Banner Portal
Elisa Scheid
PDF

Palavras-chave

História da educação
Trajetórias de professoras
Relações de gênero
Movimentos de trabalhadores\as

Como Citar

RIZZINI, Irma; GOMES, Camilla Estevam Dantas; SCHUELER, Alessandra Frota Martinez de. Elisa Scheid: uma professora nos movimentos de trabalhadores da estrada de ferro central do Brasil (Engenho de Dentro, Rio De Janeiro, 1890 a 1910). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020050, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8656567. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8656567. Acesso em: 17 jul. 2024.

Resumo

A proposta do artigo é analisar a trajetória de uma professora primária municipal do Rio de Janeiro e militante no movimento operário, Elisa Scheid, a partir de seus escritos e indícios de suas ações, pesquisados nos jornais de grande circulação da cidade e nos impressos vinculados aos movimentos de trabalhadores. O estudo se insere em pesquisa mais ampla sobre a trajetória de mulheres, com destaque para as professoras, e sua participação nas lutas por direitos civis, políticos e no mundo do trabalho, entre os séculos XIX e XX. A análise realizada sugere que Elisa Scheid constituiu ampla rede de sociabilidade, baseada nas suas experiências familiares e de formação educacional, na prática do magistério primário nos subúrbios cariocas e na sua inserção em associações, publicações e organizações políticas formais. Participou da criação e da direção da União Operária do Engenho de Dentro e do Partido Operário Independente. A despeito das interdições e desigualdades históricas de gênero, classe e raça, nossa hipótese é a de que a professora representou liderança proeminente na defesa dos direitos dos/as trabalhadores\as e da educação, atuando na propaganda político-partidária e na formação de agremiações trabalhistas. Os indícios de sua trajetória retratada neste artigo evidenciam a ocupação de espaços públicos possíveis a algumas mulheres, ao menos àquelas pertencentes aos meios letrados. Suas lutas políticas relativizam a representação corrente sobre o suposto predomínio do mundo doméstico como limite para as experiências femininas naquele contexto histórico.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8656567
PDF

Referências

DE ABRIL. O Paiz, Rio de Janeiro, ano XXV, n. 8961, p. 5, 17 abr. 1909.

A CRÉCHE. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, ano XI, n. 188, p. 2, 07 jul. 1901.

ABREU, M. A. Evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos, 2013.

ALMEIDA, J. R. P. Elisa Scheid. Renascença: Revista Mensal de Letras, Sciencias e Artes. Rio de Janeiro: E. Bevilacqua, ano II, n. 25, p. 264-265, 11 dez. 1905.

AS ELEIÇÕES nos subúrbios: o partido Operario “interview” com Elisa Scheid. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, ano XXXII, n. 5, p. 2, 05 jan. 1906.

BARBOSA, M. Os donos do Rio: imprensa, poder e público. Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 2000.

BATALHA, C. (Org.). Dicionário do movimento operário na cidade do Rio de Janeiro do século XX aos anos 1920, militantes e organizações. São Paulo: Perseu Abramo, 2009.

BEAKLINI, A. V. Da escola nas oficinas à oficina como escola: sujeitos, circulação e apropriação de modelos de educação profissional na Estrada de Ferro D. Pedro II (1882-1906). 2018. 256f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2018.

BENCHIMOL, J. L. Pereira Passos: um Haussmann tropical. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1992.

BOENAVIDES, D. L. P. A escrita da mulher trabalhadora na imprensa operária brasileira da república velha: a luta contra o enclausuramento e o preconceito linguístico. 2018. 190f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação do Instituto de letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2018.

BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, M. M.; AMADO, J. (Org.). Usos & abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

CARULA, K. A imprensa feminina no Rio de Janeiro nas décadas finais do século XIX. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 24, n. 1, p. 261-279, jan./abr. 2016.

COSTA, A. L. J. O educar-se das classes populares oitocentistas no Rio de Janeiro entre a escolarização e a experiência. 2012. 274 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012.

DIRECTORIA Geral de Instrucção Publica Municipal. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, ano XXX, n. 34, p. 1, 03 fev. 1903.

DISTRICTO Federal: Prefeitura. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, ano XXX, n. 328, p. 9, 25 nov. 1920.

DUARTE, C. A história possível: imprensa e emancipação da mulher no Brasil do século XIX. Imprensa feminina e feminista no Brasil. Século XIX. Bahia: Autêntica, 2016, p. 13-28.

ESCOLAS primarias, elementares e nocturnas. Almanak administrativo, mercantil e industrial da Corte e Província do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, ano 83, v. 1, p. 713, 1927.

FRACCARO, G. C. C. Morigerados e revoltados. Trabalho e organização de ferroviários da Central do Brasil e da Leopoldina (1889-1920). 2008. 127 f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação do Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

FRACCARO, G. C. C. Os direitos das mulheres: feminismo e trabalho no Brasil (1917-1937). Rio de Janeiro: FGV, 2018.

GARZONI, L. C. Arena de combate: gênero e direitos na imprensa diária (Rio de Janeiro, início do século XX). 2012. 291 f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação do Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

GIBBS, F.; OWENS, T. The hermeneutics of data and historical writing. Writing history in the digital age. Ann. Arbor: U. of Michigan Press, 2012.

GINZBURG, C. O nome e o como. Troca desigual e mercado historiográfico. In: GINZBURG, C.; CASTELNUOVO, E.; PONI, C. (Org.). A micro-história e outros ensaios. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; Lisboa: Difel, 1991.

GOLDMACHER, M. A “greve geral” de 1903: o Rio de Janeiro nas décadas de 1890 a 1910.2009. 181 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

GOMES, C. E. D. “Instruam o operário”: Projetos, disputas e demandas por instrução para trabalhadores na imprensa do Engenho de Dentro (1890-1905). 124 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

LIMEIRA, A. M. O comércio da instrução: colégios particulares, propagandas e subvenções públicas. 2010. 282 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

MARTINS, B. C. R. “Os trabalhadores que se apresentam à noite as escolas”: sentidos e significados dos cursos noturnos para trabalhadores urbanos no Rio de Janeiro (1870-1910). 232 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

MIYASAKA, C. R. Viver nos subúrbios: A experiência dos trabalhadores de Inhaúma - Rio de Janeiro (1890-1910). Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura: Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 2011.

OPERARIOS: III – Honradez. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, ano XIII, n. 46, p. 3, 15 jan. 1903.

OS OPERARIOS: vida e costumes - - no Engenho de Dentro. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, ano XVI, n. 259, p. 8, 16 set. 1906.

OS SUBÚRBIOS: a vida operaria, uma idéa generosa - - - Diversas. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, ano XXXI, n. 151, p. 3, 31 maio 1905.

PARTIDO Operario Independente. A União Operaria, Rio de Janeiro, ano I, n. 1, p. 2, 08 out. 1905.

PIRES, I. C. S. Gênero e trabalho em fábricas de tecidos: o caso da Companhia de Fiação e Tecidos Aliança. Revista Cantareira, p. 113-126, jul./dez. 2016. Disponível em: https://periodicos.uff.br/cantareira/article/view/27852. Acesso em: 20 jun. 2019.

RIZZINI, I.; SCHUELER, A. F. M. “O feminismo transborda”: docência, produção escrita e atuação política de Aurea Corrêa na cidade do Rio de Janeiro (1900-1920). Dossiê temático “Pesquisas em História da Educação: desafios passados e contemporâneos”. Revista Práxis Educacional, v. 16, n. 38, p. 42-65, jan./mar. 2020. Disponível em: https://www.academia.edu/41550621/_O_FEMINISMO_TRANSBORDA_DOC%C3%8ANCIA_PRODU%C3%87%C3%8

O_ESCRITA_E_ATUA%C3%87%C3%83O_POL%C3%8DTICA_DE_AUREA_CORR%C3%8AA_NA_CIDADE_DO_RIO_DE_JANEIRO. Acesso em: 20 jun. 2019.

RIZZINI, I.; SCHUELER, A. F. M. Entre o mundo da casa e o espaço público: um plebiscito sobre a educação da mulher (Rio de Janeiro, 1906). Revista História e Historiografia da Educação, v. 2, n. 4, p. 122-146, jan./abr. 2018. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/rhhe/article/view/55858. Acesso em: 20 jun. 2019.

ROCHA, E. P. Vida de professora: ideias e aventuras de Leolinda de Figueiredo Daltro durante a Primeira República. Revista Mundos do Trabalho, v. 8, n. 15, p. 29-47, jan./jun. 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2016v8n15p29. Acesso em: 20 jun. 2019.

SCHUELER, A. F. M.; RIZZINI, I. Entre becos, morros e trilhos: expansão da escola primária na cidade do Rio de Janeiro (1870-1906). Cadernos de História da Educação, v. 18, n. 1, p. 160-175, jan./abr. 2019. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/view/47656. Acesso em: 20 jun. 2019.

SCHWARCZ, L. M. Lima Barreto: triste visionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667. Acesso em: 20 jun. 2019.

SERTAFY, E. R. C. Pelo trem dos subúrbios: disputas e solidariedades da ocupação do Engenho de Dentro (1870-1906). 2017. 109 f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-graduação em História Social da Cultura do Departamento de História da PUC-Rio, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

SILVA, M. G. “Operários do pensamento”: trajetórias, sociabilidades e experiências de organização docente de homens e mulheres no Rio de Janeiro (1900-1937). 2018. 304 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2018.

SILVA, P. H. P. Pedro Baptista Matera: das agitações sindicais à fundação da Escola Operária 1º de Maio. Rev. HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 19, p. 1-23, e019011, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8653053/19242. Acesso em: 14 jun. 2019.

SOIHET, R.; PEDRO, J. M. A emergência da pesquisa da história das mulheres e das relações de gênero. Revista Brasileira de História, v. 27, n. 54, p. 281-300, dez. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882007000200015&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 20 jun. 2019.

SOUZA, F. A. As cigarreiras revoltosas e o movimento operário: história da primeira greve feminina do Recife e as representações das mulheres operárias na imprensa. Cadernos Pagu, v. 55, p. 1-28, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332019000100502&tlng=pt. Acesso em: 20 jun. 2019.

TERRA, P. C. Cidadania e trabalhadores: cocheiros e carroceiros no Rio de Janeiro (1870-1906). Rio de Janeiro: Casa Civil: Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 2013.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.