Banner Portal
Mercantilização da educação, escola pública e trabalho educativo
PDF

Palavras-chave

Trabalho educativo
Mercantilização
Projetos de educação

Como Citar

MARTINS, André Silva; PINA, Leonardo Docena. Mercantilização da educação, escola pública e trabalho educativo: uma análise a partir da pedagogia histórico-crítica. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020052, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8657754. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8657754. Acesso em: 22 jul. 2024.

Resumo

O presente texto se fundamenta no materialismo histórico e na pedagogia histórico-crítica para analisar o significado da mercantilização da educação e apreender suas repercussões nas escolas públicas do Brasil contemporâneo. O que significa mercantilização da educação? Quais processos político-econômicos condicionam a mercantilização da educação? Quais são as repercussões desse projeto no trabalho educativo? Na tentativa de responder essas questões, o texto comprova que a mercantilização da educação deve ser entendida como um projeto político-ideológico da classe empresarial que se destina a reduzir o direito social à educação a mero serviço mercantil integrado à dinâmica do “mundo dos negócios”, envolvendo a produção da sociabilidade e o incremento do ciclo de reprodução do capital. Não obstante, esse projeto redefine o trabalho educativo: de ação intencional que se destina à formação de humanidade através da transmissão das formas mais desenvolvidas do conhecimento científico, filosófico e artístico à atividade voltada ao treinamento de competências consideradas úteis ao cotidiano dos estudantes.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8657754
PDF

Referências

ADRIÃO, T. et al. Uma modalidade peculiar de privatização da educação pública: a aquisição de “sistemas de ensino” por municípios paulistas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 108, p. 799-818, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v30n108/a0930108.pdf. Acesso em: 10 mar. 2019.

AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA. Orçamento federal executado (pago) em 2019. 2020. Disponível em: https://auditoriacidada.org.br/wp-content/uploads/2020/05/Orcamento-2019-PDF.pdf. Acesso em: 23 ago. 2020

BANCO MUNDIAL. Por um ajuste junto com crescimento compartilhado. Uma agenda de reformas para o Brasil. 2018. Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/pt/884871511196609355/text/121480-REVISED-PORTUGUESE-Brazil-Public-Expenditure-Review-Overview-Portuguese-Final-revised.txt. Acesso em: 19 out. 2018.

BECSKEHÁZY, I.; LOUZANO, P. Sala de aula estruturada: o impacto do uso de sistemas de ensino nos resultados da Prova Brasil – um estudo quantitativo no estado de São Paulo. [201-]. Disponível em: http://www.fundacaolemann.org.br/uploads/estudo sala_de_aula_estruturada_ilona_becskehazy_e_paula_louzano.pdf?_ga=1.246066503.2123516450.1449235915. Acesso em: 20 jan. 2016.

BEHRING, E. R. Fundo público, exploração e expropriações no capitalismo em crise. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E O MARXISMO, 2017, Niterói. Anais [...] Niterói, 2017, p. 1-25. Disponível em: http://www.niepmarx.blog.br/MM2017/anais2017/MC44/mc443.pdf. Acesso em: 27 jun. 2018.

BRASIL. Emenda constitucional n. 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília, DF, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc95.htm. Acesso em: 22 ago. 2020.

BRASIL. Plano diretor da reforma do aparelho de estado. Define objetivos e estabelece diretrizes para a reforma da administração pública brasileira. Brasília, DF, 1995.

CARNOY, M. É preciso controlar o que acontece na sala de aula. São Paulo: Fundação Lemann, 2010. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=RBHJBrTFx64&index=37&list=PLiRvxKpahS16V0N1RElCLvmHVi0-7Gt2. Acesso em: 15 fev. 2016.

CHAVES, E. O. C. O liberalismo na política, economia e sociedade e suas implicações para a educação: uma defesa. In: LOMBARDI, J. C.; SANFELICE, J. L. (Org.). Liberalismo e educação em debate. Campinas: Autores Associados, 2007.

CHESNAIS, F. (Org.). A finança mundializada: raízes sociais e políticas, configuração, consequências. São Paulo: Boitempo, 2005.

COUTINHO, C. N. Contra a corrente: ensaios sobre democracia e socialismo. São Paulo: Cortez, 2000.

DUARTE, N. Luta de classes, educação e revolução. In: SAVIANI, D.; DUARTE, N. (Org.). Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas: Autores Associados, 2012.

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? Quatro ensaios crítico-dialéticos em filosofia da educação. Campinas: Autores Associados, 2003.

FREITAS, L. C. Os novos reformadores: pode a privatização melhorar a educação pública? Mouro: revista marxista – Núcleo de Estudos d’O, ano 6, n. 9, p. 53-66, jan. 2015.

FUNDAÇÃO ITAU SOCIAL. Guia de tutoria pedagógica. [201-]. Disponível em: http://fundacao-itau-social-producao.s3.amazonaws.com/files/s3fs-public/biblioteca/documentos/tutoriapedagogica.pdf?V24jDF.33d88JXFd1WEef_RdXbQUSj4e. Acesso em: 15 fev. 2016.

FUNDAÇÃO LEMANN. Gestão de sala de aula. Disponível em: http://www.fundacaolemann.org.br/gestao-de-sala-de-aula/. Acesso em: 04 fev. 2016.

GALL, N.; GUEDES, P. M. A reforma educacional de Nova York. Possibilidades para o Brasil. São Paulo: Fundação Itaú Social, 2012.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. v. 2.

GRAMSCI, A. Escritos políticos. Lisboa: Seara Nova, 1976. v. 1.

HARVEY, D. A loucura da razão econômica: Marx e o Capital no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2018.

KOSIK, K. Dialética do concreto. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

LEMOV, D. Aula nota 10: 49 técnicas para ser um professor campeão de audiência. São Paulo: Da Boa Prosa/Fundação Lemann, 2011.

LÜCK, H. Dimensões da gestão escolar e suas competências. São Paulo/Curitiba: Fundação Lemann/Positivo, 2009.

MARX, K. Manuscritos econômicos e filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, K. O Capital. Crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

MELLO, G. N de. Como um bom sistema de ensino pode melhorar o aprendizado. 2010. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=5QEk5-cPIdQ. Acesso em: 24 out. 2014.

MONTAÑO, C. Pobreza, “questão social” e seu enfrentamento. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 110, p. 270-287, abr./jun. 2012.

NETTO, J. P. Cinco notas a propósito da “questão social”. Revista Temporalis, ano 2, n. 3, p. 41-49, jan./jul. 2001.

NEVES, L. M. W. Educação e política no Brasil de hoje. São Paulo: Cortez, 1993.

OLIVEIRA, F. O surgimento do antivalor: capital, força de trabalho e fundo público". Novos Estudos Cebrap, n. 22, p. 8-28, 1988.

PASTORINI, A. A categoria “questão social” em debate. São Paulo: Cortez, 2004.

PINA, L. D. “Responsabilidade social” e educação escolar: o projeto de educação básica da “direita para o social” e suas repercussões na política educacional do Brasil contemporâneo. 2016. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016. Disponível em: http://repositorio.ufjf.br:8080/jspui/bitstream/ufjf/2252/1/leonardodocenapina.pdf. Acesso em: 24 out. 2017.

RAVITCH. D. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

RODRIGUES, J. Os empresários e a educação superior. Campinas: Autores Associados, 2007.

SARDINHA, R. C. O projeto procentro e as escolas charter: investigação de um modelo educacional defendido pela Fundação Itaú Social. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: https://ppge.educacao.ufrj.br/dissertacoes2013/drafaelasardinha.pdf. Acesso em: 15 mar. 2016

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 19. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. 38. ed. Campinas: Autores Associados, 2006.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2011.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 9. ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

SCHULTZ, T. Capital humano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.