Raízes de ébano: educação como caminho da liberdade no cinema

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v18i3.8652200

Palavras-chave:

Afrodescedentes. Leitura. Escrita. Cinema. Educação.

Resumo

Este trabalho procura analisar os significados da educação a partir de um conjunto de filmes protagonizados por personagens afrodescendentes, nos Estados Unidos e no Brasil. O texto defende que a palavra escrita tem muita força, agindo como instrumento de transformação na experiência de homens e mulheres em situações de opressão. No que se refere aos aportes teóricos, o artigo dialoga com as contribuições de Davis (2016; 2017; 2018), Hooks (2017; 1995), Ferro (1992), dentre outros. E conclui que a educação e os usos da palavra escrita são caminhos para a emancipação. Assim, em tempos de relações fluídas, permeadas pela virtualidade e pela égide das redes sociais e da superficialidade, a História da Educação tem importante papel ao promover a reflexão crítica, além de combater preconceitos e estereótipos na luta por um mundo mais justo e igualitário. Nesse contexto de resistência, o cinema é um aliado e fonte de conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandra Lima da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), com período sanduíche financiado pela CAPES na Universidad de Alcalá (UAH). Professora adjunta na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). 

Referências

ANOS de escravidão. Direção: Steve McQueen. Estados Unidos; Reino Unido: Plan B, 2013. 1 DVD, (134 min).

A COR púrpura. Direção: Steven Spielberg. Estados Unidos: Amblin Entertainment; The Warner Bros, 1985. 1 DVD, (154 min).

ALLEN, W. R.; GRIFFIN, E. K. Towards a brighter tomorrow: collge barriers, hopes and plans of black, latino/a and asian american students in California. Charlotte, NC: Information Age Publishing, 2009.

ARAUJO, J. Z. A negação do Brasil. São Paulo: SENAC, 2000.

AVISEM que estamos chegando. Direção: Stanley Nelson. Estados Unidos: Firelight Films, 2017. 1 DVD, (85 min).

BARROS, S. A. P. Negrinhos que por ahi andão: escolarização da população negra em São Paulo (1870-1920). 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

BARROS, S. Universo letrado, educação e população negra na Parahyba do Norte (Século XIX). São Paulo: Ed. da USP, 2017.

BLASSINGAME, J. Slave testimony: two centuries of letters, speeches, interviews and autobiographies. Louisiana State: Univ. Press, 1977.

BLY, A. Pretends he can read: Runaways and literacy in Colonial America, 1730-1776. Early American Studies, 2008.

CAFÉ com canela. Direção: Ary Rosa e Glenda Nicacio. Brasil, 2017. 1 DVD, (102 min).

CASTILLO GÓMEZ, A. “Del tratado a la práctica. La escritura epistolar en los siglos XVI y XVII”. In: SAÉZ, C.; CASTILLO GÓMEZ, A. (Ed.). La correspondencia en la historia: modelos y prácticas de la escritura epistolar. Madrid: Calambur, 2002. p. 79-108

CONKLIN, G. The science fiction galaxy. New York: Permabooks, 1950.

CORNELIUS, J. When i can read my title clear: literacy, slavery, and religion in the antebellum south. Columbia: University of South Carolina Press, 1991.

DÁVILA, J. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil 1917-1945. São Paulo: Ed. da UNESP, 2006.

DAVIS, A. A liberdade é uma luta constante. São Paulo: Boitempo, 2018.

DAVIS, A. Mulheres, cultura e política. São Paulo: Boitempo, 2017.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FELIPE, D. A. Narrativas para alteridade: o cinema na formação de professores e professoras para o ensino de história e cultura afrobrasileira e africana na educação básica. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Paraná, 2009.

FERRO, M. Cinema e história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FIGUEIREDO, C. Admirável comunicação nova: um estudo sobre a comunicação nas distopias literárias. 2011. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

FONSECA, M. V. Pretos, pardos, crioulos e cabras nas escolas mineiras do século XIX. 2007. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

GASMAN, M. The role of faculty in fundraising at black colleges: what is it and what can it become? International Journal of Educational Advancement, n. 5, v. 2, p. 171-179, 2005.

GINZBURG, C. O fio e os rastros. Verdadeiro, falso, fictício. Tradução de Rosa Freire d'Aguiar e Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes. O cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Cia das Letras, 1987.

GLEDHILL, S. Travessias racialistas no Atlântico negro: reflexões sobre Booker T. Washington e Manuel R. Querino. 2014. Tese (Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

HAGER, C. Word by word: emancipation and the act of writing. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2013.

HISTÓRIAS cruzadas. Direção: Tate Taylor. Estados Unidos: Walt Disney Studios, 2011. 1 DVD, (137 min).

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

HOOKS, B. Intelectuais negras. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464-478, 1995.

JESUS, R. E. Diversidade étnico-racial no Brasil: os desafios à Lei nº 10.639, de 2003. Revista retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 13, p. 399-412, jul./dez. 2013. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/viewFile/314/484. Acesso em: 18 dez. 2017.

LEAL, M. G. Manuel Querino: entre letras e lutas na Bahia. São Paulo: Annablume, 2009.

MAC CORD, M.; ARAÚJO, C.; GOMES, F. Rascunhos cativos: educação, escolas e ensino no Brasil escravista. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017.

MENINO 23: infâncias perdidas no Brasil. Direção: Belisario Franca. Brasil: Globo Filmes, 2016. 1 DVD, (80 min).

MONAGHAN, E. Learning to read and write in Colonial America. Massachusetts: University of Massachusetts Press, 2007.

MONAGHAN, E. Reading for the enslaved, writing for the free: refletions on liberty and literacy. Worcester: American Antiquarian Society, 2000.

NORTHUP, S. Doze anos de escravidão: a história real de Solomom Northup. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

O DIA de Jerusa. Direção: Viviane Ferreira. Brasil: Odun, 2014. (20 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7y9aNEoS7YA. Acesso em: 11 set. 2018.

O NASCIMENTO de uma nação. Direção: D. W. Griffith. Roteiro: D. W. Griffith e Frank E. Woods. Estados Unidos: Century, 1915. (193 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=I3kmVgQHIEY. Acesso em: 11 set. 2018.

O NASCIMENTO de uma nação. Direção: Nate Parker. Estados Unidos: Bron Studios, 2016. 1 DVD, (120 min).

QUANTO vale ou é por quilo? Direção: Sergio Bianchi. Brasil, 2005. 1 DVD, (104 min).

RIBEIRO, B.; CARVALHO, C. H.; SOUZA, S. (Org.). Cinema e ensino de história da educação. Campinas: Alínea, 2013.

SANDERS, C. A. Chance for change: head start and mississippi’s black freedom struggle. United States: University of North Carolina Press, 2016.

SARLO, B. A história contra o esquecimento. In: SARLO, B. Paisagens imaginárias. São Paulo: Ed. da EDUSP, 1997.

SCHUELER, A.; RIZZINI, I. Hemetério José dos Santos: professor e intelectual negro nas disputas pela educação na cidade do Rio de Janeiro. In: MAC CORD, M.; GOMES, F. (Org.). Rascunhos cativos. Educação, escolas e ensino no Brasil escravista. 1. ed. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017. p. 77-99.

SCHUELER, A. Trajetórias cruzadas e ação docente em luta por educação: André Rebouças, José do Patrocínio e Manuel Querino. In: FONSECA, M. V.; BARROS, S. (Org.). A história da educação dos negros no Brasil. 1. ed. Niterói, RJ: Ed. da EDUFF, 2016. p. 191-216.

SHARPE, J. “A história vista de baixo”. In: BURKE, P. (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Ed. da UNESP, 1992.

SILVA, A. L. O saber que se anuncia: o poder da palavra em tempos de escravidão. Revista Brasileira de História da Educação, v. 18, p. 1-29, 2018.

SILVA, A. M. P. Aprender com perfeição: escolarização e construção da liberdade na Corte na primeira metade do século XIX. Brasília: Plano, 2000.

SILVA, L. dos. S. ‘Etymologias preto’: Hemetério José dos Santos e as questões raciais de seu tempo (1888-1920). 2015. 150 f. Dissertação (Mestrado em Relações Etnicorraciais) – Centro Federal de educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, 2015.

STYRON, W. As confissões de Nat Turner (biografia). São Paulo: Expressão e Cultura, 1968.

TENDA dos milagres. Direção: Nelson Pereira dos Santos. Rio de Janeiro: Regina Filmes; Embrafilme, 1977. 1 DVD (132 min).

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa III. A força dos trabalhadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

THOMPSON, E. P. O termo ausente: experiência. In:THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

VEIGA, C. G. Escola pública para os negros e os pobres no Brasil: uma invenção imperial. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 39, p. 502-516, 2008.

VIDA de menina. Direção: Helena Solberg. Brasil: Radioarte, 2004. 1 DVD, (101 min).

VINCENT-BUFFAUT, A. Da amizade: uma história do exercício da amizade nos séculos XVIII e XIX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

WAITE, C.; CROCCO, M. Fighting injustice through education. History of Education, v. 33, n. 5, p. 573-583, Sep. 2004.

WILLIAMS, H. Self-Taught: african american education in slavery and freedom. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 2005.

Downloads

Publicado

2018-09-28

Como Citar

SILVA, A. L. da. Raízes de ébano: educação como caminho da liberdade no cinema. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 18, n. 3, p. 884–901, 2018. DOI: 10.20396/rho.v18i3.8652200. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8652200. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos