Banner Portal
Políticas e reformas curriculares no Brasil
PDF

Palavras-chave

Base nacional comum curricular
Pedagogia histórico-crítica
Pedagogia das competências

Como Citar

MALANCHEN, Julia; SANTOS, Silvia Alves dos. Políticas e reformas curriculares no Brasil: perspectiva de currículo a partir da pedagogia histórico-crítica versus a base nacional curricular comum e a pedagogia das competências. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020017, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8656967. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8656967. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

Tendo em vista que, aproximadamente, nos últimos 20 anos a questão do currículo escolar e outras políticas educacionais têm sido alvo de constantes reformas no Brasil, o nosso objetivo neste trabalho, é o de expor as reformas curriculares que ocorreram e como se constituiu o processo de elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) em vigência atualmente no país (BRASIL, 2017, 2018), assim como, analisar e expor alguns princípios da pedagogia que direciona o documento: a pedagogia das competências. Na sequência expomos a compreensão e defesa do que é currículo e conhecimento escolar a partir dos pressupostos da pedagogia histórico-crítica, que tem seus fundamentos teóricos ancorados no materialismo histórico e dialético. Buscamos com isso, demostrar que a concepção de formação que norteia a BNCC, é fundamentada numa racionalidade instrumental e utilitária, direcionada por interesses empresariais. Analisamos que a intenção, da mesma, é aprofundar o esvaziamento da função da escola, do professor e do currículo escolar, negando o conhecimento objetivo e sistematizado e reforçando uma pedagogia pragmática, utilitarista e tecnicista, que tem por objetivo a formação técnica para o emprego e não a formação para o trabalho com o sentido na emancipação humana. Concomitantemente, observamos que a concepção que direciona a BNCC tem como objetivo final o controle absoluto do processo de formação dos indivíduos, via o controle do currículo para educação básica, formação de professores e a avaliação em larga escala.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8656967
PDF

Referências

BRASIL. (Constituição de 1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Promulgada em 05 de outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017 e 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 15 abr. 2019

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, Versão preliminar 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Lei no 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei nº 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica de n. 4 de 13 de julho de 2010. Brasília, 2010a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares para a Educação Infantil de n. 5 de 17 de dezembro de 2009. Brasília, 2009. Disponível em: portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental de nove anos, n. 7 de 14 de dezembro de 2010, Brasília, 2010b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=12992:diretrizes-para-a-educacao-basica. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio, n. 2 de 20 de janeiro de 2012. Brasília, 2012. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=12992:diretrizes-para-a-educacao-basica. Acesso em: 15 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Introdução dos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC: SEF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 20 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014-2024. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF, 2014.

CÓSSIO, M. de. F. Base Comum Nacional: uma discussão para além do currículo. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, out./dez. 2014.

DUARTE, N. A contradição entre universalidade da cultura humana e o esvaziamento das relações sociais: por uma educação que supere a falsa escolha entre etnocentrismo ou relativismo cultural. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 607-618, set./dez. 2006.

DUARTE, N. A individualidade para si. Contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do individuo. Campinas, SP: Autores Associados, 2013. Edição Comemorativa.

DUARTE, N. O debate sobre as teorias pedagógicas na atualidade. MARTINS, L. M.; DUARTE, N. (Org.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias [online]. São Paulo: Editora UNESP: Cultura Acadêmica, 2010. 191 p. Disponível em: http://books.scielo.org. Acesso em: 10 abr. 2019.

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões?: quatro ensaios crítico-dialéticos em filosofia da educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 2. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2001. (Coleção educação contemporânea).

KUENZER, A. Conhecimento e competências no trabalho e na escola. Boletim técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, maio/ago. 2002.

KUENZER, A. Ensino médio e profissional: as políticas do Estado neoliberal. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Moraes 1978.

MACEDO, E. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para a educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, out./dez. 2014.

MALANCHEN, J. Cultura, conhecimento e currículo: contribuições da pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2016.

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

MERCADO, E. L. de. O.; FUMES, N. de. L. F. Base Nacional Comum Curricular e a Educação Especial no Contexto da Inclusão Escolar. ENCONTRO INTERNACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES, 10.; FÓRUM

PERMANENTE INTERNACIONAL DE INOVAÇÃO EDUCACIONAL, 11., 2017, Aracaju. Anais [...]. Aracaju: Unit, 2017.

MORAES, M. C. M. (Org.). Iluminismo às avessas: produção de conhecimento e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

MOURA, D. H.; L. FILHO, D. L. A reforma do ensino médio: regressão de direitos sociais. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 109-129, jan./jun. 2017.

PAULANI, L. O projeto neoliberal para a sociedade brasileira: sua dinâmica e seus impasses. In: PAULANI, L. Brasil delivery. São Paulo: Boitempo, 2008.

PAZINI, R. R. A quem serve a base nacional comum curricular?: dos apontamentos críticos na área de ciências humanas à análise específica do curso de história (UNIOESTE). Revista Temas & Matizes, Cascavel, v. 11, n. 20, p. 44-65, jan./jun. 2017.

PEÇANHA, V. L. Pedagogia das competências: a nova diretriz da formação escolar na sociedade capitalista. JORNADA DO HISTEDBR, 12.; SEMINÁRIO, 10., 2014, Caxias, MA. Anais [...]. Caxias, MA, 2014.

PORTELINHA, Â. M. S. et al. A educação infantil no contexto das discussões da base nacional comum curricular. Revista Temas & Matizes, Cascavel, v. 11, n. 20, p. 30-43, jan./jun., 2017.

RAMOS, M. N. Pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 3. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SAVIANI, D. Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Revista de Educação Movimento, v. 3, n. 4, 2016.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum a consciência filosófica. Campinas, SP: Autores Associados, 1996.

SAVIANI, D. Histórias das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007.

SAVIANI, D.; DUARTE, N. A formação humana na perspectiva histórico-ontológica. In: DUARTE, N.;

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-crítica e luta de classes na educação escolar Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SFORNI, M. S. de. F.; VIEIRA, V. A. M. de. A. O papel da educação escolar no relatório Jacques Delors e nos Parâmetros Curriculares Nacionais. Disponível em: www.nre.seed.pr.gov.br/cianorte/. 2010. Acesso em: 24 abr. 2019.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.