A ofensiva neoliberal e o pensamento reacionário-conservador na política educacional brasileira

Palavras-chave: Internalização. Neoliberalismo. Conservadorismo.

Resumo

Nesse trabalho são levantadas questões sobre as implicações da ofensiva neoliberal e do pensamento conservador no campo das políticas educacionais e seus desdobramentos para a educação escolar no Brasil. Para tanto, partimos de uma revisão bibliográfica que examina o papel que a educação escolar assume historicamente no capitalismo, buscando elucidar a relação entre as políticas educacionais pós anos 90 com as contradições, tensões e disputas próprias da sociedade de classes capitalista.  É analisado como norteador desse processo o conteúdo proposto na Base Nacional Comum Curricular, como documento normativo principal da organização do ensino escolar no Brasil, e sua articulação com o ideário neoliberal e a emergência do movimento Escola sem Partido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Izabel Lagoa, Universidade de São Paulo
Mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professora de Educação Infantil da Builders Educação Bilíngue (BUILDERS). 

Referências

APPLE, M. W. O que os pós-modernistas esquecem: capital cultural e conhecimento oficial. In: GENTILI, P.; SILVA, T. T. da. (org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. Rio de Janeiro: Vozes, 2015. p. 179-204.

ARCE, A. Compre o kit neoliberal para a educação infantil e ganhe grátis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Educação & Sociedade, v. 22, n. 74, p. 251-283, 2001.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 10 jan. 2018.

DUARTE, N. Educação escolar, teoria do cotidiano e a Escola de Vigotski. Campinas: Autores Associados, 1999.

DUARTE, N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas: Autores Associados, 2016.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas: Autores Associados, 2001.

ESCOLA SEM PARTIDO. Quem somos. Disponível em: http://www.escolasempartido.org/quem-somos. Acesso em: 20 mar. 2018.

FRIGOTTO, G. Educação e formação humana: ajuste neoconservador e alternativa democrática. In: GENTILI, P. A. A.; SILVA, T. T. da. (org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. Rio de Janeiro: Vozes, 2015. p. 31-92.

GENTILI, P. A. A. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: SILVA, T. T. da.; GENTILI, P. A. A. (org.). Escola S. A.: quem ganha e quem perda no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília: CNTE, 1996. p. 9-49.

GRAMSCI, A. Gli intellettuali. Torino: Riuniti, 1975.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1994.

KOSIC, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2004.

LOSURDO, D. Guerra e revolução: o mundo um século após outubro de 1917. São Paulo: Boitempo, 2017.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

MACEDO, E. As demandas conservadoras do movimento Escola Sem Partido e a Base Nacional Curricular Comum. Educação & Sociedade, v. 38, n. 139, 2017. Disponível em: http://www.redalyc.org/html/873/87351644014/. Acesso em: 28 abr. 2018.

MARSIGLIA, A. C. G.; PINA, L. D. de. O. M. V.; LIMA, M. A Base Nacional Comum Curricular: um novo episódio de esvaziamento da escola no brasil. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 9, n. 1, p. 107-121, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.9771/gmed.v9i1.21835. Acesso em: 14 mar. 2018.

MARX, K. A ideologia Alemã. São Paulo: Centauro, 1984.

MAZZEO, A. C. Possibilidades Leninianas para uma paidéia comunista. In: DEO, A.; ROIO, M. D.; MAZZEO, A. C. (org.). Lenin: teoria e prática revolucionária. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015. p. 31-56.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2008.

MÉSZÁROS, I. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo, 2004.

NETTO, J. P. Crise do socialismo e ofensiva neoliberal. São Paulo: Cortez, 1993.

PINTO, J. M. de. R. Financiamento da educação básica divisão de responsabilidades. Retratos da Escola, v. 6, n. 10, p. 155-172, 2012.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 1981.

SILVA, M. R. da.; MOURA ABREU, C. B. de. Reformas para quê? As políticas educacionais nos anos de 1990, o “novo projeto de formação” e os resultados das avaliações nacionais. Perspectiva, v. 26, n. 2, p. 523-550, 2008.

SILVA, T. T. da. A “nova” direita e as transformações na pedagogia da política e na política da pedagogia. In: GENTILI, P.; SILVA, T. T. da. (org.). Neoliberalismo, qualidade total e educação. Rio de Janeiro: Vozes, 2015. p. 9-30.

UNICEF. Declaração mundial sobre educação para todos e plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Brasília: Unicef, 1991.

VIEIRA, E. A. A política e as bases do direito educacional. Cadernos Cedes, Campinas, v. 21, n. 55, p. 9-21, 2001.

Publicado
2019-03-19
Como Citar
Lagoa, M. I. (2019). A ofensiva neoliberal e o pensamento reacionário-conservador na política educacional brasileira. Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019006. https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8653195