Banner Portal
ISEB - Instituto Superior de Estudos Brasileiros
PDF

Palavras-chave

ISEB - Instituto Brasileiros de Estudos Brasileiros
Estado capitalista brasileiro
Nacional-desenvolvimentismo
Intelectuais orgânicos
Estratégias educativas e formativas de natureza pós-universitária

Como Citar

OLIVEIRA, Maria Teresa Cavalcanti de; ARAGÃO, Luciano Ximenes. ISEB - Instituto Superior de Estudos Brasileiros: a ação do MEC na formação acadêmica de intelectuais orgânicos do “Nacional-Desenvolvimentismo” nos anos de 1950. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020003, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8654062. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8654062. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

O desafio de compreender o papel e o sentido das estratégias desenvolvidas pelo ISEB - Instituto Superior de Estudos Brasileiros, criado como órgão vinculado ao MEC em 1955, parte do entendimento das sociedades modernas como bloco histórico - a unidade diversa entre estrutura e superestrutura. No Brasil, os anos de 1950 foram palco de um gradual processo de consolidação do modelo econômico e concomitante processo de democratização e politização da sociedade civil que resultou na reconfiguração do papel do Estado capitalista brasileiro; o ISEB se constituiu parte dessas mudanças necessárias ao novo papel do Estado. Concebido como um núcleo de assessoramento estratégico, o ISEB resultou da iniciativa de um grupo de intelectuais, com significativa notoriedade e influência política, que colocou seus estudos acadêmicos a serviço da compreensão dos problemas brasileiros, tendo em vista as “[...] tarefas e matérias que o moderno Estado capitalista é incumbido de realizar.” (TOLEDO, 1997, p. 184). Mas a despeito de se constituir num centro de estudos dos problemas nacionais, os isebianos não tiveram voz ativa na máquina governamental; sua atuação se destacou no fomento e no desenvolvimento de estratégias educativas e formativas de natureza pós-universitária, voltadas à formação de intelectuais orgânicos disseminadores de determinado projeto de nação - o “nacional-desenvolvimentismo”. O objetivo do presente trabalho é compreender o papel do ISEB e o sentido do uso dessas estratégias educativas e formativas de natureza pós-universitária, seu legado acadêmico nas novas gerações de intelectuais e seu impacto político (in)direto nas novas formas de construção de entendimento e interpretação do Brasil.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8654062
PDF

Referências

ABREU, A. A.; FLAKSMAN, D. “Verbete: Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB)”. Dicionário histórico-bibliográfico brasileira (1930 – 1983). Rio de Janeiro: FGV-CPDOC, 1984.

ABREU, A. Nacionalisme et action politique au Brésil: une étude sur l’ISEB. Rio de Janeiro: ISEB, 1975.

BRASIL. Decreto Lei no, 41.500 de 15 de maio de 1957, que “Altera a redação do art. 10 do Decreto no. 37.608, que institui no Ministério da Educação e Cultura o ISEB”. Lex, 1957. p. 368.

BRASIL. Decreto Lei no. 37.608 de 14 de julho de 1955, que “Institui no Ministério da Educação e Cultura um curso de altos estudos sociais e políticos, denominado Instituto Superior de Estudos Brasileiros, dispõe sobre seu funcionamento e dá outras providências”. Lex, 1955. p. 232-233.

BRASIL. Decreto Lei no. 45,811 de 15 de abril de 1959, que “Dá nova organização do ISEB (...) dispõe sobre o seu funcionamento e dá outras providências”. Lex, 1959. p. 101-102.

BUCI-GLUCKMANN, C. Gramsci e o Estado. Por uma teoria materialista da filosofia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

CORBISIER, R. Formação e problema da cultura nacional. ISEB: MEC, 1959.

FERNANDES, F. A Revolução Burguesa no Brasil: ensaios de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Globo, 2006.

FERNANDES, F. Universidade Brasileira: reforma ou revolução? São Paulo: Alfa-Ômega, 1975.

INSTITUTO SUPERIOR DE ESTUDOS BRASILEIROS. Relatório sucinto das atividades do Instituto Superior de Estudos Brasileiros – ISEB, durante o período de janeiro de 1956 a novembro de 1960. [1961?]. Biblioteca Nacional, Seção de Manuscritos, Arquivo do Instituto Nacional do Livro.

JAGUARIBE, H. Condições institucionais do desenvolvimento. ISEB: MEC, 1958.

MENDONÇA, S. R. O Estado ampliado como ferramenta metodológica. Marx e o Marxismo, v. 2, n. 2, p. 27-43, jan./jul. 2014.

NEVES, L. (org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

PINTO, Á. V. A questão da universidade. Rio de Janeiro: Ed. Universitária, [1964?].

TEIXEIRA, A. Uma perspectiva da educação superior no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, n. 50, jul./set. 1968.

TOLEDO, C. N. ISEB: fábrica de ideologias. Campinas, SP: Ed. UNICAMP, 1997.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.