Banner Portal
Raízes de ébano: educação como caminho da liberdade no cinema
PDF

Palavras-chave

Afrodescedentes. Leitura. Escrita. Cinema. Educação.

Como Citar

SILVA, Alexandra Lima da. Raízes de ébano: educação como caminho da liberdade no cinema. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 18, n. 3, p. 884–901, 2018. DOI: 10.20396/rho.v18i3.8652200. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8652200. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

Este trabalho procura analisar os significados da educação a partir de um conjunto de filmes protagonizados por personagens afrodescendentes, nos Estados Unidos e no Brasil. O texto defende que a palavra escrita tem muita força, agindo como instrumento de transformação na experiência de homens e mulheres em situações de opressão. No que se refere aos aportes teóricos, o artigo dialoga com as contribuições de Davis (2016; 2017; 2018), Hooks (2017; 1995), Ferro (1992), dentre outros. E conclui que a educação e os usos da palavra escrita são caminhos para a emancipação. Assim, em tempos de relações fluídas, permeadas pela virtualidade e pela égide das redes sociais e da superficialidade, a História da Educação tem importante papel ao promover a reflexão crítica, além de combater preconceitos e estereótipos na luta por um mundo mais justo e igualitário. Nesse contexto de resistência, o cinema é um aliado e fonte de conhecimento.

https://doi.org/10.20396/rho.v18i3.8652200
PDF

Referências

ANOS de escravidão. Direção: Steve McQueen. Estados Unidos; Reino Unido: Plan B, 2013. 1 DVD, (134 min).

A COR púrpura. Direção: Steven Spielberg. Estados Unidos: Amblin Entertainment; The Warner Bros, 1985. 1 DVD, (154 min).

ALLEN, W. R.; GRIFFIN, E. K. Towards a brighter tomorrow: collge barriers, hopes and plans of black, latino/a and asian american students in California. Charlotte, NC: Information Age Publishing, 2009.

ARAUJO, J. Z. A negação do Brasil. São Paulo: SENAC, 2000.

AVISEM que estamos chegando. Direção: Stanley Nelson. Estados Unidos: Firelight Films, 2017. 1 DVD, (85 min).

BARROS, S. A. P. Negrinhos que por ahi andão: escolarização da população negra em São Paulo (1870-1920). 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

BARROS, S. Universo letrado, educação e população negra na Parahyba do Norte (Século XIX). São Paulo: Ed. da USP, 2017.

BLASSINGAME, J. Slave testimony: two centuries of letters, speeches, interviews and autobiographies. Louisiana State: Univ. Press, 1977.

BLY, A. Pretends he can read: Runaways and literacy in Colonial America, 1730-1776. Early American Studies, 2008.

CAFÉ com canela. Direção: Ary Rosa e Glenda Nicacio. Brasil, 2017. 1 DVD, (102 min).

CASTILLO GÓMEZ, A. “Del tratado a la práctica. La escritura epistolar en los siglos XVI y XVII”. In: SAÉZ, C.; CASTILLO GÓMEZ, A. (Ed.). La correspondencia en la historia: modelos y prácticas de la escritura epistolar. Madrid: Calambur, 2002. p. 79-108

CONKLIN, G. The science fiction galaxy. New York: Permabooks, 1950.

CORNELIUS, J. When i can read my title clear: literacy, slavery, and religion in the antebellum south. Columbia: University of South Carolina Press, 1991.

DÁVILA, J. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil 1917-1945. São Paulo: Ed. da UNESP, 2006.

DAVIS, A. A liberdade é uma luta constante. São Paulo: Boitempo, 2018.

DAVIS, A. Mulheres, cultura e política. São Paulo: Boitempo, 2017.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FELIPE, D. A. Narrativas para alteridade: o cinema na formação de professores e professoras para o ensino de história e cultura afrobrasileira e africana na educação básica. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Paraná, 2009.

FERRO, M. Cinema e história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FIGUEIREDO, C. Admirável comunicação nova: um estudo sobre a comunicação nas distopias literárias. 2011. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

FONSECA, M. V. Pretos, pardos, crioulos e cabras nas escolas mineiras do século XIX. 2007. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

GASMAN, M. The role of faculty in fundraising at black colleges: what is it and what can it become? International Journal of Educational Advancement, n. 5, v. 2, p. 171-179, 2005.

GINZBURG, C. O fio e os rastros. Verdadeiro, falso, fictício. Tradução de Rosa Freire d'Aguiar e Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes. O cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Cia das Letras, 1987.

GLEDHILL, S. Travessias racialistas no Atlântico negro: reflexões sobre Booker T. Washington e Manuel R. Querino. 2014. Tese (Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

HAGER, C. Word by word: emancipation and the act of writing. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2013.

HISTÓRIAS cruzadas. Direção: Tate Taylor. Estados Unidos: Walt Disney Studios, 2011. 1 DVD, (137 min).

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

HOOKS, B. Intelectuais negras. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464-478, 1995.

JESUS, R. E. Diversidade étnico-racial no Brasil: os desafios à Lei nº 10.639, de 2003. Revista retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 13, p. 399-412, jul./dez. 2013. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/viewFile/314/484. Acesso em: 18 dez. 2017.

LEAL, M. G. Manuel Querino: entre letras e lutas na Bahia. São Paulo: Annablume, 2009.

MAC CORD, M.; ARAÚJO, C.; GOMES, F. Rascunhos cativos: educação, escolas e ensino no Brasil escravista. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017.

MENINO 23: infâncias perdidas no Brasil. Direção: Belisario Franca. Brasil: Globo Filmes, 2016. 1 DVD, (80 min).

MONAGHAN, E. Learning to read and write in Colonial America. Massachusetts: University of Massachusetts Press, 2007.

MONAGHAN, E. Reading for the enslaved, writing for the free: refletions on liberty and literacy. Worcester: American Antiquarian Society, 2000.

NORTHUP, S. Doze anos de escravidão: a história real de Solomom Northup. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

O DIA de Jerusa. Direção: Viviane Ferreira. Brasil: Odun, 2014. (20 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7y9aNEoS7YA. Acesso em: 11 set. 2018.

O NASCIMENTO de uma nação. Direção: D. W. Griffith. Roteiro: D. W. Griffith e Frank E. Woods. Estados Unidos: Century, 1915. (193 min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=I3kmVgQHIEY. Acesso em: 11 set. 2018.

O NASCIMENTO de uma nação. Direção: Nate Parker. Estados Unidos: Bron Studios, 2016. 1 DVD, (120 min).

QUANTO vale ou é por quilo? Direção: Sergio Bianchi. Brasil, 2005. 1 DVD, (104 min).

RIBEIRO, B.; CARVALHO, C. H.; SOUZA, S. (Org.). Cinema e ensino de história da educação. Campinas: Alínea, 2013.

SANDERS, C. A. Chance for change: head start and mississippi’s black freedom struggle. United States: University of North Carolina Press, 2016.

SARLO, B. A história contra o esquecimento. In: SARLO, B. Paisagens imaginárias. São Paulo: Ed. da EDUSP, 1997.

SCHUELER, A.; RIZZINI, I. Hemetério José dos Santos: professor e intelectual negro nas disputas pela educação na cidade do Rio de Janeiro. In: MAC CORD, M.; GOMES, F. (Org.). Rascunhos cativos. Educação, escolas e ensino no Brasil escravista. 1. ed. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017. p. 77-99.

SCHUELER, A. Trajetórias cruzadas e ação docente em luta por educação: André Rebouças, José do Patrocínio e Manuel Querino. In: FONSECA, M. V.; BARROS, S. (Org.). A história da educação dos negros no Brasil. 1. ed. Niterói, RJ: Ed. da EDUFF, 2016. p. 191-216.

SHARPE, J. “A história vista de baixo”. In: BURKE, P. (Org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Ed. da UNESP, 1992.

SILVA, A. L. O saber que se anuncia: o poder da palavra em tempos de escravidão. Revista Brasileira de História da Educação, v. 18, p. 1-29, 2018.

SILVA, A. M. P. Aprender com perfeição: escolarização e construção da liberdade na Corte na primeira metade do século XIX. Brasília: Plano, 2000.

SILVA, L. dos. S. ‘Etymologias preto’: Hemetério José dos Santos e as questões raciais de seu tempo (1888-1920). 2015. 150 f. Dissertação (Mestrado em Relações Etnicorraciais) – Centro Federal de educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Rio de Janeiro, 2015.

STYRON, W. As confissões de Nat Turner (biografia). São Paulo: Expressão e Cultura, 1968.

TENDA dos milagres. Direção: Nelson Pereira dos Santos. Rio de Janeiro: Regina Filmes; Embrafilme, 1977. 1 DVD (132 min).

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa III. A força dos trabalhadores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

THOMPSON, E. P. O termo ausente: experiência. In:THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

VEIGA, C. G. Escola pública para os negros e os pobres no Brasil: uma invenção imperial. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 39, p. 502-516, 2008.

VIDA de menina. Direção: Helena Solberg. Brasil: Radioarte, 2004. 1 DVD, (101 min).

VINCENT-BUFFAUT, A. Da amizade: uma história do exercício da amizade nos séculos XVIII e XIX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

WAITE, C.; CROCCO, M. Fighting injustice through education. History of Education, v. 33, n. 5, p. 573-583, Sep. 2004.

WILLIAMS, H. Self-Taught: african american education in slavery and freedom. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 2005.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.