A (re)invenção da boa mãe em um manual de puericultura no Brasil dos anos de 1930

Palavras-chave: Maternidade, Gênero, Educação em saúde

Resumo

Inspirados nos estudos foucaultianos, analisamos a noção de boa mãe em um manual de puericultura, da década de 30 do século XX, intitulado “O Livro das Mamães: noções de puericultura”. Buscamos conhecer os discursos da medicina, que operam como pedagogias da vida ou biopedagogias. Assim, selecionamos trechos do livro que funcionam como discursos verdadeiros. A análise nos revelou que tais biopedagogias articulam a educação em saúde aos supostos papéis do gênero da mulher, sobretudo a noção de boa mãe. Assim, as prescrições para a boa mãe mantêm, no supostamente natural, um modelo de organização do social, onde o gênero atua como marcador dos lugares que as mulheres deveriam ocupar naquela sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Morando, Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Mestrado em Educação em Ciências Quìmica da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Técnico laboratorial do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS). 

Nadia Geisa Silveira de Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Referências

ALMEIDA JUNIOR, A.; MURSA, M. O livro das mamães: noções de puericultura. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1933.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1980.

BUTLER, J. problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: (para além do estruturalismo e da hermenêutica). CARRERO, V. P. (org.). Rio de Janeiro: Universitária, 1995. p. 231-239.

FISCHER, R. M. B. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, n. 114, p. 197-223, nov. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n114/a09 n114.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Aula inaugural no College de France. Pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Loyola, 1999a

FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau Ed. 1999b.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: Curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1977.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis, Vozes, 1987.

FREIRE, M. M. de. L. 'Ser mãe é uma ciência': mulheres, médicos e a construção da maternidade científica na década de 1920. Hist. cienc. saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, p. 153-171, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v15s0/08.pdf . Acesso em: 25 mar. 2018.

GANDINI, R. Almeida Júnior. Recife: Fundação Joaquim Nabuco: Massangana, 2010.

HARWOOD, V. Theorizing biopedagogies. In: WRIGHT, J.; HARWOOD, V. (ed.). Biopolitics and the ‘obesity epidemic – governing bodies. New York: Routledge, 2009. p. 15-31.

LIMA, A. L. G; VICENTE, B. C. Os conhecimentos sobre a maternidade e a experiência da maternidade: uma análise de discursos. Estilos da Clinica, v. 21, n. 1, p. 96-113, abr. 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/estic/v21n1/a06v 21n1.pdf . Acesso em: 26 mar. 2018.

LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LOURO. G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre a sexualidade e a teoria queer. Belo Horizonte: Autentica, 2013.

MEYER, D. E. E. As mamas como constituinte da maternidade: uma história do passado?. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 25. n. 2, p. ll7- 133, jul./dez. 2000. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealid ade/article/view/46838/29125. Acesso em: 26 mar. 2018.

NICHOLSON, L. Interpretando o gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 9-41, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/11917/ 11167. Acesso em: 26 mar. 2018.

PINTO, C. R. J. Elementos para uma análise de discurso político. Barbarói (UNISC), v. 24, p. 87-118, 2006. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/ barbaroi/article/view/821/605. Acesso em: 26 mar. 2018.

ROCHA, H. H. P. Inspecionando a escola e velando pela saúde das crianças. Educar em Revista, Curitiba, v. 25, n. 25, p. 91-109, 2005. Disponível em: http://www.scielo. br/pdf/er/n25/n25a07.pdf . Acesso em: 26 mar. 2018.

ROHDEN, F. Ginecologia, gênero e sexualidade na ciência do século XIX. Horizonte Antropológico, Porto Alegre, v. 8, n. 17, p. 101-125, jun. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ha/v8n17/19078.pdf. Acesso em: 26 mar. 2018.

RUBIN, G. O tráfico de mulheres: notas sobre a economia política dos sexos. Dabat. Recife: SOS CORPO - Gênero e Cidadania, 1975.

SANTOS, L. A. de. C. O pensamento sanitarista na Primeira República: uma ideologia de construção da nacionalidade. Dados. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 193-210, 1985. Disponível em: http://www.bvshistoria.coc.fiocruz.br /lildbi/docsonline/antologias/eh-594.pdf . Acesso em: 26 mar. 2018.

SCHIEBINGER, L. Mamíferos, primatologia e sexologia. In: PORTER, R.; TEICH, M. (org.). Conhecimento sexual, ciência sexual: a história das atitudes em relação à sexualidade. São Paulo: UNESP, 1998. p. 219-246.

SILVA, T. T. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T. T. da. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SOUZA, N. G. S. de. Discutindo práticas implicadas na produção do corpo. In: CAMOZZATO, V. C.; CARVALHO, R. S. de.; ANDRADE, P. D. de. (org.). Pedagogias culturais: a arte de produzir modos de ser e viver na contemporaneidade. Curitiba: Appris, 2016.

VEIGA-NETO, A. Coisas do governo. In: RAGO, M.; ORLANDI, L. B. L.; VEIGA-NETO, A. (org.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

VIVIANI, L. M. A disciplina biologia educacional e seus professores paulistas: diversidade de formação e de práticas profissionais. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 4, p. 85-102, jan./jun. 2010. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/ article/viewFile/2221/1892 . Acesso em: 26 mar. 2018.

VIVIANI, L. M.; BUENO, B. O. A biologia educacional nas escolas normais paulistas: uma disciplina da eficiência física e mental. Revista Portuguesa de Educação, v. 19, p. 43-65, 2006. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpe/v19n1/ v19n1a03.pdf . Acesso em: 26 mar. 2018.

VIVIANI, L. M; MARCHAN, G. S. Puericultura e produção de perfis de atuação feminina: dois manuais em análise. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 7., 2006, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: [s.n.], 2006.

WEEKS, J. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, G. L. (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

Publicado
2019-06-04
Como Citar
Morando, A., & Souza, N. G. S. de. (2019). A (re)invenção da boa mãe em um manual de puericultura no Brasil dos anos de 1930. Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019019. https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8652696