Valorização profissional e feminização dos professores do curso normal do Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac/RS, entre 1901 e 1970

Palavras-chave: Curso Normal, Valorização, Trabalho pedagógico, Historicidade.

Resumo

Com o objetivo de estudar sobre a valorização profissional dos professores do Curso Normal (CN) do Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac (IEEOB), de Santa Maria/RS e o processo de feminização, entre 1901 e 1970, resultou a realização deste artigo. A escolha pelo tema deu-se por entender que para iniciar um estudo se deve, primeiramente, compreender os fatores que intervêm no fenômeno, seu passado, presente e prospecção de futuro. Deste modo, é importante entender a historicidade do CN, para então compreender a valorização dos professores, o que implica entender os momentos, políticos e sociais que influenciaram na educação desde o início do CN do IEEOB até 1970. Entende-se o CN como início da história da formação de professores, considerando as normalistas, no século passado, como precursoras da profissão, tratadas com muita pompa em suas formaturas, e por amor às crianças. Professoras de quem se esperava o dom, ou a habilidade de encarar a profissão como uma missão, como se fossem destinadas à docência. Tais características, dada a prevalência do CN na história da educação, são ainda evidenciadas no trabalho pedagógico das professoras da infância nas escolas gaúchas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiza da Silva Braido, Universidade Federal de Santa Maria

Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Maria. Especialização em andamento em Gestão Educacional pela Universidade Federal de Santa Maria. 

Liliana Soares Ferreira, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorado em educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora da Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

BELÉM, J. História do Município de Santa Maria 1797 – 1933. 3. ed. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2000.

BRAIDO, L.S. Valorização profissional e feminização dos professores: um estudo a partir do curso normal do instituto estadual de educação Olavo Bilac, de Santa Maria/RS, entre 1901 e 1970. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2018.

BRASIL. Decreto-Lei n. 97 de 16 de Julho de 1941. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/105585/DECRETO-LEI%2097%20DE%201941.pdf?sequence=1. Acesso em: 26 out. 2017.

BRASIL. Decreto-Lei nº 775 A, de 1943. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/105576/DECRETO%20775A%20DE%201943.pdf?sequence=1&isAllowed=yhttp://1943.pdf/?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 26 out. 2017.

BRASIL. Decreto-Lei n. 909 de 1906. Modifica a estrutura dos Colégios Distritais para Escola Complementar. Leis, decretos e actos do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, 1906.

BRASIL. Decreto-Lei n. 4.322 de 30 de maio de 1929, Institui uma escola complementar na cidade de Santa Maria. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/161632/decreto%204321%20-%201929%282%29.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 26 out. 2017.

BRASIL. Decreto-Lei n. 8.530 de 02 jan. 1946. Lei Orgânica do Ensino Normal. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-8530-2-janeiro-1946-458443-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 26 out. /2017.

BRASIL. Decreto-Lei n. 1479 de 26 de maio de 1909. Modifica o programma do ensino complementar e CREA collegios elementares no estado. Leis, decretos e actos do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, 1909.

BRASIL. Decreto n. 397 de 27 de agosto de 1901. Institue dois colégios districtais, um em Santa Maria e outro na Cruz Alta. 1901.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 5.692, de 1971. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5692.htm. Acesso em: 26 out. 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394, de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em: 26 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto-Lei n. 1.190 de 04 de abril de 1939. Dá organização à Faculdade Nacional de Filosofia. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 06 abr. 1939. p. 7929.

BRZEZINSKI, I. Embates na definição das políticas de formação de professores para a atuação multidisciplinar nos anos iniciais do ensino fundamental: respeito à cidadania ou disputa pelo poder? Educ. Soc. [online], v. 20, n. 68, p. 80-108. 1999. ISSN 1678-4626. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a05v2068.pdf. Acesso em: 18 out. 2018

CAMARGO, R. B. Salário docente. In. OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. (Org.). Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

CONVITES normalistas, vários anos. (AHOBnc – nº 30). In: Acervo Histórico do Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac. Santa Maria, RS. Acesso em: 19 nov. 2015.

CORSETTI, B. A educação: construindo o cidadão. In: GOLIN, T.; BOEIRA, N. (coord.); RECKZIEGEL, A. L. S.; AXT, G. (dir.) República Velha (18891930). Passo Fundo: Méritos, 2007. v. 3, t. 2. (Coleção História Geral do Rio Grande do Sul).

COSTA, M. V. (Org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

FAGUNDES, J. L. O trabalho pedagógico, as políticas públicas de universalização da educação básica e o Curso Normal: entre cabotagens, naufrágios e travessias. 2015. 207 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

FERREIRA, L. S. Gestão do Pedagógico: de qual pedagógico se fala?. Currículo sem Fronteiras, v. 8, n. 2, p. 176-189, jul./dez. 2008.

FERREIRA, L. S. Trabalho, profissionalidade e escola no discurso das professoras dos anos iniciais do ensino fundamental. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

FIORIN, B. P. Trabalho e pedagogia: considerações a partir dos discursos de pedagogas na escola. 2012. Dissertação (Mestrado em educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

FOLHAS de pagamento 1940 a 1956. (AHOBnc nº 38). In: Acervo Histórico do Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac. Santa Maria, RS. Acesso em: 24 set. 2015.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação estrutura econômico-social capitalista. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

HYPÓLITO, A. M. Trabalho docente, classe social e relações de gênero. Campinas: Papirus, 1997.

LIVRETO nº 83 Histórico do I.E.O.B. AHOB nº 342. In: Acervo Histórico do Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac. Santa Maria, RS. Acesso em: 24 set. 2015.

LIVRO de visitas e inspeção, AHOB nº 23. In: Acervo Histórico do Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac. Santa Maria, RS. Acesso em: 10 set. 2015.

MONTAGNER, R. Ressignificando imagens/memória de alunas do Instituto Estadual Olavo Bilac: processos de formação de professoras (1929-1969). 1999 Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria. 1999.

NAGLE, J. Educação e sociedade na Primeira República. São Paulo: EPU: MEC, 1976.

PALMA FILHO, J. C. A educação brasileira no período de 1930 a 1960: a era Vargas pedagogia cidadã. Cadernos de Formação. História da Educação. 3. ed. São Paulo: PROGRAD/UNESP: Santa Clara Editora, 2005. p. 61-74.

PASTA com fotos 1947 - 1968 (AHOB – nº 145). In: Acervo Histórico do Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac. Santa Maria, RS. Acesso em: 24 set. 2015.

PASTA recortes de jornais sobre I.E.O.B AHOB nº 143. Acervo Histórico do Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac. Santa Maria, RS. Acesso em: 24 set. 2015.

PETRY, M. L. B. A formação do professor: da escola normal à habilitação magistério. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 1990.

RABELO, A. O.; MARTINS, A. M. A mulher no magistério brasileiro: um histórico sobre a feminização do magistério. In: CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 4. 2010, Uberlândia. Anais [...]. Uberlândia: Aveiro: FCT, 2010. p. 6167-6176.

RECORTES de jornais sobre I.E.O.B (AHOB nº 143). In: Acervo Histórico do Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac. Santa Maria, RS. Acesso em: 27 ago. 2015.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 42. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Rev. Bras. Educ., [online]. v. 14, n. 40, p. 143-155, 2009. ISSN 1413-2478. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782009000100012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v14n40/v14n40a12.pdf. Acesso em: 18 out. 2018

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

TAMBARA, E. Profissionalização, escola normal, e feminilização: magistério sul-rio-grandense de instrução pública no século XIX. Pelotas: História da Educação: ASPHE: FaE: UFPel, 1998.

VIEIRA, S. L. Desejos de reforma: legislação educacional no Brasil – Império e República. Brasília: Líber Livros, 2008.

Publicado
2019-07-31
Como Citar
Braido, L. da S., & Ferreira, L. S. (2019). Valorização profissional e feminização dos professores do curso normal do Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac/RS, entre 1901 e 1970 . Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019044. https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8654919

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)