A formação moral e cívica das crianças brasileiras na Primeira República pela prática da leitura de livros infantis: uma análise de contos pátrios (1904)

Palavras-chave: Educação. História da educação. Livros infantis. Contos pátrios.

Resumo

O artigo enfatiza o papel dos livros infantis publicados na Primeira República (1889-1930), no Brasil, para a formação moral e cívica das crianças. Para tanto, discorremos sobre o contexto histórico, em que os livros foram publicados,com ênfase na análise do livroContos Pátrios(1904), de Olavo Bilac (1865-1918) e Coelho Neto (1864-1934), para a compreensão da proposta de educação das crianças brasileiras. Nos anos finais do século XIX, a República se instaurou e a industrializaçãose fortalecia. Nesse contexto, a educação se destacou, tornando-se responsável por preparar o cidadão eleitor, o trabalhador nacional e legitimar o novo regime, cultivando o sentimento de nacionalidade. Por isso, ela começou a ser alvo de discussões e projetos para que se adequasse as necessidades do período. Os livros infantisforam publicados para atender a demanda por material de leitura para as crianças no país e estavam em consonância com o projeto republicano de educação. Contos Pátrios é um exemplo desse material de leitura escolar: buscava desenvolver na criança sentimentos patrióticos e nacionalistas, como amor à pátria, amor ao próximo e à família, mostrava suas responsabilidades, como ser o provedor da família (garotos), e de protetora e daquela que cuida e zela pela família (meninas). 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Gomes Machado, Universidade Estadual de Maringá
Doutora em Filosofia e História da Educação (UNICAMP). Docente do Departamento de Fundamentos da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá.
Laís Pacifico Martineli, Universidade Estadual de Maringá

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Referências

ARROYO, Leonardo. Literatura infantil brasileira. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

BIGNOTTO, Cilza Carla. Personagens infantis da obra para crianças e da obra para adultos de Monteiro Lobato: convergências e divergências. 1999. 166 f. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária)– Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1999. Orientador, Marisa Philbert Lajolo.

BILAC, Olavo; COELHO NETO, Henrique, Maximiliano. Contos pátrios.Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1929.

CARVALHO, Bárbara Vasconcelos de. A literatura infantil: visão histórica e crítica.São Paulo: Edart, 1982.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna, 2000.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Editora da USP, 1999.

HANSEN, Patrícia Santos. Brasil, um país novo: literatura cívico-pedagógica e a construção de um ideal de infância brasileira na Primeira República. 2004. 253 f. Tese (Doutorado em História)-Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura infantil brasileira: história & histórias. São Paulo: Ática, 1999.

LEMME, Paschoal. O Manifesto dos pioneiros da educação nova e suas repercussões na realidade educacional brasileira. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 86, n. 212, jan./abr. 2005.

LOBATO, Monteiro. A barca de Gleyre: tomo 1. São Paulo: Editora Brasiliense, 1964a.

LOBATO, Monteiro. A barca de Gleyre: tomo 2. São Paulo: Editora Brasiliense, 1964b.

LOBATO, Monteiro. Conferências, artigos e crônicas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1964c.

MACHADO, Maria Cristina Gomes; CARVALHO, Carlos Henrique de. O legado do Manifesto de 1932 à educação brasileira: os desafios persistem. Revista Educação em Questão, Natal, v. 51, n. 37, p. 175-194, jan./abr. 2015. Disponível em: < https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/7176 >. Acesso em: 26 maio 2017.

MACHADO, Maria Cristina Gomes. Manifesto dos pioneiros da educação nova (1932) e a construção do sistema nacional de ensino no Brasil. In. ROSSI, Ednéia Regina; RODRIGUES, Elaine; NEVES, Fátima Maria (Org.). Fundamentos históricos da educação no Brasil. Maringá: EdUEM, 2009. p. 103-120.

MARTINELI, Laís Pacifico. Monteiro Lobato e a educação: da crítica à produção de uma nova literatura infantil brasileira. 2014.199 f. Dissertação (Mestrado em Educação)-Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2014. Orientador: Maria Cristina Gomes Machado.

ROSSI, Ednéia Regina. O projeto de educação da modernidade e a constituição da identidade da nação brasileira na Primeira República (1889-1929). In. ROSSI, Ednéia Regina; RODRIGUES, Elaine; NEVES, Fátima Maria (Org.). Fundamentos históricos da educação no Brasil. Maringá: EdUEM, 2009. p. 89-102.

SOARES, Gabriela Pellegrino. Semear horizontes: uma história de formação de leitores na Argentina e no Brasil (1915-1954). Belo horizonte: Editora UFMG, 2007.

SOUZA, Rosa Fátima. Espaço da educação e da civilização: origens dos grupos escolares no Brasil. In: ALMEIDA, Jane, Soares de; SAVIANI, Dermeval; SOUZA, Rosa, Fátima de; VALDEMARIN, Vera, Teresa. O legado educacional do século XIX. Campinas, SP: Autores Associados, 2006. p. 35-83.

SOUZA, Rosa Fátima. Lições da escola primária. In: ALMEIDA Jane Soares de; SAVIANI, Dermeval; SOUZA, Rosa Fátima de; VALDEMARIN, Vera Teresa. O legado educacional do século XX no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2004. (Coleção Educação Contemporânea). p. 109-161.

VIEIRA, Cleber Santos. Civismo, república e manuais escolares. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 32, n. 63, p. 325-340, jun. 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbh/v32n63/15.pdf >. Acesso em: 25 maio 2017.

ZILBERMAN, Regina; LAJOLO, Marisa. Um Brasil para crianças: para conhecer a literatura infantil brasileira: histórias autores e textos.São Paulo: Global, 1993.

Publicado
2017-10-20
Como Citar
Machado, M. C. G., & Martineli, L. P. (2017). A formação moral e cívica das crianças brasileiras na Primeira República pela prática da leitura de livros infantis: uma análise de contos pátrios (1904). Revista HISTEDBR On-Line, 17(2), 511-533. https://doi.org/10.20396/rho.v17i2.8650408
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)