Banner Portal
Processo histórico de elaboração dos documentos curriculares para a educação física na rede pública municipal de ensino de Campo Grande – MS
PDF

Palavras-chave

Documentos curriculares. Educação física. Rede de ensino.

Como Citar

D’AVILA, Jorge Luis; FERNANDES, Christiane Caetano Martins. Processo histórico de elaboração dos documentos curriculares para a educação física na rede pública municipal de ensino de Campo Grande – MS. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 69, p. 150–161, 2017. DOI: 10.20396/rho.v16i69.8645213. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8645213. Acesso em: 29 maio. 2024.

Resumo

Este artigo resulta de uma pesquisa bibliográfica e documental e tem como objetivo apresentar o processo histórico de elaboração dos documentos curriculares para a Educação Física na rede pública municipal de ensino de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, destacando aspectos relevantes para compreender o pensamento ideológico assumido pela rede em questão. Para tanto recorremos ao método materialismo histórico dialético verificando assim, que as propostas curriculares para a Educação Física foram elaboradas para atender as exigências impostas pelo capital no que se refere a uma formação básica para o mercado de trabalho.

https://doi.org/10.20396/rho.v16i69.8645213
PDF

Referências

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física/ Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Brasília, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro07.pdf. Acesso em 17 de mar. de 2016.

BRASIL. República Federativa do. Lei n. 9.394, 20.12.1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em 17 de mar. de 2016.

BRASIL. República Federativa do. Lei no 10.328, 12.12.2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10328.htm. Acesso em 17 de jan. de 2015. Acesso em 17 de mar. de 2016.

BRASIL. República Federativa do. Lei no 10.793, 01.12.2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.793.htm. Acesso em 17 de mar. de 2016.

CAMPO GRANDE. Secretaria Municipal de Educação. Alternativas Curriculares. Campo Grande: Prefeitura Municipal de Campo Grande, 1990.

CAMPO GRANDE. Sequencia didática. Campo Grande: Prefeitura Municipal de Campo Grande, 2000.

CAMPO GRANDE. Diretrizes curriculares do ensino fundamental. Campo Grande: Prefeitura Municipal, 2003.

CAMPO GRANDE. Referencial curricular da Rede Municipal de Ensino do 1o ao 9o ano. Campo Grande: Prefeitura Municipal, 2008

CASTELLANI FILHO. L. Projeto reorganização da trajetória escolar no ensino fundamental: uma proposta pedagógica para a educação física. Revista da EDUCAÇÃO FÍSICA/UEM 8(1): 11-19,1997. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/viewFile/3867/2693. Acesso em 24 de mar. de 2016.

CAPARROZ, Francisco Eduardo. Entre a educação física na escola e a educação física da escola: a educação física como componente curricular. Campinas, SP. Autores Associados, 2007.

DAOLIO, J. Educação Física Brasileira: autores e atores da década de 1980.Campinas, SP: Papirus, 1998.

DARIDO, S. C.; RANGEL, I. C. A. Educação Física na Escola: Implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

DARIDO, S. C. Os conteúdos da Educação Física escolar: influências, tendências, dificuldades e possibilidades. Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1 (suplemento), 2001. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/70073429/Os-Conteudos-Da-Educacao-Fisica-Escolar-Influencias-Tendencias-Dificuldades-e-Possibilidades#scribd. Acesso em: 24 de mar. de 2016.

GONÇALVES, M. A. S. Sentir, pensar, agir: corporeidade e educação. Campinas, SP: Papirus, 1994.

GOODSON, I. Currículo: teoria e história. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do Esporte. Ijuí: Unijuí, 2003.

NEVES, L. M. W e SANT‟ANNA, R. Introdução: Gramsci, o Estado Educador e a nova pedagogia da hegemonia. In: NEVES. L. M. W. (Org.) A nova pedagogia da hegemonia – estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

NORONHA, Olinda Maria. Políticas neoliberais, conhecimento e educação. Campinas: Alínea, 2002.

OLIVEIRA. Francisco. O Surgimento do antivalor. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n.22, p. 8-18, 1988.

POCHMANN, Marcio. O Emprego na Globalização: a nova divisão do trabalho e os caminhos que o Brasil escolheu. Boitempo: São Paulo, 2001.

SAVIANI. D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

SILVA, F. de C. T. Possibilidades e limites no/do estudo comparado de documentos curriculares: a construção da história curricular no campo da educação especial (1979 e 1999). Anais - VI Congresso Brasileiro da História da Educação 2011. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe6/anais_vi_cbhe/conteudo/res/trab_1000.htm. Acesso em: 15 de mar. de 2016.

SOARES, C. L. et al. Metodologia do ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

TAFFAREL C. Z., MORSCHBACHER, M. Crítica A Teoria Crítico-Emancipatória: Um Diálogo Com Elenor Kunz A Partir Do Conceito De Emancipação Humana. Corpus et Scientia v. 9, n. 1, p. 45-64, Rio de Janeiro 2013. Disponível em: http://apl.unisuam.edu.br/revistas/index.php/corpusetscientia/article/view/253. Acesso em: 23 fev. 2016.

TONET, I. Cidadania ou Emancipação Humana. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, n. 44, jan. 2005. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/044/44ctonet.htm. Acesso em: 10 de abril de 2016.

ZIBAS, Dagmar. A reforma do ensino médio nos anos de 1990: o parto da montanha e as novas perspectivas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 28, 2005.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.