A influência do pensamento pedagógico brasileiro na política de educação integral do século XXI

Autores

  • Luciene Silva Universidade Federal do Oeste do Pará
  • Maria de Fátima Matos de Souza Universidade Federal do Pará
  • Célio da Cunha Universidade Católica de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v16i69.8648241

Palavras-chave:

Educação integral. Tempo integral. Pensamento pedagógico.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo refletir sobre a construção do conceito de Educação Integral de Tempo Integral que vem se desenvolvendo no cenário educacional brasileiro e de como esses conceitos contemporâneos são influenciados pelas concepções pedagógicas presentes no pensamento educacional desde o final do Século XIX e início do século XX. A análise se centra em estudos bibliográficos em que se buscou estudar as concepções pedagógicas, os principais expoentes da educação brasileira e suas contribuições na construção dos conceitos de educação integral em tempo integral e as políticas de educação integral retratadas nos documentos oficiais. Os estudos revelam que a escolanovismo é a concepção pedagógica que mais tem influenciado as políticas de educação integral em tempo integral no Brasil. O estudo conclui que a expansão dos ideais fundados em bases escolanovista contribuíram para que novas demandas fossem se inserindo no pensamento educacional brasileiro contemporâneo, o que resultou na construção de políticas públicas educacionais em uma perspectiva de Educação Integral de Tempo Integral, e sua legitimação nos ordenamentos jurídicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciene Silva, Universidade Federal do Oeste do Pará

Luciene Maria da Silva, Mestranda em educação, no Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA/PPGE) com Projeto de Pesquisa voltado para investigação da Política de Educação Integral, Licenciada Plena em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará (UFPA), especialista em Gestão Escolar pela Universidade Estadual do Pará (UEPA).Atualmente é Professora na Escola Estadual de Educação Tecnológica e profissionalizante de Oriximiná-Pará (EETEPA/SEDUC-Pa) e Coordenadora Pedagógica da Educação Básica na rede Municipal de ensino do Pará. Participa do Grupo de Estudos e Pesquisas HISTEDBR (História, Sociedade e Educação no Brasil) da Universidade Federal do Oeste do Pará/UFOPA. Entre as experiências profissionais, incluem-se a participação em administração de Unidades escolares da educação Básica e Tecnológica; em conselhos de acompanhamento e controle social como FUNDEB, CAE E CME e atividades de ensino no Superior com ênfase em Estágio Supervisionado e gestão educacional.

Maria de Fátima Matos de Souza, Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Licenciatura Plena e Bacharelado em História, pela Universidade Federal do Pará; mestrado em Educação, pela Universidade Metodista de Piracicaba; doutorado em Educação Escolar, pela Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho, concluiu estágio de pós-doutoramento na Universidade Católica de Brasília. É Professora Adjunta da Universidade Federal do Pará, Curso de Educação do Campo da Faculdade de Etnodiversidade, Campus de Altamira. 

Célio da Cunha, Universidade Católica de Brasília

Bacharel e Licenciado em Pedagogia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, mestre em Educação pela Universidade de Brasília e doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é Professor do Programa de Mestrado e Doutorado da Universidade Católica de Brasília - área de concentração: políticas públicas de educação e história das ideias pedagógicas. Professor Adjunto IV da Faculdade de Educação da Universidade de Brasilia(aposentado) membro do Comitê Científico da Revista Brasileira de Pós-graduação(RBPG) da Capes e do Conselho Editorial das revistas Linhas Críticas (UnB), Ensaio(Fundação Cesgranrio), Política e Administração da Educação(Anpae) e Intergração e Conhecimento do NEIES-Mercosul. Atuou como coordenador editorial e assessor especial da UNESCO no Brasil na área de educação por vários anos.

Referências

CAVALARI, R. M. F. Integralismo: ideologia e organização de um partido de massa no Brasil (1932-1937). Bauru, São Paulo: EDUSC, 1999.

CAVALIERE, A. M. V. Anísio Teixeira e a educação integral. Paidéia. maio-ago. 2010, Vol. 20, No. 46, 249-259.

CENPEC. Tendências para a educação integral. - São Paulo: 2011. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/pt/br_tend_educ_integ.pdf.

COELHO, L. M. C. C. Educação integral e integralismo nos anos 30: a vez (e a voz) dos periódicos. In: Congresso Brasileiro de História da Educação, 3, 2004. Curitiba: A educação escolar em perspectiva histórica (anais), 2004a, p. 1-17. Disponível em: http://www.pmgv.rs.gov.br/documentos/Ligia_Coelho.Historia_da_educacao_integral.pdf. Acesso em 04 de agosto de 2016.

COELHO, L. M. C. C. História(s) da educação integral. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p. 83-96, abr. 2009. Disponível em: http://www.pmgv.rs.gov.br/documentos/Ligia_Coelho.Historia_da_educacao_integral.pdf. Acesso em 04 de agosto de 2016.

COSTA, M. A. Qualidade de Ensino: a Escola Pública de Tempo Integral em Questão. 1995. 188 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995.

FREITAS, R. A. M. da M. ZANATTA, B. A. O legado de pestalozzi, herbart e dewey para as práticas pedagógicas escolares. in: Congresso Brasileiro de História da Educação (5. : 2008 : Aracaju, Sergipe) O ensino e a pesquisa em história da educação: 5. Congresso Brasileiro de História da Educação – São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe; Aracaju: Universidade Tiradentes, 2008. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe4/individuaisScoautorais/eixo03/Raquel%20A.%20M.%20da%20M.%20Freitas%20e%20Beatriz%20Aparecida%20Zanatta%20-%20tex.pdf. Acesso em 20 de janeiro de 2016.

GADOTTI, M. Pensamento Pedagógico Brasileiro. 8. ed. São Paulo: Ática, 2004.

GHIRALDELLI JR., P. História da educação. São Paulo: Cortez, 2000.

GIOLO, J. Educação de Tempo integral: resgatando elementos históricos conceituais para o debate. In: MOLL, J. (Org). Caminhos da Educação Integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012.p. 94-105.

LEITE ,L. H. A.; CARVALHO ,L. D.; VALADARES, J. M. (orgs). Educação Integral e Integrada: Desenvolvimento da Educação integral no Brasil. Faculdade de Educação da UFMG. 2010, P. 73.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994. (Coleção magistério. Série Formação de professor).

LIBÂNEO, J. C. Fundamentos teóricos e práticos do trabalho docente. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Tese de doutorado), 1990.

MANIFESTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/doc1_22e.pdf . Acessado em 14 de janeiro de 2016.

MORIYÓN, F. G. (org.). Educação Libertária. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

NUNES, C. Quando a casa vira escola: a modernidade pedagógica no Brasil. In: MONTEIRO, A. M.; GASPARELLO, A. M.; MAGALHÃES, M. de S. Ensino de História: sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad, 2009.

PARO, V. H.; FERRETTI, C. J.; VIANNA, C. P. e SOUZA, D.T. Escola de Tempo Integral: desafio para o Ensino Público. São Paulo. Cortez: Autores Associados, 1988.

TEIXEIRA, A. Centro Educacional Carneiro Ribeiro. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. 31, n. 73, p. 78-84, jan./mar. 1959.

Downloads

Publicado

2017-02-23

Como Citar

SILVA, L.; SOUZA, M. de F. M. de; CUNHA, C. da. A influência do pensamento pedagógico brasileiro na política de educação integral do século XXI. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 69, p. 124–139, 2017. DOI: 10.20396/rho.v16i69.8648241. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8648241. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)