Ordem para as mulheres, progresso para os homens

a educação feminina na perspectiva de José Veríssimo

Palavras-chave: José Veríssimo, Educação da mulher, Primeira República.

Resumo

Este artigo resultou de um projeto de pesquisa sobre a história da educação no Pará, e tem como objetivo principal compreender a concepção de educação da mulher para José Veríssimo. Para atingi-lo desenvolvemos uma pesquisa bibliográfica utilizando como fonte principal a obra “A Educação Nacional”, escrita em 1890, de autoria do escritor, jornalista e historiador literário José Verissimo Dias de Mattos. Entre os principais resultados do estudo, descobrimos que o papel atribuído à educação feminina se configurava como uma estratégia pensada pelos republicanos tendo em vista a construção de uma sociedade moderna e civilizada. Nesse sentido, as propostas de educação feminina de Veríssimo representaram avanços incontestes; entretanto, mesmo assim, a educação destinada às mulheres ainda se limitava a um benefício à gestão do lar e à formação dos filhos, além do apoio mais qualificado às iniciativas do marido, chefe da família.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alberto Damasceno, Universidade Federal do Pará

Doutorado em educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professor Titular da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Luane Tomé, Universidade Federal do Pará

Graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Atua como bolsista de Iniciação Científica da Universidade Federal do Pará (PIBIC/UFPA).

Referências

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Biografia: José Veríssimo. Academia Brasileira de Letras, [on-line], [20--]. Disponível em: http://www.academia.org.br/academicos/jose-verissimo/biografia. Acesso em: 18 jan. 2019.

ALMEIDA, J. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: UNESP, 1998.

ALVES, R. L. José Veríssimo Dias de Mattos: um crítico na direção do Gymmnasio Nacional (1892-1898). 2006. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2006.

BUONICORE, A. As mulheres e a luta pelos seus direitos políticos no Brasil. 2017. Disponível em: http://www.vermelho.org.br/noticia/293929-1. Acesso em: 20 jan. 2019.

CANEZIN, C. C. A mulher e o casamento: da submissão à emancipação. Revista Jurídica Cesumar-Mestrado, v. 4, n. 1, p. 143-156, 2004.

CARVALHO, J. M. de. A formação das almas: o imaginário da República do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

CONSTANTINO, N. S. Pesquisa histórica e análise de conteúdo: pertinência e possibilidades. Estudos Ibero-Americanos, v. 28, n. 1, p. 183-194, 2002.

COSTA, E. Civilizar a nação pela instrução pública: formação de professores e ensino primário no Pará (1891-1909). 2015. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2015.

DAMASCENO, A. et al. A mulher como professora primária: um desafio profissional na Primeira República. Retratos da Escola, v. 12, n. 24, p. 569-584, 2019.

GARCIA, L. C. O secundário e as mulheres: uma comparação entre Brasil e França no campo educacional. In: SEMINÁRIO FAZENDO GÊNERO - CORPO, VIOLÊNCIA E PODER, 8., 2008, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: UFSC, 2008.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

OLIVEIRA, K. R. Josefina Álvares de Azevedo: a voz feminina no século XIX através das páginas do jornal A Família. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional: Programa Nacional de apoio à pesquisa, 2009.

PARÁ. A República. Orgão do Partido Republicano. Num. 71. 15 maio 1890.

PINTASSILGO, J.; MOGARRO, M. J. Educação da mulher. In: ROLLO, M. F. (coord.). Dicionário de história da I República e do Republicanismo Lisboa: Assembleia da República, 2013. p. 1083-1087. v. I.

SANTOS, A. T. dos. A construção do papel social da mulher na Primeira República. Revista em Debate, n. 8, 2008. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=14404@1. Acesso em: 03 mar. 2018.

SCHELBAUER, A. R. Idéias que não se realizam. O debate sobre a educação do povo no Brasil de 1870 a 1914: um estudo com fontes primárias. Maringá: Eduem. 1998.

SILVA, M.; DUTRA, M.; A concepção de educação da mulher nas casas de caridade fundadas pelo padre ibiapina (1860 - 1883). ENCONTRO NORTE E NORDESTE DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO - ENNHE, 6., 2016, Natal. Anais [...]. Natal: ENNHE, 2016. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/vi-ennhe/anais/trabalhos/eixo8/submissao_14711226465391472992658087.pdf. Acesso em: 21 ago. 2018.

TAMBARA, E. A. C. A educação feminina no Brasil ao fim do século 19. História da Educação, v. 1, n. 1, p. 67-89, 1997.

VERÍSSIMO, J. A educação nacional. 3. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985.

Publicado
2019-07-31
Como Citar
Damasceno, A., & Tomé, L. (2019). Ordem para as mulheres, progresso para os homens. Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019035. https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8654999