Banner Portal
Conhecimento e a sua socialização na educação escolar para a pedagogia da autonomia de Paulo Freire
PDF

Palavras-chave

Pedagogia da autonomia
Ontologia do ser social
Conhecimento sistematizado
Socialização do conhecimento
Pedagogia histórico-crítica

Como Citar

PENA, Anderson dos Anjos Pereira; ZIENTARSKI, Clarice. Conhecimento e a sua socialização na educação escolar para a pedagogia da autonomia de Paulo Freire: uma análise à luz da teoria histórico-crítica. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 19, p. e019025, 2019. DOI: 10.20396/rho.v19i0.8653948. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8653948. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

Este artigo visa compreender a visão de Paulo Freire acerca do conhecimento sistematizado e sua socialização na escola, na obra Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. (FREIRE, 2016a). O fio condutor da análise será a ontologia, pois é a partir da compreensão do nascedouro do homem enquanto ser social e a serviço do processo de humanização por ele idealizado, que Freire explicita sua visão sobre o conhecimento e desenvolve sua teoria pedagógica, sustentando-se em uma base teórica de inspiração existencialista cristã e na filosofia humanista moderna da educação, conforme esclarece Saviani (2008). Neste prisma, tomando por referência a Pedagogia histórico-crítica, sistematizada a partir obras de Saviani (2013) Duarte, (2016) e Martins (2013), entre outros teóricos caberá neste artigo uma comparação entre o sentido do conhecimento para pedagogia da autonomia e para a Pedagogia histórico-crítica. Nossa tentativa aqui é de capturar a essência do pensamento de Freire (2016a) sobre conhecimento, para compreender até que ponto a sua teoria poderá contribuir para criar uma condição irreversível, superior e revolucionária de humanização.

https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8653948
PDF

Referências

DUARTE, N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas: Autores Associados, 2016.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas: Autores Associados, 2011.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. In: ANTUNES, R. (org.). A dialética do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2013. v. 1.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 54. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016a.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 62. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016b.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 1982.

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

KOSIK, K. Dialética do concreto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LEFEBVRE, H. Lógica formal/lógica dialética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas 1845- 1846. São Paulo: Boitempo, 2007.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2010. (Coleção Marx-Engels).

MARX, K. O capital: crítica da economia política: 34. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016. livro 1.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 40. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 1. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.