História da educação na Bahia: notas preliminares para a compreensão do tradicionalismo na educação brasileira

Autores

  • Ana Palmira Bittencourt Santos Casimiro Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Paula Ruas Ferreira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Daniella Miranda Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Camila Nunes Duarte Silveira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Maria Cleidiana Oliveira de Almeida Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v16i67.8646118

Palavras-chave:

Educação. Religião. Ordens Religiosas. Colônia. Estado Português

Resumo

O presente estudo aponta acontecimentos referentes à expansão do Império Português, à sua situação econômica, administrativa, e situação política frente a outros países da Europa e, neste âmbito, também, acontecimentos pedagógicos e educativos, levando em conta que o que acontecia na Bahia, capital da Colônia, acontecia, também, em menor escala, no âmbito do território brasileiro, colonizado pelos portugueses. Sob uma perspectiva histórica e dialética, continuamos pesquisas anteriores acrescentamos novos dados em torno da educação brasileira, categorizando varias faces da educação no Brasil Colônia.  Mediante uma coleta conjunta de um grupo de pesquisa, transitamos por quase três séculos de educação, considerando o início da História da Educação Colonial com a chegada dos primeiros jesuítas, junto com a expedição de Tomé de Sousa, em 1549, e o final com a chegada de D. João VI, em 1808. Do início da colonização até a consolidação do Brasil como nação, período que compreende os séculos XVI, XVII e XVIII, a história nos aponta modelos diferenciados de educação, segundo os agentes envolvidos, segundo o lugar social de cada educando, enfim, segundo as circunstâncias. A educação, mais intencional, se dava nos colégios e nas missões. Acontecia também, de modo mais informal, nas senzalas, nas casas das famílias e em alguns organismos sociais, como irmandades, ordens terceiras paróquias e corporações de ofício. Finalizamos, reafirmando que, para conhecer a educação daquela época, envolvida em tantas facetas, carece conhecer um pouco mais os aspectos econômicos, políticos, administrativos, sociais, culturais, religiosos, o pensamento pedagógico e a ação educativa do Brasil colonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Palmira Bittencourt Santos Casimiro, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Pós-doutorado em Educação pela UNICAMP; Professora Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Fundamentos da Educação: Memória, Imagem, Religião e Educação do Museu Pedagógico da UESB. Participante do Grupo HISTEDBR GT – Bahia. E-mail: apcasimiro@oi.bol.br

Paula Ruas Ferreira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Mestre em Memória, Linguagem e Sociedade pelo PPGLM da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Pesquisadora do Grupo Fundamentos da Educação: Memória, Imagem Religião e Educação do Museu Pedagógico da UESB. Participante do Grupo HISTEDBR, GT – Bahia. E-mail: paularuas1@yahoo.com.br

Daniella Miranda Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutoranda em Memória, Linguagem e Sociedade pelo PPGMLS da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Pesquisadora do Grupo Fundamentos da Educação: Memória, Imagem Religião e Educação do Museu Pedagógico da UESB; Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Participante do Grupo HISTEDBR GT – Bahia. E-mail: myrandella@yahoo.com

Camila Nunes Duarte Silveira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutoranda em Memória, Linguagem e Sociedade, pelo PPGLM da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB; Bolsista pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia- FAPESB e participante do Grupo de Pesquisa Fundamentos da Educação: Memória, Imagem, Religião e Educação, do Museu Pedagógico-UESB, Participante do Grupo HISTEDBR GT – Bahia.  E-mail: mila-ped@hotmail.com

Maria Cleidiana Oliveira de Almeida, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutoranda em Memória, Linguagem e Sociedade, pelo PPGLM da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB; Professora EFETIVA do IFBA – Bahia; Participante do Grupo de Pesquisa Fundamentos da Educação: Memória, Imagem, Religião e Educação, do Museu Pedagógico-UESB, Participante do Grupo HISTEDBR GT – Bahia.  E-mail: cleidinha.prof@yahoo.com.br

Referências

ALGRANTI, Leila Mezan. Honradas e Devotas: mulheres da Colônia: Condição feminina nos conventos e recolhimentos do Sudoeste do Brasil, 1750-1822. Rio de Janeiro: José Olympio: Brasília: EDUNB, 1993.

ALMEIDA, Maria Cleidiana Oliveira de. A Catequese nas Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia: perpetuação de uma memória milenar. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Vitória da Conquista, 2014. (Dissertação de mestrado).

ANTONIL, André João. Cultura e Opulência do Brasil. Est. Bibliogr. Por Affonso Taunay. Notas de Fernando Sales. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP. 1982 (Reconquista do Brasil; nova série; v. 70).

ANTONIL, André João. Cultura e Opulência do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1982. (Coleção Reconquista do Brasil).

ARNAUT DE TOLEDO, Cezar de Alencar. Razão de Estudos e Razão Política: Um estudo sobre a Ratio Studiorum. In: Encontro de Pesquisadores de Educação Jesuítica e Formação da Cultura Brasileira: 1549:1759, 1, 2001. Universidade Metodista de Piracicaba. Texto eletrônico... Piracicaba: UNIMEP, 2001. Disponível em: arnautcz@wnet.com.br. Acesso em: 20-23/05/2001.

AZZI, Riolando. A Cristandade Colonial: um projeto autoritário. São Paulo: Paulinas, 1987.

BAZIN, Germain. A Arquitetura Religiosa Barroca no Brasil. Rio de Janeiro: Record, 1983. 2 vol.

BENCI, Jorge. Economia Cristã dos Senhores no Governo dos Escravos (livro brasileiro de 1700) (Estudo preliminar) Pedro de Alcântara Figueira; Claudinei M.M. Mendes. São Paulo: Grijalbo, 1977.

BEOZZO, José Oscar. Leis e Regimentos das Missões: política indigenista no Brasil. São Paulo: Loyola, 1983. (Missão Aberta).

BOSCHI, Caio César. Os Leigos e o Poder. Irmandades leigas e política colonizadora em Minas Gerais. São Paulo: Ática, 1986.

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CARVALHO, Rômulo de. História do Ensino em Portugal: desde a fundação da nacionalidade até o fim do regime de Salazar-Caetano. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996.

CASIMIRO, Ana Palmira Bittencourt Santos. Mentalidade e Estética na Bahia Colonial: a Venerável Ordem Terceira de São Francisco de Assis e o frontispício da sua Igreja. Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1996.

CASIMIRO, Ana Palmira Bittencourt Santos. Economia Cristã dos Senhores no Governo dos Escravos: uma proposta pedagógica jesuítica no Brasil colonial. 2002. Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2002. (Tese Doutorado)

CATECISMO ROMANO (Catecismo dos Párocos, redigido por decreto do Concílio Tridentino, publicado por ordem do Papa Pio Quinto em 1566). Nova versão portuguesa, baseada na edição autêntica, anotada e organizada por Frei Leopoldo Pires Martins (OFM) Petrópolis: Vozes, 1951.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Jesuítas e as crianças no Brasil quinhentista. In: DEL PRIORE, M. (org.). História das Crianças no Brasil. São Paulo, 2008.p.55-81.

COSTA E SILVA, Cândido da. História da Igreja no Brasil. In: Seminário sobre os 450 anos do Catolicismo no Brasil. Salvador: Arquivo do Estado da Bahia, de 23 a 26 de agosto de 1999.

ESTATUTOS DA PROVÍNCIA DE SANTO ANTÔNIO DO BRASIL. Lisboa, na Officina de Manuel e Joseph Lopes Ferreira. 1709.

FERNANDES, Rogério. O Pensamento Pedagógico em Portugal. Lisboa: Instituto de Cultura Portuguesa. 1978 (Biblioteca Breve, 20).

FERREIRA, Tito Lívio. Portugal, a Companhia de Jesus e a Educação no Brasil. In: Revista da Universidade Católica de São Paulo, 20: 678-93, 1960.

FERREIRA, Paula Ruas. A Formação dos Frades Menores no Convento de São Francisco da Bahia: Franciscanismo, Filosofia e Teologia – memória e permanência dos valores pedagógicos dos restauradores alemães (1890). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Vitória da Conquista, 2016. (Dissertação de mestrado).

BENCI, Jorge. Economia Cristã dos Senhores no Governo dos Escravos (livro brasileiro de 1700) Estudo preliminar de Pedro de Alcântara Figueira e Claudinei M.M. Mendes. São Paulo: Grijalbo, 1977.

FRAGOSO, Hugo (ofm) Anais do IV Congresso de História da Bahia, de 27/09 a 1o/10 1999, em Salvador, na Bahia.

FRAGOSO, Hugo (ofm). A Era Missionária (1686-1759). In: História da Igreja na Amazônia. Eduardo Hoornaert (Org.). Comissão de Estudos da Igreja na América Latina, CEHILA. Petrópolis: Vozes, 1992.

FRAGOSO, Hugo (ofm). O Etnocentrismo na Primeira Evangelização do Brasil. In: Convergência. Junho, 1990, ano XXV, número 233, pp.289-303.

FRAGOSO, Hugo (ofm). Claustro do Convento de São Francisco: um teatro em azulejos. Salvador: EPSSAL. s/d.

FRAGOSO, Hugo (ofm). Um Teatro Mitológico ou um Sermão em Azulejos? Claustro do Convento de São Francisco. 1 Ed. Paulo Afonso – Ba: Fonte Viva, 2006.

HISTEDBR – http://www.histedbr.fae.unicamp.br

HOORNAERT, Eduardo. A Cristandade durante a Primeira Época Colonial. In: Hoornaert, Eduardo et al. História da Igreja no Brasil. Tomo II, v. 1. Petrópolis, Vozes, 1983.

HOORNAERT, Eduardo. A Evangelização do Brasil Durante a Primeira Época Colonial. In: Hoornaert, Eduardo et al. História da Igreja no Brasil. Tomo II, v. 1. Petrópolis, Vozes, 1983.

HOORNAERT, Eduardo (Org.). História da Igreja na Amazônia. Petrópolis: Vozes/CEHILA, 1992.

JABOATÃO, Frei Antonio de Santa Maria. Novo Orbe Seráfico Brasilico ou Chronica dos Frades Menores da Província do Brasil. V.2 Rio de Janeiro: Brasiliense de Maximiliano Gomes Ribeiro, 1859. (Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro).

KLEIN, Luiz Fernando. Atualidade da Pedagogia Jesuítica. São Paulo: Loyola, 1997.

LACOMBE, A.J. A Obra Histórica do Padre Hoornaert. Rio de Janeiro: [s/ed], 1983.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil: século XVI. Lisboa: Portucália, 1938. 10 v.

LEITE, Serafim. Novas Páginas de História do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965 (Brasiliana n.323).

LOBO, Tânia Conceição Freire (2001). Para uma sociolingüística histórica do português no Brasil: edição filológica e análise lingüística de cartas particulares do Recôncavo da Bahia, século XIX. Universidade de São Paulo, São Paulo. 4 v.(Tese de Doutorado).

LOYOLA. Inácio de. Autobiografia. Introd. e notas de Pe. Armando Cardoso, S.J. São Paulo, 1987.

LOYOLA. Inácio de. Obras Completas de Santo Inácio de Loyola. (Introd. e notas) Pe. Ignácio Iparraguirre, S.J., com la autobiografia de San Ignacio editada e anotada por el Pe. Cândido de Dalmases, S.J. Madrid: Biblioteca de Autores Cristianos – BAC, 1952.

MATTOS, Luiz Alves de. Primórdios da Educação no Brasil. O período heróico. (1549 a 1570). Rio de Janeiro: Aurora, 1958.

SANTOS, Daniella Miranda. Memória, Igreja e Educação: Azeredo Coutinho e o Seminário de Olinda como precursor dos Cursos Jurídicos no Brasil. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Vitória da Conquista, 2012. (Dissertação de mestrado).

MOREIRA NETO, Carlos. Os Principais Grupos missionários que atuaram na Amazônia Brasileira entre 1607 e 1759. In: Eduardo Hoornaert (Org.). História da Igreja na Amazônia. Petrópolis: Vozes/CEHILA, 1992.

NAGEL, Lízia Helena. Educação Colonial: Escolástica ou Burguesa? Revista Educação em Questão, 6 (2): 24-38, jul/dez.1996.

NASCIMENTO, Anna Amélia Vieira. Patriarcado e Religião; as enclausuradas clarissas do Convento do Desterro da Bahia: 1677-1890. Bahia, Conselho Estadual de Cultura, 1994.

REGIMENTO ADMINISTRATIVO DA VENERÁVEL ORDEM TERCEIRA DE NOSSO SERÁPHICO PADRE S. FRANCISCO DA CIDADE DA BAHIA. Salvador, Imprensa Econômica, 1880.

ROCHA, Manoel Ribeiro. O Etíope Resgatado, Empenhado, Sustentado, Corrigido, Instruído, Libertado: discurso teológico-jurídico sobre a libertação dos escravos no Brasil. (1758). (Introd. e notas) Paulo Suess. Petrópolis: Vozes; São Paulo: CEHILA, 1992.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1978.

RUSSEL-WOOD, A.J.R. Fidalgos e Filantropos: A Santa Casa da Misericórdia da Bahia, 1550-1755. Brasília: Universidade de Brasília, 1981. (Coleção Temas Brasileiros).

A FORMAÇÃO DOS FRADES MENORES NO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO DA BAHIA: FRANCISCANISMO, FILOSOFIA E TEOLOGIA - memória e permanência dos valores pedagógicos dos Restauradores Alemães (1890)

SECO, Ana Paula. História da Educação no Brasil: o olhar dos viajantes britânicos sobre a educação (1808-1889). Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2004. (Dissertação de Mestrado).

SILVEIRA, Camila Nunes Duarte. A Ação Pedagógica da Companhia de Jesus no Brasil do Século XVI e os usos da Memória. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Vitória da Conquista, 2013. (Dissertação de mestrado).

SOUZA, Laura de Mello. Desclassificados do Ouro: a pobreza mineira no século XVIII. v. 8. Rio de Janeiro: Graal, 1982. (Biblioteca de História).

TERRA, João Evangelista Martins S.J. O Negro e a Igreja. São Paulo, Loyola, 1988.

VAINFAS, Ronaldo. Deus Contra Palmares: representações senhoriais e idéias jesuíticas. In: REIS, João José e GOMES, Flávio dos Santos. Liberdade por um Fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

VAINFAS, Ronaldo. Ideologia e Escravidão: os letrados e a sociedade escravista no Brasil colonial. Petrópolis: Vozes, 1986. (História Brasileira, 8).

VIDE, Dom Sebastião Monteiro da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia (1707). (Impressas em Lisboa no ano de 1719, e em Coimbra em 1720. São Paulo): Tip. 2 de Dezembro, 1853.

VIEIRA, Antônio (S.J.). Sermões Prégados no Brasil II: A Vida Social e Moral na Colônia. (Org. e notas) Hernani Cidade. v. III. Lisboa: República Portuguesa; Ministério das Colônias; Divisão de Publicações e Bibliotecas; Agência Geral das Colônias. 1940.

Downloads

Publicado

2016-07-05

Como Citar

CASIMIRO, A. P. B. S.; FERREIRA, P. R.; SANTOS, D. M.; SILVEIRA, C. N. D.; ALMEIDA, M. C. O. de. História da educação na Bahia: notas preliminares para a compreensão do tradicionalismo na educação brasileira. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 67, p. 199–217, 2016. DOI: 10.20396/rho.v16i67.8646118. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8646118. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: X Jorn HISTEDBR-História da Educação: intelectuais, memória e política

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)