Banner Portal
Base Nacional Comum Curricular e novo ensino médio
PDF

Palavras-chave

Capitalismo dependente
Florestan Fernandes
Base Nacional Comum Curricular
Reforma do Ensino Médio

Como Citar

ANDRADE, Maria Carolina Pires de; MOTTA, Vânia Cardoso da. Base Nacional Comum Curricular e novo ensino médio: uma análise à luz de categorias de Florestan Fernandes. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020005, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8655150. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8655150. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Este artigo apresenta resultados parciais de pesquisa de cunho documental-bibliográfico, dedicada à compreensão dos pormenores da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e do Novo Ensino Médio (NEM) em diálogo com os aspectos histórico-estruturantes da educação brasileira. Assume a máxima importância a mediação da categoria capitalismo dependente, aqui nos termos de Florestan Fernandes, sobretudo para entender a unidade dos aspectos educacionais, econômicos, políticos, sociais e ideológicos, presentes e passados, da formação econômico-social brasileira. Com o aporte de compreensões buscadas no arcabouço teórico deixado pelo sociólogo brasileiro, tais como aquelas referentes à especificidade da revolução burguesa no Brasil e das contradições erigidas no seio do capitalismo dependente, argumenta-se que a BNCC e o NEM apresentam traços comuns às diversas reformas e medidas de contrarreforma alavancadas pela burguesia brasileira ao longo da nossa história, sobretudo em momentos de crise. Conclui-se que, a despeito das particularidades obscurantistas da conjuntura atual, a mesma reflete em todos os âmbitos a revitalização e o aprofundamento da dependência, ao que a esfera educacional não se faz exceção: nesta também as medidas apresentam as faces exacerbadamente contraditórias, antidemocráticas e retrógradas, próprias do capitalismo dependente.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8655150
PDF

Referências

ANDERSON, P. FHC deixou saldo negativo, diz historiador. Folha de São Paulo, São Paulo, 10 nov. 2002. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc1011200228.htm. Acesso em: 10 mar. 2019.

ANDRADE, M. C.; GAWRYSZEWSKI, B. Desventuras da educação brasileira e as ‘reformas’ atuais: educar para a produtividade do trabalho. EccoS - Revista Científica, São Paulo, n. 47, p. 105-125. set./dez. 2018.

ARGOLLO, J.; MOTTA, V. Arranjos de desenvolvimento da educação: regime de colaboração de ‘novo’ tipo como estratégia do capital para ressignificar a educação pública como direito. Universidade e sociedade, n. 56, p. 44, ago. 2015.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, Anped. Nota da ANPEd sobre a entrega da terceira versão da Base Nacional Comum, abril de 2017. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/nota_da_anped_sobre_a_entrega_da_terceira_versao_da_base_nacional_comum_curricular_abril_2017.pdf. Acesso em: 04 jan. 2019.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Decreto n. 2.208 de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2 º do art. 36 e os arts. 39 a 42 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 18 abr. 1997.

BRASIL. Decreto n. 5.154 de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 26 jul. 2004.

BRASIL. Lei n. 13.415/2017, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União, Brasília, 17 fev. 2017a.

BRASIL. Lei n. 5.692 de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 12 ago. 1971.

BRASIL. Lei n. 7.044 de 18 de outubro de 1982. Altera dispositivos da Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971, referentes a profissionalização do ensino de 2º grau. Diário Oficial da União, Brasília, 19 out. 1982.

BRASIL. Lei n. 9394/96 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado. Plano diretor da reforma do aparelho do Estado. Brasília, DF, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. MEC. Escolas se mobilizam para dia D da Base Nacional Comum Curricular. PORTAL MEC, assessoria de comunicação social, 01 de agosto de 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/211-218175739/66921-escolas-se-mobilizam-para-o-dia-d-da-base-nacional-comum-curricular. Acesso em: 10 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CP n. 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 22 dez. 2017b.

CALLEGARI, C. Carta aos conselheiros do Conselho Nacional de Educação. César Callegari renuncia à presidência da comissão da BNCC. Escola Politécnica de saúde Joaquim Venâncio, 29 de junho de 2018. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/carta-aos-conselheiros-do-conselho-nacional-de-educacao-cesar-callegari-renuncia-a-presidencia-da. Acesso em: 04 jan. 2019.

CASTRO, M. H. A BASE não é currículo. O Globo, Sociedade, Rio de Janeiro, 12 abril 2017. Disponível em: https://oglobo.globo.com/opiniao/a-base-nao-curriculo-21194267. Acesso em: 28 set. 2018.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Educação é agente transformador e fator de competitividade. Portal da indústria, Rio de Janeiro, 17 de abril de 2018. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/cni/canais/mapa-estrategico-da-industria/reportagem-especial/mapa-da-industria-2018-2022-educacao-e-agente-transformador-e-fator-de-competitividade/. Acesso em: 11 mar. 2019.

COUTINHO, C. N. A época neoliberal: revolução passiva ou contra-reforma? Revista Novos rumos, Marília, v. 49, n. 1, p. 117-126, jan./jun. 2012. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/novosrumos/article/view/2383. Acesso em: 02 abr. 2019.

COUTINHO, C. N. Intervenções: o marxismo na batalha das ideias. São Paulo: Cortez, 2006.

CUNHA, L. A. Ensino profissional: o grande fracasso da ditadura militar. Cadernos de pesquisa, v. 44, n. 154, p. 912-933, out./dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v44n154/1980-5314-cp-44-154-00912.pdf. Acesso em: 10 mar. 2019.

DINIZ, E. Empresariado industrial, representação de interesses e ação política: trajetória histórica e novas configurações. Revista Política e Sociedade, v. 9, n. 17 p. 101-139, out. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/download/15675/14196. Acesso em: 10 mar. 2019.

ENGELS, F. Princípios do Comunismo. In: MARX, K.; ENGELS, F. (org.). Educação, Ensino e Marxismo. São Paulo: Iskra, 2016.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: Ensaio de interpretação sociológica. 5. ed. São Paulo: Editora Globo, 2008.

FERNANDES, F. Brasil: Em compasso de espera. São Paulo: Hucitec, 1980.

FERNANDES, F. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

FERNANDES, F. Educação e sociedade no Brasil. São Paulo: Dominus: Edusp, 1966.

FERNANDES, F. O desafio educacional. São Paulo, Cortez, 1989.

FERNANDES, F. Sociedade de Classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educação básica no brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Revista Educação e Sociedade, v. 24 n. 82, p. 93-130, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v24n82/a05v24n82.pdf. Acesso em: 04 jan. 2019.

FUNDAÇÃO ULYSSES GUIMARÃES; PMDB. Documento Uma Ponte para o Futuro. Brasília, 29 de outubro de 2015. Disponível em: https://www.fundacaoulysses.org.br/wp-content/uploads/2016/11/UMA-PONTE-PARA-O-FUTURO.pdf. Acesso em: 11 mar. 2019.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

HAYEK, F.A. O caminho da servidão. São Paulo, Instituto Ludwig von Mises Brasil, 1985.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Séries históricas. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/17270-pnad-continua.html?=&t=series-historicas. Acesso em: 20 mar. 2019.

MERCADO oferece oportunidades, mas falta mão de obra qualificada. Jornal hoje, portal g1, Rio de Janeiro, 27 de abril de 2015. Disponível em: http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2015/04/mercado-oferece-oportunidades-mas-falta-mao-de-obra-qualificada.html. Acesso em: 28 set 2018.

LEHER, R. A educação no governo Lula da Silva: a ruptura que não aconteceu. In: LEHER, R. Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico 2003-2010. 1. ed. Rio de Janeiro, Garamond, 2010. p. 369-411.

LEHER, R. Florestan Fernandes e a defesa da educação pública. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 121, p. 1157-1173, out./dez. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v33n121/a13v33n121.pdf. Acesso em: 11 mar. 2019.

LEHER, R. Uma etapa crucial da contrarreforma. Le monde diplomatique Brasil, 3 de novembro de 2016. Disponível em: https://diplomatique.org.br/uma-etapa-crucial-da-contrarreforma/. Acesso em: 09 mar. 2019.

MAGALHÃES, L. K.; MOTTA, V. Tecnologia Social: massificação periférico-dependente revestida pelo discurso de universalização da educação básica brasileira. In: ANDRADE, J.; PAIVA-GUTIERREZ, L.; OLIVEIRA, L. F. (org.). O Estado brasileiro e a educação básica: os difíceis caminhos da universalização. Rio de Janeiro: Editora AMC Guedes, 2015. p. 173-194.

MARIZ, R.; MATSUURA, S. Ensino Médio no Brasil avançou apenas 0,3 ponto em dez anos de IDEB. O Globo, seção sociedade, Brasília, 09 de setembro de 2016. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/ensino-medio-no-pais-avancou-apenas-03-ponto-em-dez-anos-de-ideb-20076273. Acesso em: 11 mar. 2019.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política I. São Paulo: Boitempo, 2013.

MELLO, G. Cidadania e competitividade: desafios educacionais do terceiro milênio. São Paulo: Cortez, 1995.

MELO, M. L. Falta de 20 mil vagas na rede estadual afeta alunos das zonas oeste, norte e interior. Jornal O Dia, Rio de Janeiro, 21 de fevereiro de 2019. Disponível em: https://odia.ig.com.br/rio-de-janeiro/2019/02/5621427-falta-de-20-mil-vagas-na-rede-estadual-afeta-alunos-das-zonas-oeste--norte-e-interior.html. Acesso em: 07 abr. 2019.

MENEZES, F.; JANNUZZI, P. Com o umento da extrema pobreza, Brasil retrocede dez anos em dois. Rede Brasil atual, Cidadania, 26 de março de 2018. Disponível em: https://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2018/03/com-o-aumento-da-extrema-pobreza-brasil-retrocede-dez-anos-em-dois. Acesso em: 03 jan. 2019.

MIRANDA, K.; RODRIGUES, J. Trabalho e educação: perfil de formação da classe trabalhadora em um país dependente como o Brasil. In: MOTTA, V.; DAHMER, L. (org.). Educação e Serviço Social: subsídios para uma análise crítica. 1. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017. p. 83-111.

MOTTA, V.; FRIGOTTO, G. Por que a urgência da reforma do ensino médio? Medida Provisória nº 746/2016 (Lei nº 13.415/2017). Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 355-372, abr./jun. 2017.

MOTTA, V. Ideologia do capital social: atribuindo uma face mais humana ao capital. Rio de Janeiro: Eduerj, 2012.

MOTTA, V.; LEHER, R. Trabalho docente no contexto do retrocesso do retrocesso. RTPS – Rev. Trabalho, Política e Sociedade, v. II, n 03, p. 243-258, jul./dez. 2017.

MPB. MOVIMENTO PELA BASE. Dúvidas frequentes. Sítio eletrônico. Última atualização em 16 de dezembro de 2018. Disponível em: http://movimentopelabase.org.br/duvidas-frequentes. Acesso em: 10 mar. 2019.

MPB. MOVIMENTO PELA BASE. Quem somos. Sítio eletrônico. Última atualização em 31 janeiro 2019. Disponível em: http://movimentopelabase.org.br/quem-somos/. Acesso em: 27 fev. 2019.

OIT. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Relatório Trabalho Decente E Juventude. Série: Transição da escola para o trabalho. Brasília, 2014. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/publicacoes/WCMS_526221/lang--pt/index.htm. Acesso em: 10 mar. 2019.

OLIVEIRA, J. B. A base curricular e a reforma educacional. Valor econômico, São Paulo, 04 de maio de 2017. Disponível em: https://www.valor.com.br/opiniao/4956732/base-curricular-e-reforma-educacional. Acesso em: 10 mar. 2019.

PAULANI, L. A perestroika brasileira é absolutamente descabida. Entrevista. Instituto Humano Unisinos, Rio Grande do Sul, 12 de março de 2019. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/587327-a-perestroika-brasileira-e-absolutamente-descabida-entrevista-especial-com-leda-paulani. Acesso em: 10 mar. 2019.

PINTO, E. C. et al. A guerra de todos contra todos: a crise brasileira. Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Artigo para discussão. TD 006, 2017. Disponível em: http://www.ie.ufrj.br/images/pesquisa/publicacoes/discussao/2017/tdie0062017pinto-et-al.pdf. Acesso em: 10 mar. 2019.

PLATAFORMA QEDU. Plataforma de Dados. 2017. Disponível em: https://www.qedu.org.br/. Acesso em: 03 jan. 2019.

RAMOS, M. Pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001.

RODRIGUES, J. Ainda a educação politécnica: o novo decreto da educação profissional e a permanência da dualidade estrutural. Revista Trabalho, Educação e Saúde, v. 3, n. 2, p. 259-282, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v3n2/02.pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

RUMMERT, S. M.; ALGEBAILE, E. ; VENTURA, J. Educação da classe trabalhadora brasileira: expressão do desenvolvimento desigual e combinado. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 54, p. 717-738, jul./set. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782013000300011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 28 fev. 2019.

SANTOS, T. dos. Evolução histórica do Brasil: da colônia à crise da nova república. Petrópolis: Vozes, 1995.

SAVIANI, D. Vicissitudes e perspectivas do direito à educação no Brasil: abordagem histórica e situação atual. Revista Educação e Sociedade, v. 34, n. 124, p. 743-760, jul./set. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v34n124/06.pdf. Acesso em: 25 jan. 2019.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.