Banner Portal
O processo de morte e morrer
PDF

Palavras-chave

Educação
Ensino
Currículo
Enfermagem
Morte

Como Citar

HOTT, Márden Cardoso Miranda; REINALDO, Amanda Márcia dos Santos. O processo de morte e morrer: educação da enfermagem na escola e em serviço. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020055, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8656918. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8656918. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

A equipe de enfermagem é educada visando a promoção, prevenção e tratamento dos pacientes. Diariamente permanecem em conflito lutando a favor da vida e contra a morte. Mesmo que os avanços científicos e tecnológicos proporcionem a elevação da expectativa de vida dos assistidos, a formação e o amadurecimento destes trabalhadores para lidarem com a possível prorrogação, porém inevitável finitude parece não acompanhar esse cenário. O ensaio teórico apresentado busca demonstrar que a necessidade de implementação de disciplinas que contemplem o processo de morte e morrer nos currículos escolares, bem como a educação em serviço para enfermeiros e técnicos em enfermagem se faz urgente. Conclui-se que a abertura do espaço para discussão que enfoque a temática poderá instrumentalizar os trabalhadores de saúde para o enfrentamento de um processo que é natural, mas que envolve muitas variáveis, especialmente no que tange a própria saúde emocional da equipe e as relações interpessoais.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8656918
PDF

Referências

ARIÈS, P. A História da morte no ocidente. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

ARIÈS, P. O Homem perante a morte I e II. Lisboa: Publicações Europa-America, 2000.

BARROS DE OLIVEIRA, J. H. Viver a morte – abordagem antropológica e psicológica. Coimbra: Livraria Almedina, 1998.

BENEDETTI, G. M. S. et al. Significado do processo morte/morrer para os acadêmicos ingressantes no curso de enfermagem. Rev Gaúcha Enferm. v. 34, n. 1, p. 173-179, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472013000100022&lng=en&nrm=iso.Acesso em: 05 maio 2019.

BOTH, J. E. et al. The dyinganddeathofelderlyhospitalized in perspective ofnursingprofissionals. Rev. Cienc. Cuid. Saúde, v. 12, n. 2, p. 558-565, 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/317453919. Acesso em: 20 maio 2019.

CARDOSO, M. F. P. T.; RIBEIRO, O. M. P. L.; MARTINS, M. M. F. P. S. A morte e o morrer: contributos para uma prática sustentada em referenciais teóricos de enfermagem. Rev. Gaúcha Enferm, v. 40, e20180139, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198314472019000100406&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 abr. 2019.

GALVÃO; N. A. R. et al. A morte e o morrer sob a ótica dos profissionais da saúde. Revista Estima, v. 8, n. 4, p. 26-34, 2010. Disponível em: http://www.revistaestima.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=47:artigo- original-2&catid=17:edicao-vol-84&Itemid=88. Acesso em: 20 maio 2019.

INCONTRI, D.; SANTOS, F. S. As leis, a educação e a morte: uma proposta pedagógica de tanatologia no Brasil. International Studieson Law andEducation, CEMOrOc-Feusp, IJI-Univ. do Porto, 2011. Disponível em: https://docplayer.com.br/12377466-As-leis-a-educacao-e-a-morte-uma-proposta-pedagogica-de-tanatologia-no-brasil.html. Acesso em: 20 maio 2019.

KOVACS, M. J. Um estudo sobre o medo da morte em estudantes universitários nas áreas de saúde, humanas e exatas. 1985. Tese (Doutorado) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1985. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/enfermagem/resource/pt/pte-25498. Acesso em: 01 jun. 2019.

KÜBLER-ROSS, E. Death: the final stageofgrowth: “Death as partofmyownpersonallife”. New York: Touchstone, 1986. p. 119-126.

MACHADO, M. H. et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sócio demográfico. Enferm. Foco, v. 6 n. 1-4, p. 11-17, 2016. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/686. Acesso em: 01 jun. 2019.

MAGALHÃES, M. J. B.et al. Sentimentos dos enfermeiros ao cuidar do paciente terminal. Interd. v. 105, n.9, p. 89-93, 2007. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=15651&indexSearch=ID . Acesso em: 01 jun. 2019.

MASSARINI, L.; BARBOSA, A. M. G. C. Convivendo com a morte e o morrer. Considerações sobre as bases de uma filosofia trágica. Diálogos Interdisciplinares, v. 2, n. 3, p. 52-63, 2013. Disponível em: https://revistas.brazcubas.br/index.php/dialogos/article/view/37. Acesso em: 20 maio 2019.

MONTEIRO, F. F.; OLIVEIRA, M.; VALL, J. A importância dos cuidados paliativos na enfermagem. Revista Dor Online, v. 11, n. 3, p. 242-248, 2010. Disponível em: http://unimagemwebcast.com.br/webcast/revistador/Dor/2010/volume_11/n%C3%BAmero_3/pdf/volume_11_n_3_pags_242_a_248.pdf. Acesso em: 30 maio 2019.

MOTA, M. S. et al. Reações e sentimentos de profissionais de enfermagem frente à morte dos pacientes sob seus cuidados. Rev Gaúcha Enferm. v. 32, n. 1, p. 129-133, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472011000100017. Acesso em: 20 maio 2019.

OGUISSO, T. Trajetória histórica e legal da enfermagem. 2. ed. São Paulo: Manole, 2007.

SALOMÉ, G.; CAVALI, A.; ESPÓSITO, V. H. C. Sala de Emergência: O cotidiano das vivências com a morte e o morrer pelos profissionais da saúde. RevBrasEnferm, v. 62, n. 5, p. 681-686, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672009000500005. Acesso em: 01 jun. 2019.

SANTOS, F. S. (org.). A arte de cuidar- saúde, espiritualidade e educação. Bragança Paulista: Comenius, 2010.

SARTORI, A. V.; BATTISTEL, A. L. H. T. A abordagem da morte na formação de profissionais e acadêmicos da enfermagem, medicina e terapia ocupacional. Cad. Bras. Ter. Ocup., São Carlos, v. 25, n. 3, p. 497-508, 2017. Disponível em: http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/2526-8910.ctoAO0770. Acesso em: 01 jun. 2019.

SEVERINO, A. A busca do sentido da formação humana: tarefa da Filosofia da Educação. Educação e Pesquisa, v. 3, n. 32, p. 619-634, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-97022006000300013. Acesso em: 01 jun. 2019.

SUS. Rede Humaniza SUS. 2003. Disponível em: http://redehumanizasus.net/. Acesso em: 19 abr. 2020.

WHO. World Health Organization. OMS: Definição de cuidados paliativos. Genebra. 2002. Disponível em: https://www.who.int/cancer/palliative/definition/en. Acesso em: 19 abr. 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.