Banner Portal
A influência do pensamento pedagógico brasileiro na política de educação integral do século XXI
PDF

Palavras-chave

Educação integral. Tempo integral. Pensamento pedagógico.

Como Citar

SILVA, Luciene; SOUZA, Maria de Fátima Matos de; CUNHA, Célio da. A influência do pensamento pedagógico brasileiro na política de educação integral do século XXI. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 69, p. 124–139, 2017. DOI: 10.20396/rho.v16i69.8648241. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8648241. Acesso em: 30 maio. 2024.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo refletir sobre a construção do conceito de Educação Integral de Tempo Integral que vem se desenvolvendo no cenário educacional brasileiro e de como esses conceitos contemporâneos são influenciados pelas concepções pedagógicas presentes no pensamento educacional desde o final do Século XIX e início do século XX. A análise se centra em estudos bibliográficos em que se buscou estudar as concepções pedagógicas, os principais expoentes da educação brasileira e suas contribuições na construção dos conceitos de educação integral em tempo integral e as políticas de educação integral retratadas nos documentos oficiais. Os estudos revelam que a escolanovismo é a concepção pedagógica que mais tem influenciado as políticas de educação integral em tempo integral no Brasil. O estudo conclui que a expansão dos ideais fundados em bases escolanovista contribuíram para que novas demandas fossem se inserindo no pensamento educacional brasileiro contemporâneo, o que resultou na construção de políticas públicas educacionais em uma perspectiva de Educação Integral de Tempo Integral, e sua legitimação nos ordenamentos jurídicos.

https://doi.org/10.20396/rho.v16i69.8648241
PDF

Referências

CAVALARI, R. M. F. Integralismo: ideologia e organização de um partido de massa no Brasil (1932-1937). Bauru, São Paulo: EDUSC, 1999.

CAVALIERE, A. M. V. Anísio Teixeira e a educação integral. Paidéia. maio-ago. 2010, Vol. 20, No. 46, 249-259.

CENPEC. Tendências para a educação integral. - São Paulo: 2011. Disponível em: http://www.unicef.org/brazil/pt/br_tend_educ_integ.pdf.

COELHO, L. M. C. C. Educação integral e integralismo nos anos 30: a vez (e a voz) dos periódicos. In: Congresso Brasileiro de História da Educação, 3, 2004. Curitiba: A educação escolar em perspectiva histórica (anais), 2004a, p. 1-17. Disponível em: http://www.pmgv.rs.gov.br/documentos/Ligia_Coelho.Historia_da_educacao_integral.pdf. Acesso em 04 de agosto de 2016.

COELHO, L. M. C. C. História(s) da educação integral. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p. 83-96, abr. 2009. Disponível em: http://www.pmgv.rs.gov.br/documentos/Ligia_Coelho.Historia_da_educacao_integral.pdf. Acesso em 04 de agosto de 2016.

COSTA, M. A. Qualidade de Ensino: a Escola Pública de Tempo Integral em Questão. 1995. 188 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995.

FREITAS, R. A. M. da M. ZANATTA, B. A. O legado de pestalozzi, herbart e dewey para as práticas pedagógicas escolares. in: Congresso Brasileiro de História da Educação (5. : 2008 : Aracaju, Sergipe) O ensino e a pesquisa em história da educação: 5. Congresso Brasileiro de História da Educação – São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe; Aracaju: Universidade Tiradentes, 2008. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe4/individuaisScoautorais/eixo03/Raquel%20A.%20M.%20da%20M.%20Freitas%20e%20Beatriz%20Aparecida%20Zanatta%20-%20tex.pdf. Acesso em 20 de janeiro de 2016.

GADOTTI, M. Pensamento Pedagógico Brasileiro. 8. ed. São Paulo: Ática, 2004.

GHIRALDELLI JR., P. História da educação. São Paulo: Cortez, 2000.

GIOLO, J. Educação de Tempo integral: resgatando elementos históricos conceituais para o debate. In: MOLL, J. (Org). Caminhos da Educação Integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012.p. 94-105.

LEITE ,L. H. A.; CARVALHO ,L. D.; VALADARES, J. M. (orgs). Educação Integral e Integrada: Desenvolvimento da Educação integral no Brasil. Faculdade de Educação da UFMG. 2010, P. 73.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994. (Coleção magistério. Série Formação de professor).

LIBÂNEO, J. C. Fundamentos teóricos e práticos do trabalho docente. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Tese de doutorado), 1990.

MANIFESTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/doc1_22e.pdf . Acessado em 14 de janeiro de 2016.

MORIYÓN, F. G. (org.). Educação Libertária. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

NUNES, C. Quando a casa vira escola: a modernidade pedagógica no Brasil. In: MONTEIRO, A. M.; GASPARELLO, A. M.; MAGALHÃES, M. de S. Ensino de História: sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad, 2009.

PARO, V. H.; FERRETTI, C. J.; VIANNA, C. P. e SOUZA, D.T. Escola de Tempo Integral: desafio para o Ensino Público. São Paulo. Cortez: Autores Associados, 1988.

TEIXEIRA, A. Centro Educacional Carneiro Ribeiro. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. 31, n. 73, p. 78-84, jan./mar. 1959.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.