Políticas e reformas curriculares no Brasil

perspectiva de currículo a partir da pedagogia histórico-crítica versus a base nacional curricular comum e a pedagogia das competências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8656967

Palavras-chave:

Base nacional comum curricular, Pedagogia histórico-crítica, Pedagogia das competências

Resumo

Tendo em vista que, aproximadamente, nos últimos 20 anos a questão do currículo escolar e outras políticas educacionais têm sido alvo de constantes reformas no Brasil, o nosso objetivo neste trabalho, é o de expor as reformas curriculares que ocorreram e como se constituiu o processo de elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) em vigência atualmente no país (BRASIL, 2017, 2018), assim como, analisar e expor alguns princípios da pedagogia que direciona o documento: a pedagogia das competências. Na sequência expomos a compreensão e defesa do que é currículo e conhecimento escolar a partir dos pressupostos da pedagogia histórico-crítica, que tem seus fundamentos teóricos ancorados no materialismo histórico e dialético. Buscamos com isso, demostrar que a concepção de formação que norteia a BNCC, é fundamentada numa racionalidade instrumental e utilitária, direcionada por interesses empresariais. Analisamos que a intenção, da mesma, é aprofundar o esvaziamento da função da escola, do professor e do currículo escolar, negando o conhecimento objetivo e sistematizado e reforçando uma pedagogia pragmática, utilitarista e tecnicista, que tem por objetivo a formação técnica para o emprego e não a formação para o trabalho com o sentido na emancipação humana. Concomitantemente, observamos que a concepção que direciona a BNCC tem como objetivo final o controle absoluto do processo de formação dos indivíduos, via o controle do currículo para educação básica, formação de professores e a avaliação em larga escala.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Malanchen, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista. Professora Adjunta na Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Silvia Alves dos Santos, Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Professora do Departamento de Educação pela Universidade Estadual de Londrina.

Referências

BRASIL. (Constituição de 1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Promulgada em 05 de outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017 e 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 15 abr. 2019

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, Versão preliminar 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Lei no 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica de n. 4 de 13 de julho de 2010. Brasília, 2010a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares para a Educação Infantil de n. 5 de 17 de dezembro de 2009. Brasília, 2009. Disponível em: portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental de nove anos, n. 7 de 14 de dezembro de 2010, Brasília, 2010b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=12992:diretrizes-para-a-educacao-basica. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio, n. 2 de 20 de janeiro de 2012. Brasília, 2012. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=12992:diretrizes-para-a-educacao-basica. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Introdução dos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC: SEF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 20 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014-2024. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF, 2014.

CÓSSIO, M. de. F. Base Comum Nacional: uma discussão para além do currículo. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, out./dez. 2014.

DUARTE, N. A contradição entre universalidade da cultura humana e o esvaziamento das relações sociais: por uma educação que supere a falsa escolha entre etnocentrismo ou relativismo cultural. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 607-618, set./dez. 2006.

DUARTE, N. A individualidade para si. Contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do individuo. Campinas, SP: Autores Associados, 2013. Edição Comemorativa.

DUARTE, N. O debate sobre as teorias pedagógicas na atualidade. MARTINS, L. M.; DUARTE, N. (Org.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias [online]. São Paulo: Editora UNESP: Cultura Acadêmica, 2010. 191 p. Disponível em: http://books.scielo.org. Acesso em: 10 abr. 2019.

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões?: quatro ensaios crítico-dialéticos em filosofia da educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 2. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2001. (Coleção educação contemporânea).

KUENZER, A. Conhecimento e competências no trabalho e na escola. Boletim técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, maio/ago. 2002.

KUENZER, A. Ensino médio e profissional: as políticas do Estado neoliberal. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Moraes 1978.

MACEDO, E. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para a educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, out./dez. 2014.

MALANCHEN, J. Cultura, conhecimento e currículo: contribuições da pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2016.

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

MERCADO, E. L. de. O.; FUMES, N. de. L. F. Base Nacional Comum Curricular e a Educação Especial no Contexto da Inclusão Escolar. ENCONTRO INTERNACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES, 10.; FÓRUM

PERMANENTE INTERNACIONAL DE INOVAÇÃO EDUCACIONAL, 11., 2017, Aracaju. Anais [...]. Aracaju: Unit, 2017.

MORAES, M. C. M. (Org.). Iluminismo às avessas: produção de conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

MOURA, D. H.; L. FILHO, D. L. A reforma do ensino médio: regressão de direitos sociais. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 109-129, jan./jun. 2017.

PAULANI, L. O projeto neoliberal para a sociedade brasileira: sua dinâmica e seus impasses. In: PAULANI, L. Brasil delivery. São Paulo: Boitempo, 2008.

PAZINI, R. R. A quem serve a base nacional comum curricular?: dos apontamentos críticos na área de ciências humanas à análise específica do curso de história (UNIOESTE). Revista Temas & Matizes, Cascavel, v. 11, n. 20, p. 44-65, jan./jun. 2017.

PEÇANHA, V. L. Pedagogia das competências: a nova diretriz da formação escolar na sociedade capitalista. JORNADA DO HISTEDBR, 12.; SEMINÁRIO, 10., 2014, Caxias, MA. Anais [...]. Caxias, MA, 2014.

PORTELINHA, Â. M. S. et al. A educação infantil no contexto das discussões da base nacional comum curricular. Revista Temas & Matizes, Cascavel, v. 11, n. 20, p. 30-43, jan./jun., 2017.

RAMOS, M. N. Pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 3. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SAVIANI, D. Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Revista de Educação Movimento, v. 3, n. 4, 2016.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum a consciência filosófica. Campinas, SP: Autores Associados, 1996.

SAVIANI, D. Histórias das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

SAVIANI, D.; DUARTE, N. A formação humana na perspectiva histórico-ontológica. In: DUARTE, N.;

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-crítica e luta de classes na educação escolar Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SFORNI, M. S. de. F.; VIEIRA, V. A. M. de. A. O papel da educação escolar no relatório Jacques Delors e nos Parâmetros Curriculares Nacionais. Disponível em: www.nre.seed.pr.gov.br/cianorte/. 2010. Acesso em: 24 abr. 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-09

Como Citar

MALANCHEN, J.; SANTOS, S. A. dos . Políticas e reformas curriculares no Brasil: perspectiva de currículo a partir da pedagogia histórico-crítica versus a base nacional curricular comum e a pedagogia das competências. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020017, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8656967. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8656967. Acesso em: 30 nov. 2021.