Banner Portal
Histórias de adesões, acomodações e resistências em tempos de ditadura
PDF

Palavras-chave

Educação
Ditadura militar
Formação de professoras

Como Citar

ROSÁRIO, M. J. A. do. Histórias de adesões, acomodações e resistências em tempos de ditadura: memórias de formação de professoras/es do instituto de educação do Pará (1964-1985). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020036, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8655324. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8655324. Acesso em: 31 mar. 2023.

Resumo

Este artigo pretende, por meio da metodologia da História Oral, analisar a formação de professoras no IEP de 1964 a 1985, a partir do questionamento: Como as/os professoras/es e alunas/os egressas/os do IEP compreenderam e viveram a formação de professores em um tempo de ditadura? Com o intuito de compreender a construção de adesões, acomodações e resistências ao projeto do Estado ditatorial brasileiro. Os resultados dão conta de que no IEP, no período de (1964-1982) apresenta um processo formativo quase que descolado das injunções do Estado ditatorial brasileiro, as marcas de adesões e acomodações se expressavam por meio de vigilância, comportamentos, presença dos representantes do regime no espaço escolar e por disciplinas meramente instrumentais; a história da resistência às práticas da ditadura só aparece no período (1983-1985), na redemocratização, com um movimento de resistência bastante significativo, organização e movimentação estudantil, formação do Grêmio Estudantil e a postura de professoras/es de combate às práticas ditatoriais em que não faltaram embates político-ideológico entre o campo ligado às esquerdas e as/os ditos “representantes” do Estado. Conclui-se, formação de professoras/es no IEP foi permeada por estes processos, associada à proposta de educação promovida pelo Estado ditatorial brasileiro. Nos primeiros anos, sem questionamentos, onde se observa as adesões e acomodações usadas como ferramenta dos processos de formação e, nos últimos, a resistência, sendo levada de fora para dentro da instituição, promovendo outra concepção de formação.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8655324
PDF

Referências

BARROS, J. B. A escola normal do Pará e a introdução do ensino das Ciências Naturais no Pará (1870 – 1930). 2010. 78 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2010.

BITTAR, M.; FERREIRA JUNIOR, A. A ditadura militar e a proletarização dos professores. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 97, p. 1159-1179, set./dez. 2006. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/es/v27n97/a05v2797.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

BITTAR, M.; FERREIRA JUNIOR, A. Educação e educação e ideologia tecnocrática na ditadura militar. Cad. Cedes, Campinas, v. 28, n. 76, p. 333-355, set./dez. 2008. Disponível em http: //www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 5 abr. 2018.

CUNHA, H. Depoimento de Humberto Cunha em Os Anos de Chumbo e a UFPA: memórias, silêncios, traumas e cultura educacional (1964-1985), 2015. Disponível em: http://www.multimidia.ufpa.br/jspui/handle/321654/1264. Acesso em: 03 fev. 2019.

CURY, C. R. J. Os desafios da construção de um sistema nacional de educação. Cadernos do Núcleo de Educação, Cultura e Desporto. Brasília: Projeto Gráfico Editoração, 2011.

FRANÇA, M. P. História da escola normal da Província do Grão-Pará no Império. Revista Cocar, Belém, v. 6, n. 11, 2012.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Cia. Das Letras, 1995.

LOBATO, V. S. O Instituto Estadual de Educação do Pará: IEEP na memória de alunas e professoras (1940-1970). 2010. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

MALHEIROS, R. G. Formação de professores na Província do Grão-Pará: os discursos de seus administradores acerca da necessidade de se instaurar uma escola normal (1838-1871). Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

MELO, C. N.; ALMEIDA, K. N. C.; ROSÁRIO, M. J. A. Documentos da educação do Pará imperial (1839-1889). Belém: SBHE, 2012. Disponível em: htpp://sbhe.org.br/e.books/paraimperial/índex.html. Acesso em: 7 abr. 2018.

OLIVEIRA, I. E. A.; VASCONCELOS, H. C.; COSTA, M. G. P. A formação do professor para a escola básica no Pará. Belém: Ed. da UFPA, 1992.

PALMA FILHO, J. C. A educação brasileira no período 1960-2000: de JK a FHC. História da Educação, Marília. Disponível em: https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/108/3/01d06t06.pdf. Acesso em: 7 abr. 2018.

ROSÁRIO, M. J. A. Lembranças/memórias de estudante/professora sobre o Instituto de Educação do Pará (IEP) em tempos de ditadura, de 1964 a 1985. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 15, n. 66, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8643704/11220. Acesso em: 27 abr. 2018.

ROSÁRIO, M. J. A.; CUNHA, C. História e memória de formação de professoras/es do Instituto de Educação do Pará (1964-1985). Teoria e Prática da Educação, v. 22, n. 2, p. 163-181, maio/ago. 2019.

SANFELICE; J. L. Movimento estudantil: a une na resistência ao de 1964. Campinas, SP: Alínea, 2015.

SARAT, M.; SANTOS, R. S. História oral como fonte: apontamentos metodológicos e técnicos da pesquisa. In: COSTA, C. J.; MELO, J. J. P.; FABIANO, L. H (Org.). Fontes e métodos em história da educação. Dourados: Ed. UFGD, 2010.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, 2008.

SCHWARCZ, L. M. Lima Barreto: triste visionário. São Paulo: Companhia da Letras, 2017.

SOUZA, A. Apontamentos para a história do Instituto de Educação do Pará. Belém: Imprensa oficial do Estado do Pará, 1972.

TANURI, L. M. História da formação de professores. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a05. Acesso em: 7 abr. 2018.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.