Banner Portal
A brincadeira de faz de conta de papéis sociais na produção acadêmica brasileira (2010-2016)
PDF

Palavras-chave

Brincadeiras de faz de conta
Educação infantil
Teoria histórico cultural

Como Citar

LIMA, G. de A.; COSTA, S. A. da. A brincadeira de faz de conta de papéis sociais na produção acadêmica brasileira (2010-2016). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020015, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8655337. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8655337. Acesso em: 26 set. 2023.

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo investigar a produção científico-acadêmica sobre as brincadeiras de faz de conta de papéis sociais no contexto da educação infantil, especificamente na pré-escola, nos trabalhos publicados no período de 2010 à 2016, nos bancos de dados da Scientific Eletronic Library Online (SCIELO), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e no Grupo de Trabalho “Educação de Criança de 0 a 6 anos (GT07), das Reuniões Anuais da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd). Com base em princípios da Teoria Histórico Cultural, a priori, foi feita a seleção das pesquisas que trouxeram a brincadeira de faz de conta na temática. Depois, através da leitura minuciosa dos resumos, foram selecionadas as pesquisas que trataram do objeto estudado e que indicaram a importância do meio social para o processo de humanização das crianças. Vinte e cinco trabalhos foram categorizados conforme discussões de temáticas afins. Os resultados revelam que as condições de vida das pessoas interferem no modo como as crianças brincam e percebem o meio social; o professor precisa participar e viabilizar a brincadeira de faz de conta, planejando, enriquecendo os contextos, intervindo e avaliando as crianças no momento do brincar. Além disso, constatou-se serem poucos os registros, em nível nacional, de pesquisas que investiguem o brincar de faz de conta de crianças das cidades da Amazônia.

 

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8655337
PDF

Referências

ALVES, P. P. O papel do jogo nos processos de aprendizagem de crianças hospitalizadas. 2015. 142 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso, 2015. Cuiabá Biblioteca Depositária: Biblioteca Setorial do Instituto de Educação e Biblioteca Central / IE / UFMT. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2853838. Acesso em: 21 nov. 2016.

BAGAROLLO, M. F.; RIBEIRO, V. V.; PANHOCA, I. O brincar de uma criança autista sob a ótica da perspectiva histórico-cultural. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 19, n. 1, p. 107-120, mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 jun. 2016.

BRAGAGNOLO, R. I.; RIVERO, A. S.; WAGNER, Z. T. Entre Meninos e meninas, lobos, carrinhos e bonecas: a brincadeira em um contexto da educação infantil. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 36., 2013, Goiânia, GO. Anais [...]. Goiânia, GO: NDI/CED/UFSC, 2013, Disponível em: http://36reuniao.anped.org.br/pdfs_trabalhos_aprovados/gt07_trabalhos_pdfs/gt07_3157_texto.pdf. Acesso em: 21 nov. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação/ Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Básica. RESOLUÇÃO N. 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: 2009.

CAMPOS, M. M.; ROSEMBERG, F. Critérios para um atendimento em creches que respeitem os direitos fundamentais das crianças. 6. ed. Brasília: MEC/SEB 2009.

CONCEIÇÃO, M. R. Fantasia e realidade: o faz de conta e o contexto da criança. 2010. Dissertação (Mestrado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-19072010-123155/. Acesso em: 31 maio 2016.

CORDEIRO, Z. A. Brincadeira de mamãe: subjetividades entrelaçadas. 2013. 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, 2013. Biblioteca Depositária: UNISUL. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=228659. Acesso em: 21 nov. 2016.

DUARTE, C. T. Relações educativas no brincar na educação infantil e no ensino fundamental: construção de identidades e autonomia em crianças. 2015. 129 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015. Biblioteca Depositária: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações - BCo/UFSCar. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2878876. Acesso em: 21 nov. 2016.

ELKONIN, D. B. Psicologia do jogo. Tradução: Álvaro Cabral. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

GARCIA-SCHINZARI, N. R. Análise do brincar de faz de conta de crianças pré-escolares com câncer. 2014. Dissertação (Mestrado em Enfermagem em Saúde Pública) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2014. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-07012015-152532/. Acesso em: 31 maio 2016.

LEONTIEV, A. N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTSKI, L. S. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Tradução: Maria da Penha Villalobos. 10. ed. São Paulo: Ícone, 2006a.

LEONTIEV, A. N. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VIGOTSKI. L. S. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Tradução: Maria da Penha Villalobos. 10. ed. São Paulo: Ícone, 2006b.

LIMA, G. de A.; RODRIGUES, A. F. Brincadeiras e interações na educação infantil em uma escola particular de Santarém-Pará. 2016. Monografia (Especialização em Docência na Educação infantil) – Universidade Federal do Oeste do Pará, Programa de Pós-Graduação em Educação, Santarém, PA, 2016.

MACÊDO, L. C. de. A infância resiste à pré-escola? 2014. 238 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2014. Biblioteca Depositária: Biblioteca Central da UFPB. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2227288. Acesso em: 21 nov. 2016.

MARCOLINO, S.; BARROS, F. C. O. M. de.; MELLO, S. A. A teoria do jogo de Elkonin e a educação infantil. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 18, n. 1, p. 97-104, jun. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572014000100010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 21 nov. 2016.

MARCOLINO, S.; MELLO, S. A. Temas das brincadeiras de papéis na educação infantil. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 35, n. 2, p. 457-472, jun. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932015000200457&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 jun. 2016.

MARCOLINO, S. Brincadeiras de papéis na escola da infância. In: COSTA, S. A. da.; MELLO, S. A. (org.). Teoria histórico-cultural na educação infantil: conversando com professoras e professores. 1. ed. Curitiba, PR: CRV, 2017.

MARQUES, F. M.; SPERB, T. M. A escola de educação infantil na perspectiva das crianças. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 26, n. 2, p. 414-421, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722013000200022&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 jun. 2016.

MAYNART, R. da. C.; HADDAD, L. A compreensão das relações de parentesco pelas crianças na brincadeira de faz de conta em contexto de Educação Infantil. REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 35., 2012, Porto de Galinhas, PE. Anais [...]. Porto de Galinhas, PE, 2012. Disponível em: http://35reuniao.anped.org.br/images/stories/trabalhos/GT07%20Trabalhos/GT07-2066_int.pdf. Acesso em: 21 nov. 2016.

MOREIRA, T. A. Imaginação e protagonismo na educação infantil: estreitando os vínculos entre adultos e crianças. 2014. 198 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Est. Paulista Júlio de Mesquita Filho, Presidente Prudente, 2014. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=1650738. Acesso em: 21 nov. 2016.

MUKHINA, V. Psicologia da idade pré-escolar. Tradução: Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

PICCOLO, G. M. Educação infantil: análise da manifestação social do preconceito na atividade principal de jogos. Educ. Soc., Campinas, v. 32, n. 114, p. 205 221, mar. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302011000100013&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 08 jun. 2016.

PINHEIRO, I. de. M. O brincar da criança indígena Sateré-Mawé: elo entre a socialização e a formação cultural. 2015. 101 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2015. Biblioteca Depositária: Biblioteca da Universidade Federal do Amazonas. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3561507. Acesso em: 21 nov. 2016.

PRESTES, Z. R. Quando não é quase a mesma coisa: análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil - repercussões no campo educacional. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

RIVERO, A. S. O brincar e a constituição social das crianças e de suas infâncias em um contexto de educação infantil. 2015. 266 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015. Biblioteca Depositária: BU. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2404986. Acesso em: 21 nov. 2016.

ROMANELLI, N. Individuação e escolarização de crianças de 0 a 5 anos: um cenário dinâmico no palco da abordagem histórico-cultural. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-06072011-100943/. Acesso em: 01 jun. 2016.

SANTOS, A. K.; DIAS, Á. M. Comportamentos lúdicos entre crianças do nordeste do Brasil: categorização de brincadeiras. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 26, n. 4, p. 585-594, dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722010000400002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 03 jun. 2016.

SANTOS, T. R. L. Crianças e infâncias: um olhar de azul para os trabalhos apresentados no GT07 da ANPED. 2014. 186 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. 2014. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=1417687. Acesso em: 21 nov. 2016.

SILVA, E. A. da. O jogo na perspectiva da teoria histórico-cultural na educação infantil de Cuba. 2010, 121 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2010. Disponível em: http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/90196/silva_ea_me_prud.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 21 nov. 2016.

SILVA, J. R. A brincadeira na educação infantil (3 a 5 anos): uma experiência de pesquisa e intervenção. Educ. rev., Curitiba, n. 47, p. 340, mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602013000100020&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 21 nov. 2016.

SOUZA, F. F. de; SILVA, D. N. H. O corpo que brinca: recursos simbólicos na brincadeira de crianças surdas. Psicol. estud., Maringá, v. 15, n. 4, p. 705-712, dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722010000400006&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 21 nov. 2016.

TEIXEIRA, S. R. A mediação de uma professora de educação infantil nas brincadeiras de faz de conta de crianças ribeirinhas. REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 35., 2012, Porto de Galinhas, PE. Anais [...]. Porto de Galinhas, PE, 2012. Disponível em: http://35reuniao.anped.org.br/images/stories/trabalhos/GT07%20Trabalhos/GT07-2078_int.pdf. Acesso em: 21 nov. 2016.

TEIXEIRA, S. R. A relação cultura e subjetividade nas brincadeiras de faz de conta de crianças ribeirinhas da Amazônia. REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 36., 2013, Goiânia, GO. Anais [...]. Goiânia, GO, 2013. Disponível em: http://36reuniao.anped.org.br/pdfs_trabalhos_aprovados/gt07_trabalhos_pdfs/gt07_3369_texto.pdf. Acesso em: 21 nov. 2016.

TEIXEIRA, S. R.; BARCA, A. P. de. A. Teoria histórico-cultural e educação infantil: concepções para orientar o pensar e o agir docentes. In: COSTA, S. A. da.; MELLO, S. A. (org.). Teoria histórico-cultural na educação infantil: conversando com professoras e professores. 1. ed. Curitiba, PR: CRV, 2017.

VARGAS, V. A. Linguagens Infantis: as influências vividas nos momentos do brincar na educação infantil. 2015. 118 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2015. Biblioteca Depositária: FURG. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=2580958. Acesso em: 21 nov. 2016.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico: livro para professores. Tradução Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKI, L. S. A brincadeira e o seu papel social no desenvolvimento psíquico da criança. Tradução: Zoia Prestes. Rio de Janeiro: Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais, nº 11, julho de 2008. Disponível em: http://www.ltds.ufrj.br/gis/anteriores/rvgis11.pdf. Acesso em: 11 jun. 2016.

VIGOTSKI, L. S. El problema del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. In: VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas - Tomo III. Madrid: Visor DIS., S. A, 1995/2000a. p. 11- 46.

VIGOTSKI, L. S. El significado histórico de la crisis de la psicología: una investigación metodológica. In: VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas -Tomo I. Madrid: Visor DIS., S. A, 1997. p. 259-407.

VIGOTSKI, L. S. Método de investigacion. In: VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas - Tomo III. Madrid: Visor DIS., S. A, 1995/2000b. p. 47-96.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. Tradução: Paulo Bezerra. 3. ed. São Paulo, SP: WMF Martins Fontes, 2010.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.