2008_mesPres.pdf >. Acesso em: 19 jan. 2014.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. Plano Plurianual 2012-2015: Projeto de Lei. Mensagem Presidencial. Brasília, MP, 2011. Disponível em: < http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2012/01/19/dilma-rousseff-sanciona-plano-plurianual-2012-2015 >. Acesso em: 19 jan. 2014.

BRASIL. Plano decenal de educação para todos. Brasília, MEC, 1993.

BRASIL. Portaria n. 971/2009 de 09 de outubro de 2001. Brasília, DF, Diário Oficial da União, 2009, p. 52.

BRASIL. Resolução CNE/CEB N. 02/2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, 30 de jan. 2012, Seção 1, p. 20.

BRASIL. Resolução CNE/CEB N.03/1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 de jun. 1998.

BRASIL. Resolução CNE/CEB N. 04/2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. 2010a. Disponível em: < http://www.ca.ufsc.br/files/2012/05/rceb004_10.pdf >. Acesso em: 20 ago. 2012.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República. Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3). Brasília, SEDH/PR, p. 228, 2010b. Disponível em: < http://www.sdh.gov.br/assuntos/direito-para-todos/programas/pdfs/programa-nacional-de-direitos-humanos-pndh-3 >. Acesso em: 04 jul. 2017.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC/UNESCO. 1996.

DUARTE, Newton. O debate contemporâneo das teorias pedagógicas. In: MARTINS, Lígia Márcia; DUARTE, Newton. (Org.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 33-49. Disponível em: < http://books.scielo.org/id/ysnm8/pdf/martins-9788579831034-03.pdf >. Acesso em: 02 abr. 2014.

DUARTE, Newton. Vygotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

FONSECA, Marília. O financiamento do banco mundial à educação brasileira: vinte anos de cooperação internacional. In: TOMMASI, Lívia de; WARDE, Mirian Jorge; HADDAD, Sérgio. (Org.). O banco mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez; PUC, Ação Educativa, 1996. p. 229-251.

KRAWCZYK, Nora. Políticas para Ensino Médio e seu potencial inclusivo. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 36., 2013, Goiânia. Anais eletrônicos... Goiânia: ANPED, 2013. Disponível em: < http://36reuniao.anped.org.br/sessoes-especiais >. Acesso em: 20 nov. 2013.

MOEHLECKE, Sabrina. O ensino médio e as novas diretrizes curriculares nacionais. Entre recorrências e novas inquietações. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 49, p. 39-50, 2012.

NICOLODI, Elaine. Políticas públicas de reestruturação do ensino médio: as reformas implantadas pela Secretaria de Estado da Educação de Goiás no período 2000-2010. 2013. 283 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2013. Disponível em: < https://repositorio.bc.ufg.br/tede/bitstream/tede /3203/5/ Nicolodi %2C%20Elaine.pdf >. Acesso em: 30 de jun. 2017.

NOMA, Amélia Kimiko. UNESCO e Educação no Brasil a partir da década de 1990: percursos de uma pesquisa coletiva. Cadernos de Pesquisa Pensamento Educacional. Curitiba: UTP, v. 05, n. 11. 2010. p. 54-73. Disponível em: < http://universidadetuiuti.utp .br/Cadernos_de_Pesquisa/pdfs/cad_pesq11/4_unesco_educacao_cp11.pdf >. Acesso em: 30 de jun. 2017.

OLIVEIRA, Romualdo Portela de; ARAUJO, Gilda Cardoso de. Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 28, abr. 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782005000100002&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 30 mar. 2015.

REUNIÃO INTERNACIONAL DE ESPECIALISTAS SOBRE O ENSINO MÉDIO NO SÉCULO XXI: DESAFIOS, TENDÊNCIAS E PRIORIDADES, 2001, Brasília. Anais... Brasília: UNESCO, 2001. Relatório final. Beijing, república popular da China.

SAVIANI, Demeval. O plano de desenvolvimento da educação: análise do projeto do MEC. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1231-1255, out. 2007.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2005.

UGA, Vivian Domínguez. A categoria "pobreza" nas formulações de política social do Banco Mundial. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 23, p. 55-62, nov. 2004.

Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782004000200006&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 11 mar. 2016.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.