Crítica às políticas de (con)formação docente em educação especial/inclusiva no Brasil

  • Ivone Rodrigues dos Santos Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Aparecida de Goiânia
  • Régis Henrique dos Reis Silva Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Política educacional. Formação de professores. Educação especial/inclusiva. Pedagogia histórico-crítica. Psicologia histórico-cultural.

Resumo

Este texto examina as (im)possibilidades que a Política Educacional aponta para a (con)formação de professores que atuam no campo da Educação Especial/Inclusiva no Brasil. Para tanto, discute as implicações e recomendações que o contexto neoliberal delineia para o campo da produção do conhecimento, ressaltando que, ao ser orientado por uma pedagogia de base produtivista, as políticas de formação de professores apresentam ênfase em estratégias e metodologias esvaziadas de caráter formativo, utilizando-se de mecanismos e procedimentos utilitaristas que visam (con)formar os profissionais aos interesses capitalistas. Tal estratégia gera, além da precarização do trabalho docente, alienação, empobrecimento e esvaziamento de si e do educando. Consubstanciado nos pressupostos teóricos da pedagogia histórico-crítica e da psicologia histórico-cultural, concluímos que a formação profissional do ser humano deve ser fundamentada por um direcionamento teórico-prático que o permita perceber o processo e compreender-se como constituinte dele, de forma que, mesmo inserido em relações alienadas, consiga abolir os entraves que a forma de organização social capitalista vem impondo ao seu desenvolvimento e a sua formação plenamente livre e universal. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivone Rodrigues dos Santos, Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Aparecida de Goiânia
Psicóloga (Bacharelado e Licenciatura) pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás PUC/GO. Pedagoga pela Universidade Estadual de Goiás (UEG/GO). Mestre em Educação pela Universidade Federal de Goiás (UFG/GO). Professora efetiva na Rede Estadual de Educação (Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte - SEDUCE/GO), atuando como coordenadora pedagógica no Colégio Estadual CPMG - Unidade Mansões Paraíso. 
Régis Henrique dos Reis Silva, Universidade Estadual de Campinas
Doutor em Filosofia e História da Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Professor da Universidade Estadual de Campinas (FE/Unicamp), do Departamento de Filosofia e História da Educação.

Referências

ABRANTES, A. A.; MARTINS, L. M. A produção do conhecimento cientifico: relação sujeito-objeto e desenvolvimento do pensamento. Interface [online], Botucatu, v. 11, n. 22, p. 313-325. 2007. Disponível em: < http://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1414-32832007000200010&script=sci_abstrac >. Acesso em: 14 fev. 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2017. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/#/site/base/o-que >. Acesso em: 10 jul. 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica. Resolução nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui diretrizes operacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações para Implementação da Política de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2015. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=down load&alias=17237-secadi-documento-subsidiario-2015&Itemid=30192 >. Acesso em: 23 fev. 2017.

BRASIL. Nota Técnica nº 11, de 07 de maio de 2010. Orientações para a Institucionalização na Escola, da oferta do Atendimento Educacional Especializado – AEE em Sala de Recursos Multifuncionais. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2010.

CNTE DIVULGA nota contra a BNCC. Avaliação educacional – blog do Freitas, 7 jul. 2017. A confederação Nacional dos Trabalhadores em educação divulgou nota para explicar porque é contra a Base Nacional Comum Curricular do MEC. Disponivel em: < https://avaliacaoeducacional.com/2017/07/07/cnte-divulga-nota-contra-a-bncc/. >. Acesso em: 13 jul. 2017.

CURY, C. R. J. A globalização e os desafios para os sistemas nacionais: agenda internacional e práticas educacionais nacionais. RBPAE, v. 33, n. 1, p. 15-34, jan./abr. 2017.

DUARTE, N. A Individualidade Para-Si: contribuição a uma teoria histórico-social da formação do indivíduo. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

DUARTE, N. Fundamentos da pedagogia histórico-crítica: a formação do ser humano na sociedade comunista como referência para a educação contemporânea. In: A. C. G. MARSIGLIA (Org.). Pedagogia histórico-crítica: 30 anos. Campinas: Autores Associados, 2011. p. 7-21

FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educ. Soc., Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, out./dez. 2014.

GARCIA, R. M. C. Políticas para a educação especial e as formas organizativas do trabalho pedagógico. Rev. Bras. de Ed. Esp., Marília, v. 12, n. 3, set./dez. 2006, p. 299-316.

GENTILI, P. (Org.). Globalização excludente: desigualdade, exclusão e democracia na Nova Ordem Mundial. Petrópolis: Vozes, 2001.

GENTILI, P. (Org.). Pedagogia da exclusão. Crítica ao neoliberalismo em educação. 18. ed. Petrópoles: Vozes, 2011.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LIMONTA, S. V.; SILVA, K. A. C. P. C. Formação de professores, trabalho docente e qualidade do ensino. In: LIBÂNEO, J. C.; SUANNO, M. V. R.; LIMONTA, S. V. Qualidade da escola pública: políticas educacionais, didática e formação de professores. Goiânia: CEPED; América, 2013. p. 173-188.

MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. São Paulo: Cortez, 1991.

MARTINS, L. M. Fundamentos da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. In: PAGNONCELLI, C.; MALANCHEN, J.; MATOS, N. S. D. (Org.). O trabalho pedagógico nas disciplinas escolares: contribuições a partir dos fundamentos da pedagogia histórico-crítica. Uberlândia: Navegando Publicações, 2016. p. 49-93.

MARTINS, L. M. O legado do século XX para a formação de professores. In: MARTINS, L. M.; DUARTE, N. (Org.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

MICHELS, M. H.; CARNEIRO, M. S. C.; GARCIA, R. M. C. A articulação entre serviço especializado e classe comum: A organização curricular frente a um modelo inclusivo. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 8, 2010, Londrina-PR. Anais Eletrônicos... Londrina: ANPED/SUL, 2010. p. 1-16.

MORAES, M. C. M. Recuo da teoria: dilemas na pesquisa em educação. Revista Portuguesa de Educação, Universidade do Minho, Portugal, v. 14, n. 1, 2001.

PRIETO, R. G. Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação no Brasil. In: ARANTES, V. A. Inclusão Escolar. Pontos e Contrapontos. São Paulo: Summus, 2006. p. 31-73.

SANTOS, I. R. Bases teórico-pedagógicas do atendimento educacional especializado das redes públicas municipais de Aparecida de Goiânia/GO e Cascavel/PR. 2016. 234 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

SANTOS, I. R.; SILVA, R. H. dos R. Implicações da política de educação especial na construção da identidade docente. Revista Crítica Educativa, Sorocaba, v. 1, n. 2, p. 52 – 65 jul./dez. 2015.

SAVIANI, D. As concepções pedagógicas na história da educação brasileira. Campinas, UNICAMP, Projeto “20 anos do HISTEDBR”. 2005. Disponível em: < http://www.joinville.udesc.br/portal/professores/maria/index.php?pg=materiais >. Acesso em: 12 dez. 2014.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2013a.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2013b.

SHIROMA, E. O. O eufemismo da profissionalização. In: MORAES, M. C. M. (Org.). Iluminismo às avessas. Produção do conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003b. p. 61-79.

SHIROMA, E. O. Política de profissionalização: aprimoramento ou desintelectualização do professor? Intermeio, Campo Grande, v. 9, n. 17, p. 64-83, 2003a.

SILVA, R. H. dos R. Contribuições da pedagogia histórico-crítica para a educação especial brasileira. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 58, p. 78-89, set. 2014.

VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas: fundamentos de defectologia. Tomo V. Habana: Pueblo y Educación, 1997.

Publicado
2017-12-13
Como Citar
Santos, I. R. dos, & Silva, R. H. dos R. (2017). Crítica às políticas de (con)formação docente em educação especial/inclusiva no Brasil. Revista HISTEDBR On-Line, 17(3), 906-924. https://doi.org/10.20396/rho.v17i3.8650918
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>