A casa familiar rural e a política de educação do campo: história de resistência do movimento social no oeste paraense

Autores

  • Glez Rodrigues Freitas Bentes Universidade Federal do Oeste do Pará
  • Anselmo Alencar Colares Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v16i69.8648231

Palavras-chave:

Casa familiar rural. Política educacional do campo. Movimento social.

Resumo

O presente estudo busca compreender o processo histórico de criação da Casa Familiar Rural de Santarém e sua relação com a constituição do movimento social do campo do Oeste Paraense pela sua efetivação como política educacional do campo. Reconstituímos as discussões iniciais de articulação e criação do Movimento social do campo no Oeste Paraense, e sua atuação e participação na proposição das políticas públicas, sobretudo às educacionais do campo. A partir da análise de documentos oficiais, registros informais das lideranças do movimento social do campo e entrevistas junto a esses sujeitos, nos permitiram identificar nas lutas de resistência e emancipação dos sujeitos do campo suas estratégias de mobilização na constituição do poder local. Concluímos, portanto que a história da CFR-STM integra e se confunde com a história do movimento social do campo em Santarém e Região Oeste Paraense, e que, por meio da sua capacidade criativa, este movimento, estrategicamente se apropria de espaços coletivos de diálogos na construção de políticas de educação do campo, se reinventando a partir de suas limitações internas, gradativamente, ressurgindo como um espaço de articulação da sociedade civil, em uma estratégia conceituação de territorialidade e de resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glez Rodrigues Freitas Bentes, Universidade Federal do Oeste do Pará

Mestre em Educação/UFOPA, Especialização em Educação Ambiental / FACINTER, Graduada em Ciências Sociais /UFPA- Campus Santarém/Pará.

Anselmo Alencar Colares, Universidade Federal do Pará

Doutorado e Pós-doutorado em Educação/FE-Unicamp. Professor Associado, Docente do Programa de Pós-
graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará/UFOPA. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas História, Sociedade e Educação no Brasil HISTEDBR/UFOPA.

Referências

ALVES, M. J. F. Casa Familiar Rural de Santarém, perspectivas e desafios: um estudo de caso no Município de Santarém, Para. Monografia (Especialização) - Universidade Federal do Oeste do Para, Santarém. 2013.

ALENTEJANO. P. R. R. A política de assentamentos rurais do governo FHC e os desafios da reforma agrária no Brasil do século XXI. Revista Agrária, n. 1, pp. 2-15. Universidade Estadual do Rio de Janeiro, RJ, 2004.

ARCARFAR/PARÁ. CASA FAMILIAR RURAL DE SANTARÉM. Projeto Político Pedagógico: Uma construção coletiva da CFR-Stm. Santarém, PA, 2009. Digitado.

ARCARFAR/PARÁ. CASA FAMILIAR RURAL DE SANTARÉM. Relatório de Atividades Anual da Casa Familiar Rural de Santarém. Santarém, PA, 2014. Digitado.

ARCAFAR/PA. Acesso em 12.01. 2016 arcafarpara.blogspot.com.br

BENTES. Antonio José Mota. Pedagogia da Alternância em Santarém. Santarém, 2015, Sem notas tipográficas (snt).

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A educação como cultura. Campinas/ São Paulo: Mercado de Letras, 2002.

CADERNO DE ANOTAÇÕES. BENTES, Antonio José. Mota (org). Registro das reuniões da Área Pastoral n.04. Diocese de Santarém, na sede do Grupo de Defesa da Amazônia (GDA), Santarém, PA, em 12 de Dezembro de 1994, snt.

COLEGIADO DE DESENVOLVIEMNTO TERRITORIAL DO BAIXO AMAZONAS (CODETER/BAM). Relatório do Seminário de Educação do Campo realizado na sede do CEFTBAM, em 25 de abril de 2015.

COLEGIADO DE DESENVOLVIEMNTO TERRITORIAL DO BAIXO AMAZONAS (CODETER/BAM. Regimento interno, 18.08.2014.

COLETI, Claudinei. Neoliberalismo e burguesia agrária no Brasil. Revista Lutas & Resistências, Londrina, v.1, p.131-145, set. 2006

COSTA, Rogério Haesbaert da. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 2ªed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

DAGNINO, Evelina. Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. São Paulo: Paz e Terra/UNICAMP, 2002.

FRIGOTTO, Gaudêncio. In: MST. Boletim da Educação. Educação no MST. Balanço 20anos, nº. 9 de dezembro de 2004. (Entrevista) (p. 65-68)

HÖFLING, E. M. Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos Cedes, ano XXI, nº 55, novembro/2001 [p. 30-41].

INSTITUTO DE PESQUISA AMBIENTAL DA AMAZÔNIA (IPAM)- CIAT. Espaços e instrumentos de desenvolvimento territorial no Território Baixo Amazonas – PA, Santarém. Relatório de missão - 8 a 21 de fevereiro de 2009. (Versão preliminar não publicado)

INSTITUTO DE PESQUISA AMBIENTAL DA AMAZÔNIA (IPAM)- CIAT. Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável – PTDRS do Baixo Amazonas, Estado do Pará - Santarém, 2011. 66 p, snt.

MAGALHÃES, Benedita Acidelma Coelho dos Santos. Educação do Campo, Poder local e Políticas Públicas: a Casa Familiar Rural de Gurupá-Pará, uma construção permanente. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Pará (UFPA), 2009.

MDA. TERRITÓRIO DA CIDADANIA Fonte: Sistema de Informações Territoriais (http://sit.mda.gov.br). http://www.territoriosdacidadania.gov.br/Acesso em Agosto de 2015.

NOSELLA, Paolo. Origens da pedagogia da Alternância. Coleção Educação do Campo: Edufes, Vitória, 2014.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993.

SAQUET, Marcos Aurélio. Abordagens e concepções sobre o território. 1ª. Ed. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

SILVA, Lourdes Helena da. As experiências de formação de jovens do campo:alternância ou alternâncias? Viçosa, Minas Gerais: EFV, 2003

SOUZA, Marcelo José Lopes de. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo Cesar da Costa; Correa, Roberto Lobato (Orgs.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003, p.77-116.

Downloads

Publicado

2017-02-23

Como Citar

BENTES, G. R. F.; COLARES, A. A. A casa familiar rural e a política de educação do campo: história de resistência do movimento social no oeste paraense. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 69, p. 267–285, 2017. DOI: 10.20396/rho.v16i69.8648231. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8648231. Acesso em: 3 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)