Banner Portal
As relações entre divisão do trabalho, classe social e educação na antiguidade e suas repercussões na atualidade
PDF

Palavras-chave

Trabalho
Educação
Classes sociais
Dominação

Como Citar

ROGGENKAMP, Carla Irene. As relações entre divisão do trabalho, classe social e educação na antiguidade e suas repercussões na atualidade. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020059, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8657164. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8657164. Acesso em: 25 jul. 2024.

Resumo

As relações entre a divisão do trabalho e as classes sociais perpassam a história da humanidade. Considera-se que tais relações trazem profundas implicações para a educação. Assim sendo, este artigo tem por objetivo refletir sobre o caráter histórico das relações de dominação e poder vinculadas ao mundo do trabalho, que determinam o antagonismo social entre senhores e trabalhadores (que constituem as duas classes sociais fundamentais), e, consequentemente, as ideias e a educação em cada período do desenvolvimento social. A partir das considerações de Adorno e Horkheimer (1985) sobre o mito de Ulisses em seu encontro com as sereias, registrado na obra Odisseia, de Homero, se estabelece um debate sobre a separação, ora rígida, ora tênue, entre o trabalho produtivo/manual e intelectual/espiritual, na antiguidade, condições estas que repercutem até a atualidade.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8657164
PDF

Referências

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ANDERY, M. A. P. A. et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

ARANHA, M. L. A. Filosofia da educação. São Paulo: Moderna, 1989a.

ARANHA, M. L. A. História da educação. São Paulo: Moderna, 1989b.

ARISTÓTELES. Política. São Paulo: Martin Claret, 2001.

CAMBI, F. História da pedagogia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP (FEU), 1999.

CARDOSO, C. F. S. O trabalho compulsório na antiguidade: ensaio introdutório e coletânea de fontes primárias. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2003.

CHÂTELET, F. Uma história da razão: entrevistas com Émile Noël. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

HAUSER, A. História social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

HEGEL, G. W. F. Curso de estética: o belo na arte. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

LUZURIAGA, L. História da educação e da pedagogia. São Paulo: Editora Nacional, 1990.

MANACORDA, M. A. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, 2002.

MIGEOTTE, L. Os filósofos gregos e o trabalho na antiguidade. In: MERCURE, D.; SPURK, J. (Org.). O trabalho na história do pensamento ocidental. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

SOUSA JUNIOR, W. M. As fenícias de Eurípides: estudo e tradução. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

TONET, I. Método científico: uma abordagem ontológica. São Paulo: Instituto Lukács, 2013.

VIEIRA, A. L. B. Trabalho e cidadania: o ideal de cidadão ateniense no século V a.C. In: LESSA, F. S.; SILVA, A. C. L. F. (Org.). História e trabalho: entre artes e ofícios. Rio de Janeiro: Mauad, 2008.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Carla Roggenkamp

Downloads

Não há dados estatísticos.