Banner Portal
Notas etnográficas sobre o surgimento dos cursos de formação de professores de ciências no semiárido baiano
PDF

Palavras-chave

Cursos de ciências
Ensino superior
Etnografia
Formação de professores
Semiárido baiano

Como Citar

CRUZ, Elizeu Pinheiro da. Notas etnográficas sobre o surgimento dos cursos de formação de professores de ciências no semiárido baiano. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020004, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8655279. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8655279. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

Este trabalho apresenta apontamentos acerca dos percursos de instituições e sujeitos relacionados ao surgimento e desenvolvimento dos Cursos de Ciências no semiárido baiano, produzidos a partir de uma etnografia desenvolvida entre os anos 2011 e 2016 na esteira de contribuições de Clifford Geertz, James Clifford, Marilyn Strathern, Mariza Peirano e Olívia Cunha. Objetiva-se aqui problematizar enunciados que relacionam a gênese do ensino superior na Bahia à demanda de formação de professores em uma investigação que considera os arquivos como campos etnográficos. Argumenta-se que as Faculdades de Formação de Professores marcaram a formação de professores de Ciências no semiárido baiano e matizaram o surgimento do ensino superior relacionado à formação de professores na década de 1970. As reformas curriculares que ofereceram os contornos dos Cursos de Ciências e das instituições às quais estavam vinculados foram estabilizadas pelo Governo Estadual sem deixar de serem disputadas por professores, estudantes e outros sujeitos da sociedade local.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8655279
PDF

Referências

BOAVENTURA, E. Origem e formação do sistema estadual de educação superior na Bahia. Revista da FAEEBA, Salvador, v. 14, n. 24, p. 155-173, dez. 2005. Disponível em: http://books.scielo.org/id/4r/pdf/boaventura-9788523208936-05.pdf. Acesso em: 14 maio 2016.

BRASIL. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 3 de dez. 1968.

CHAPANI, D. T. A Formação de Professores na Gênese do Sistema Estadual de Ensino Superior da Bahia. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá-PR: Sociedade Brasileira de História da Educação (SBHE); Campinas-SP, v. 12, p. 146-166, 2012. Disponível em: http://www.rbhe.sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/view/324/311. Acesso em: 10 nov. 2016.

CLIFFORD, J. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. 4. ed. Tradução de Patrícia Farias. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2014. p. 17 - 57.

COMAROF, J.; COMAROF, J. Etnografia e imaginação histórica. Proa-Revista de Antropologia e Arte, v. 1, n. 2, p. 01-72, 2016. Disponível em: http://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/2360/1762. Acesso em: 16 fev. 2017.

COSTA, M. C. C. Etnografia de arquivos - entre o passado e o presente. Matrizes (USP. Impresso), v. 3, p. 171-186, 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/matrizes/article/download/38263/41064/0. Acesso em: 05 ago. 2015.

CRUZ, E. P.; SANTOS, J. J.; NOGUEIRA, M. L. P. S. Apagamento da mulher em experiências de fundação do magistério na Bahia. Práxis Educacional, Vitória da Conquista, BA: Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; Vitória da Conquista-BA: Edições UESB, v. 14, n. 28, fev. 2018. Disponível em: http://periodicos.uesb.br/index.php/praxis/article/view/7767. Acesso em: 05 ago. 2018.

CUNHA, O. M. G. da. Do ponto de vista de quem? Diálogos, olhares e etnografias dos/nos arquivos. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 36, p. 7-32, 2005. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2242. Acesso em: 17 abr. 2017.

CUNHA, O. M. G. da. Tempo imperfeito: uma etnografia do arquivo. Mana, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 287-322, oct. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132004000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 28 ago. 2016.

FOUCAULT, M. Arqueologia do Saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GEERTZ, C. Interpretações das Culturas. 1. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2017. p. 03-21.

NEVES, V. F. A.; CASTANHEIRA, M. L.; GOUVEA, M. C. S. O letramento e o brincar em processos de socialização na educação infantil brincadeiras diferentes. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 20, n. 60, p. 215-244, mar. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782015000100215&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 mar. 2017.

NUNES, M. L. F.; NEIRA, M. G. O currículo de licenciatura em educação física e a fabricação do sujeito-cliente. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 23, 2018. e230038. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782018000100230&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 07 mar. 2019.

ORLANDI, E. P. Discruso e leitura. São Paulo: Cortez, 2012.

PEIRANO, M. Etnografia não é método. Horiz. antropol., Porto Alegre, v. 20, n. 42, p. 377-391, dec. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832014000200015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 31 ago. 2016.

STRATHERN, M. O efeito etnográfico. Tradução de Iracema Dulley Jamille Pinheiro e Luísa Valentini. São Paulo: Cosac Naify, 2014. p. 345-405.

TAVARES, L. D. R.; CASEMIRO, A. P. B. S. Relatos de Experiência: memória e educação do Ginásio Padre Palmeira. Publicatio UEPG. Ciências Humanas, Ciências Socias Aplicadas, Linguística, Letras e Artes, v. 15, p. 139-148, 2007. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/humanas/article/view/610. Acesso em: 08 mar. 2014.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.