Banner Portal
Educação a distância no Brasil, Rússia e China
PDF

Palavras-chave

Educação a distância
Desenvolvimento
Inovação
Teoria do capital humano
Economia do conhecimento.

Como Citar

MORAES, Raquel de Almeida. Educação a distância no Brasil, Rússia e China: rumos para o desenvolvimento e a inovação. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 19, p. e019043, 2019. DOI: 10.20396/rho.v19i0.8654081. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8654081. Acesso em: 12 jun. 2024.

Resumo

O objetivo do artigo é divulgar pesquisa sobre a Educação a Distância, EaD no Brasil, Rússia e China, dos primórdios no século XX a 2016, problematizando os rumos para o desenvolvimento e a inovação desses países. A abordagem metodológica é do materialismo histórico-dialético presente nos estudos comparados críticos em educação. Entre os resultados, destaca-se que a tendência à massificação e ao lucro rápido está presente nas instituições de ensino privadas no Brasil. Na Rússia e na China não foram encontrados cursos superiores à distância privados e a política é estatal desde as revoluções comunistas. Nos documentos coletados nesses países, a análise dos discursos revelou que há aproximação com as diretrizes dos organismos internacionais tendo por fundamento ideológico a Teoria do Capital Humano  e a Economia do Conhecimento.

https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8654081
PDF

Referências

ALVES, J. R. M. A história da educação a distância no Brasil. Carta Mensal Educacional, Instituto de Pesquisas Avançadas em Educação, ano 16, n. 82, jun. 2007. Disponível em: http://www.ipae.com.br/pub/pt/cme/cme_82/index.htm. Acesso em: 27 nov. 2018.

AMARAL, N. C. A educação superior brasileira: dilemas, desafios e comparações com os países da OCDE e do BRICS. Rev. Bras. Educ, Rio de Janeiro v .21, n. 66, p. 717-736, jul./set. 2016.

ARAÚJO, C. B. Z. M. de. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 23, n. 87, p. 311-340, abr./jun. 2015.

BELLONI, M. L. Ensaio sobre educação a distância no Brasil. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 78, p. 117-142, 2002.

BONITATIBUS, S. G. Educação comparada. Conceito, evolução, métodos. São Paulo: EPU, 1989.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Notas estatísticas do censo da educação superior. Brasília: INEP, 2013.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Notas estatísticas do censo da educação superior. Brasília: INEP, 2016.

CARNOY, M. et al. Expansão das Universidades em uma economia global de mudança. Triunfo dos BRIC? Brasília: Capes, 2015.

CARVALHO, E. J. G. Estudos comparados em educação: novos enfoques teóricos metodológicos. Acta Scientiarum Education, Maringá, v. 36, n. 1, p. 129-141, jan./jun., 2014.

CIAVATTA, M. Estudos comparados: sua epistemologia e sua historicidade. Trabalho & Educação, v. 7, p. 129-151, 2009.

COMUNIDADE EUROPÉIA. Economia do conhecimento. Disponível em: http://ec.europa.eu/regional_policy/sources/docoffic/official/reports/pdf/p147_pt.pdf. Acesso em: 27 nov. 2018.

COSTA, C. J. da.; PIMENTEL, N. M. O sistema universidade aberta do Brasil na consolidação da oferta de cursos superiores a distância no Brasil. ETD: Educação Temática Digital, v. 10, p. 71-90, 2009.

DOURADO, L. F. OLIVEIRA, J. F. de. Políticas educacionais e reconfiguração da educação superior no Brasil. In: DOURADO, L. F.; CATANI, A. M. (Org.). Universidade pública: política e identidade institucional. Campinas, SP: Autores Associados; Goiânia: Ed. da UFG, 1999. p. 66-74.

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? Quatro ensaios críticos-dialéticos em filosofia da educação. Campinas: Autores Associados, 2003.

FIORIN, J. L. Linguagem e ideologia. São Paulo: Ática, 2005.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômica-social e capitalista. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

KLEES, S. J. Human Capital and rates of return: brillant ideas or ideological dead ends? Comparative Education Review, v. 60, n. 4, p. 644-672, 2016.

LUCENA, C.; PREVITALI, F. S.; LUCENA L. (Org.). A crise da democracia brasileira. 1. ed. Uberlândia: Navegando Publicações, 2017.

MARX, K. Contribuição para a crítica da economia política (Prefácio). Lisboa, ES: 1971. (Teoria).

MARX, K.; ENGELS, F. Ideologia alemã. Feurbach. 2. Ed. São Paulo: Hucitec, 1986.

MATTELART, A. História da sociedade da informação. São Paulo: Loyola, 2002.

MERCADANTE, A. Perspectivas da educação no Brasil. Brasília: MEC, 2015.

MORETTI, D. M. A compatibilidade entre a lógica econômica e o ensino superior, após a Constituição Federal de 1998: o caso da Anhanguera Educacional participações S.A. 2013. 393 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

MORETTI, D. A responsabilidade internacional do Estado Brasileiro por violações do direito à educação a partir do sistema global de proteção dos direitos humanos. RDDP: Revista Digital de Direito Público, v. 1, p. 30, 2012.

MOTA JUNIOR, W. P. da.; MAUÉS, O. C. O Banco Mundial e as políticas educacionais brasileiras. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 1137-1152, 2014.

PETERS, O. Das Fernstudium an den Hochschulen der Sowjetunion. Hamburg: Walter Schultz Verlag KG, 1967.

PIMENTEL, F. C. Tendências ideológicas dos cursos de licenciatura em educação física na modalidade a distância. 2017. 140 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

OCDE. The knowledge-based economy. Organisation for economic cooperation and development. Paris: OCDE, 1996.

OLIVEIRA, C. de. Em fusão, Kroton e Estácio tendem a ampliar educação a distância, demitir e elevar lucros. RBA, publicado 28 jul. 2016. Disponível em: http://www.redebrasilatual.com.br/educacao/2016/07/com-lucro-crescente-kroton-e-estacio-sinalizam-mais-investimentos-em-educacao-a-distancia-3077.html. Acesso em: 27 nov. 2018.

ROBERTSON, S. L.; DALE, R. O Banco Mundial, o FMI e as possibilidades da educação crítica. In: APPLE, M. et al. (org.). Educação crítica. Análise internacional. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 34-48.

SANTOS, M. Por uma outra globalização. Do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, 2011.

SAVIANI, D. As concepções pedagógicas na história da educação brasileira. Texto elaborado no âmbito do projeto de pesquisa “o espaço acadêmico da pedagogia no Brasil”, financiado pelo CNPq para o projeto 20 anos de Histedbr. Campinas, 25 de agosto de 2005.

SAVIANI, D. História comparada da educação: algumas aproximações História da Educação, v. 5, n. 10, p. 5-16, 2001.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 1. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

SAVIANI, D. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETI, C. et. al. (org.). Novas tecnologias, trabalho e educação. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 147-164.

SAVIANI, D. Vicissitudes e perspectivas do direito à educação no Brasil: abordagem histórica e situação atual. Ed. Soc., v. 34, n. 124, p. 743-760, 2013.

SCHULTZ, T. O valor econômico da educação. Rio de Janeiro: Zahar, 1962.

SMIRNOVA, I. Distance education in Russia and beyond. ONLINE EDUCA. BERLIN 2011.

WORLD BANK. Knowledge assessment methodology, KAM 12. Washington: World Bank, 2007.

WORLD BANK. Lifelong learning in the global knowledge economy. Challenges for developing countries. Washington: World Bank, 2003.

XIN, D.; JIAN, N.; YANHUI, H. Research on distance education development in China. British Journal of Educational Technology, v. 41, n. 4, p. 582–592, 2010.

ZAWACKI-RICHTER, O.; KOUROTCHKINA, A. The development of distance education in the Russian Federation and the Former Soviet Union. International Review of Research in Open and Distance Learning, v. 13, n. 3, p. 165-184, 2012.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.