A universidade popular na Parahyba: circulação de ideias, sujeitos e ações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v17i71.8644641

Palavras-chave:

Universidade popular. História da educação. Sujeitos.

Resumo

Esse artigo aborda elementos que envolvem os debates referentes à instituição de uma Universidade Popular no estado da Paraíba no início da década de 1910 durante o governo de João Pereira de Castro Pinto. A discussão será apresentada a partir da análise de fontes impressas como as Mensagens Presidenciais, as Atas da Câmara dos Deputados e os artigos publicados no Jornal A União. A ideia de uma Universidade Popular, inspirada em um modelo europeu, ao Brasil, foi introduzida embora tenha passado por uma reestruturação no contexto local. Instituída no Rio de Janeiro, no início do século XX, era destinada à disseminação do pensamento anarquista/socialista para as camadas de trabalhadores. Na Parahyba, Castro Pinto a propôs com o objetivo de afastar essa classe dos perigos das teorias externas. Fundada na Parahyba em 1913, a Universidade Popular teve como o seu público alvo não apenas operários, mas também alunos do Lyceu e toda a intelectualidade parahybana. Tratou-se de iniciativa breve, mas inovadora, que acabou atraindo e envolvendo o público local e diversos personagens em torno de temáticas educativas como higiene, instrução pública e voto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Carlo de Carvalho Costa, Universidade Federal da Paraíba

Professor permanente no Departamento de Fundamentação da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Federal da Paraíba na Linha de História da Educação.

Maira Lewtchuk Espindola, Universidade Federal da Paraíba

Pedagoga, Mestre em Educação, Doutoranda em Educação, ambos na Linha de História da Educação, na Universidade Federal da Paraíba. Integra o Grupo de Estudos e Pesquisas História, Sociedade e Educação no Brasil (HISTEDBR-GT Paraíba), o Grupo de Pesquisa História da Educação no Nordeste Oitocentista (GHENO- UFPB) e o Grupo História das Instituições e dos Intelectuais da Educação no Brasil (PUC-SP).

Referências

AGUIAR, Ronaldo. O rebelde esquecido. Tempo, vida e obra de Manuel Bomfim. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

ALONSO, Ângela. Ideias em movimento: a geração 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

CAMPOS, Raquel Discini de. No rastro de velhos jornais: considerações sobre a utilização da imprensa não pedagógica como fonte para a escrita da história da educação. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, v. 12, n. 01, jan/abril 2012. Disponível em: http://www.rbhe. sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/view/320/306. Acesso em: 10 jun. 2012.

COSTA, Jean Carlo de Carvalho. Intelectuais, instrução e espaço público no Brasil Império: uma análise do pensamento político e educacional de Tavares Bastos. Revista Brasileira de História da Educação, vol. 15, n 2 [38], pp. 81-109, 2015.

DUARTE, Samuel Vital. Castro Pinto. João Pessoa: A União, 2000. (Série Paraíba Nomes do Século, 30).

ESPINDOLA, Maíra Lewtchuk. Primeira república, intelectuais e educação: entre a utopia e o (des)encantamento de Castro Pinto (1886-1915). 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2012.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. A legislação escolar como fonte para a História da Educação: uma tentativa de interpretação. In: FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Educação, modernidade e civilidade: fontes e perspectivas de análises para a história da educação oitocentista. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de et al. Apresentação. In: FARIA FILHO, Luciano Mendes de; INÁCIO, Marcilaine Soares (Orgs.). Políticos, literatos, professores, intelectuais: o debate público sobre educação em Minas Gerais. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2009.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução Flávio Paulo Meurer. 9 ed. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Universitária São Francisco, 2008.

GOMES, Ângela de Castro. A República, a história e o IHGB. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009.

GONÇALVES NETO, W. Cultura escolar e legislação em Minas Gerais: o município de Uberabinha no inicio da República. In: YAZBECK, D.; ROCHA, M. (Orgs.). Cultura e História da educação: intelectuais, legislação, cultura escolar e imprensa. Juiz de Fora: UFJF, 2009.

LOMBARDI, José (Org.) Historiografia educacional brasileira e os fundamentos teórico-metodológicos da história. In: LOMBARDI, José. Pesquisa em educação. Campinas: Autores Associados, 2000.

LÖWY, Michael. Sobre o conceito de afinidade eletiva. In: LÖWY, Michael. Redenção e utopia: judaísmo libertário na Europa central. Tradução Paulo Neves. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

LUCA, Tania Regina. Fontes Impressas: História dos, nos e por meio dos periódicos. In: PINSKY, Carla B. Fontes históricas. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2010.

MELLO, José Baptista de. Evolução do ensino na Paraíba. 3. ed. João Pessoa: Secretaria da Educação e Cultura/Conselho Estadual de Educação, 1996.

MOREL, Marcos; BARROS, Mariana Monteiro de. Palavra, imagem e poder: o surgimento da imprensa no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

NASCIMENTO, Cecília Vieira do; OLIVEIRA, Bernardo J. O Sexo Feminino em Campanha pela emancipação da mulher. Pagu, n. 29, dez 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. Acesso em: 10 ago. 2013.

NUNES, Maria Lúcia da Silva. A imprensa paraibana e os direitos da mulher: textos publicados no jornal A União na década de 1920. In: SCOCUGLIA, Afonso Celso; MACHADO, Charliton José dos Santos (Orgs). Pesquisa e historiografia da educação brasileira. Campinas: Autores Associados, 2006.

PINHEIRO, Antonio Carlos Ferreira. Da era das cadeiras isoladas à era dos grupos escolares na Paraíba. 2001. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

REIS, José Carlos. História & teoria: historicismo, modernidade, temporalidade e verdade. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

ROCHA, Marlos B. M. Matrizes da modernidade republicana: cultura política e pensamento educacional no Brasil. Brasília: Plano; Campinas: Autores Associados, 2004.

SIMÕES JUNIOR, A.S.; CAIRO, L. R.; RAPUCCI, C. A. (Orgs.). Intelectuais e imprensa: aspectos de uma complexa relação. São Paulo: Nankin, 2009.

TRIGUEIRO, Osvaldo. A Paraíba na Primeira República. João Pessoa: A União, 1982.

VASCONCELOS, Amaury (Org.). Antologia dos Oradores Paraibanos. João Pessoa: A União, 2011.

VIEIRA, C. E. Erasmo Pilotto: identidade, engajamento político e crenças dos intelectuais vinculados ao campo educacional no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: Invenção, tradição e escritas da História da Educação no Brasil, 6., 2011, Vitória. Anais...Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2011.

Fontes

BRAZIL, República dos Estados Unidos do. Anaes da Camara dos Deputados: Sessões de 24 a 30 de setembro de 1907. v. 5, segunda parte. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1907.

BOMFIM, Manoel. América Latina: males de origem: O parasitismo social e evolução. Rio de Janeiro: Biblioteca Virtual de Ciências Humanas do Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008 [1905].

O GRANDE pintor parahybano Aurelio de Figueiredo inaugurará hoje a “Universidade” fazendo conferencia no Theatro Santa Rosa. Jornal A União, Parahyba, p. 01, 25 jan. 1913.

PINTO, Castro. Mensagem apresentada à Assembléia Legislativa da Parahyba, de 1º de outubro de 1913. Parahyba: Imprensa Official, 1913.

PINTO, Castro. Mensagem apresentada à Assembléia Legislativa da Parahyba, de 1º de setembro de 1914. Parahyba: Imprensa Official, 1914.

PINTO, Castro. Discursos parlamentares. Sel. e int. de Pedro Paulo de Ulysséa. Brasília: Câmara dos Deputados, 1982. (Série Discursos Parlamentares, 17).

UMA IDEA QUE toma vulto - A Parahyba instruí-se. Jornal A União, Parahyba, p. 01, 16 jan. 1913.

UMA IDEIA EM marcha. Jornal A União, Parahyba, p. 01, 19 jan. 1913.

UNIVERSIDADE popular. Jornal A União, Parahyba, p. 02, 16 jan. 1913.

VERISSIMO, José. A educação nacional. Pará: Editores Taveres Cardoso &Cª/Livraria Universal, 1890.

Downloads

Publicado

2017-07-13

Como Citar

COSTA, J. C. de C.; ESPINDOLA, M. L. A universidade popular na Parahyba: circulação de ideias, sujeitos e ações. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 158–173, 2017. DOI: 10.20396/rho.v17i71.8644641. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8644641. Acesso em: 18 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos