Infância: desaparecimento ou metamorfose?

Palavras-chave: Crianças. Adultos. Infância. Escola.

Resumo

O presente artigo dedica-se ao tema da infância. Resulta de pesquisa teórica de natureza qualitativa com o objetivo de problematizar o surgimento do conceito de infância e seu possível desaparecimento ou metamorfose no cenário contemporâneo. Fala-se do aparecimento da infância como um conceito criado a partir da modernidade e que estaria desaparecendo diante das transformações pelas quais passa a sociedade contemporânea. Crianças sempre existiram ao longo da história, no entanto, foram tratadas segundo os modelos sociais e as características de cada sociedade e época. Decorre daí o conceito de infância, que passa a ser interpretado e visto segundo a forma como as crianças são culturalmente percebidas. Refletir sobre a infância torna-se um mecanismo de interação profícuo para discutir a realidade das crianças na atualidade e assim entender qual é o papel da escola em um mundo de significados produzidos nas mediações e articulações sociais. O texto dá visibilidade à discussão da relação tensa entre adulto e criança, autoridade e autonomia, participação e imitação das crianças, que implica experiências com as diferenças entre crianças e adultos na cultura da circularidade digital, retomando e estimulando a construção conjunta no cotidiano escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arnaldo Nogaro, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões
Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pró-Reitor de Ensino e professor titular dos cursos de graduação e pós-graduação da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI). 
Hildegard Susana Jung, Universidade La Salle
Doutorado em Educação na Universidade La Salle (UNILASALLE). Docente do Curso de Pedagogia na Universidade La Salle (UNILASALLE). 
Elaine Conte, Universidade La Salle

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade La Salle (UNILASALLE). Pesquisadora do CNPq e da FAPERGS.  

Referências

AGOSTINHO, S. Confissões. São Paulo: Paulus, 1997.

ANDRADE, L. B. P. Educação infantil: discurso, legislação e práticas institucionais [online]. São Paulo: UNESP; Cultura Acadêmica, 2010. Disponível em: http://books.scielo.org. Acesso em: 18 jul. 2018.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BARBOSA, M. C. S. Fragmentos sobre a rotinização da infância. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 25 n. 1, p. 93-113, jan./jun. 2000.

BAUMAN, Z. Tempos Líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BAUMAN, Z. Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BONA, V. de. Tecnologia e infância: ser criança na contemporaneidade. 2010. 144 f. Dissertação (Mestrado em educação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a educação infantil. Brasília, DF: MEC; SEF 1998. 3 v. (Introdução, v. 1; Formação pessoal e social, v. 2; Conhecimento de mundo, v. 3).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela alfabetização na idade certa. Brasília: MEC; SEB, 2015. (A criança no ciclo de alfabetização, caderno 02).

BUJES, M. I. E. Infância e risco. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 157-174, set./dez. 2010.

CAMBI. F. História da pedagogia. Trad. Álvaro Lorencini. São Paulo: UNESP, 1999.

COREA, C.; LEWKOWICZ, I. ¿Se acabó la infancia? Ensayo sobre la destitución de la niñez. Buenos Aires, Argentina: Lumen-Humanitas, 1999.

FARIA, A. L. G.; DEMARTINI, Z. B. F.; PRADO, P. D. Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. São Paulo: Autores Associados, 2005.

FERREIRA, M. Do “avesso” do brincar ou... as relações entre pares, as rotinas da cultura infantil e a construção da (s) ordem(ens) social(ais) instituinte (s) das crianças no jardim-de-infância. In: SARMENTO, M. J.; CERISARA, A. B. (Org.). Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Santa Rita de Azóia, Portugal: ASA, 2004.

FRIEDMANN, A. O olhar antropológico por dentro da infância: adentrando nas casinhas das crianças. In: MEIRELES, R. (Org.). Território do brincar: diálogo com escolas. São Paulo: Instituto Alana, 2015.

GHIRARDELLI JUNIOR, P. As concepções de infância e as teorias educacionais modernas e contemporâneas. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 45-58, jan./jun. 2000.

JAVEAU, C. Criança, infância (s), crianças: que objetivo dar a uma ciência social da infância? Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 379-389, maio/ago. 2005.

KOHAN, W. O. Vida e morte da infância, entre o humano e o inumano. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 125-138, set./dez. 2010.

KRAMER, S. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. São Paulo: Cortez, 1995.

LYOTARD, J. O Pós-Moderno. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.

MARÍN-DIAZ, D. L. Morte da infância Moderna ou construção da quimera infantil? Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 193-211, set./dez. 2010.

MARTINS FILHO, J. Quem cuidará das crianças? A difícil tarefa de educar os filhos hoje. Campinas, SP: Papirus, 2011.

MUNIZ, L. Naturalmente criança: a educação infantil de uma perspectiva sociocultural. In: KRAMER, S. et al. (Org.). Infância e educação infantil. 6. ed. Campinas, SP: Papirus, 1999. p. 243-268.

PINHEIRO, M. M. Concepções de infância e educação infantil que permeiam a prática docente. 2008. 122 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.

PINTO, M.; SARMENTO, M. J. (Coord.). As crianças: contextos e identidades. Braga: Universidade do Minho, 1997.

PLATÃO. Diálogos. São Paulo: Abril Cultural, 1996.

POSTMAN, N. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.

QVORTRUP, J. A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 631-643, maio/ago. 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ep/article/view/28253. Acesso em: 03 nov. 2015.

ROUSSEAU, J. Emílio ou da educação. Tradução Sérgio Milliet. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

SIBILIA, P. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

Publicado
2018-09-28
Como Citar
Nogaro, A., Jung, H. S., & Conte, E. (2018). Infância: desaparecimento ou metamorfose?. Revista HISTEDBR On-Line, 18(3), 745-765. https://doi.org/10.20396/rho.v18i3.8652022
Seção
Artigos