A frágil democracia brasileira

reflexões a partir da biografia de Valter Pinheiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8658447

Palavras-chave:

Biografia, Ditadura Militar, Democracia

Resumo

Este texto tem como objeto de estudo a trajetória de Valter Pinheiro durante a ditadura de 1964, e pretende ser ponto de reflexão sobre a democracia, estando direcionado em especial aos jovens, hoje, imbuídos da luta democrática, no contexto do aprofundamento da crise do capital, do qual o governo anômalo de Bolsonaro é uma expressão. O presente trabalho pretende observar os fios que ligam a vida do biografado ao contexto da época em tela, buscando nessa relação entre biografia e contexto contribuir para o retrato da juventude de 1964 envolvida com a educação, trazendo uma leitura não apenas do ativismo político/educacional do biografado, mas também das instituições de ensino pelas quais passou. As fontes utilizadas são materiais primários, advindas de entrevistas feitas ao longo do desenvolvimento desse trabalho, bem como materiais secundários, como documentos oficiais da Comissão Verdade e Justiça. Postulamos que, assim como a juventude 1964, a atual juventude saberá, para além dos dispositivos conservadores e entreguistas de nossos meios de comunicação, dissuadir-se da teia de submissão imposta pelas redes sociais e, ao sabor das denúncias dos arranjos para minar nossa frágil democracia, lutar pelo retorno nos marcos da luta burguesa, hoje negada por essa mesma burguesia ou quem sabe trilhar caminhos para além desse postulado burguês que, por certo, não atende aos interesses da classe trabalhadora, traçando dessa forma, novas forma de sociabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lenúcia de Moura, Universidade Estadual do Ceará

Doutorado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora Adjunta da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

 

 

Charliton José dos Santos Machado, Universidade Federal da Paraíba

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professor Titular da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

 

 

José Eudes Baima Bezerra, Universidade Estadual do Ceará

Doutorado em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor Adjunto da Universidade Estadual do Ceará (UECE).

 

 

Referências

CARVALHO, J. M. Mandonismo, coronelismo, clientelismo: uma discussão conceitual. Dados, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, 1997.

CUNHA, L. A. Educação, Estado e democracia no Brasil. São Paulo: Cortez, 1991.

FERRAROTTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde. Depart. de Recursos Humanos da Saúde: Centro de Formação e Aperfeiçoamento Profissional, 1988. p. 17-34.

FREITAG, B. Escola, Estado e sociedade. 4. ed. rev. São Paulo: Moraes: 1980. (Coleção Educação Universitária).

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Maurice Halbwachs. Tradução de Laurent Leon Schaffter. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais LTDA, 1990. Traduzido do original francês La Mèmoire Collective.

JAGUARIBE, H. Introdução ao desenvolvimento social. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LE GOFF, J. História e memória. Tradução Bernardo Leitão et al. 4. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1996.

MOTTA, R. P. S. A modernização autoritário conservadora nas universidades e a influência da cultura política. In: REIS FILHO, D. A.; RIDENTE, M.; SÁ MOTTA, R. P. (Org.) A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2014a. p. 48-65.

MOTTA, R. P. S. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2014b.

PINHEIRO, V. Entrevista I. Repensando o lugar de fala [Entrevista concedida] à Maria Lenúcia de Moura. Fortaleza, 23 ago. 2018.

PINHEIRO, V. Entrevista II. Vida acadêmica [Entrevista concedida] à Maria Lenúcia de Moura. Fortaleza, 19 mar. 2019a.

PINHEIRO, V. Entrevista III. Nova síntese [Entrevista concedida] à Maria Lenúcia de Moura. Fortaleza, 14 jun. 2019b.

PINHEIRO, V. Entrevista IV. O sequestro [Entrevista concedida] à Maria Lenúcia de Moura. Fortaleza, 19 set. 2020. Entrevista feita após pedido de mudanças no texto pela revista.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RICOER, P. A memória, a história e o esquecimento. Tradução: Alain François [et al]. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

SOARES, G. A.; D. D’ARAÙJO, M. C. (Org.). 21 anos de regime militar: balanços e perspectivas. Rio de Janeiro: FGV, 1994.

THOMPSON, P. A voz do passado: história oral. Tradução Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

MOURA, M. L. de .; MACHADO, C. J. dos S. .; BEZERRA, J. E. B. . A frágil democracia brasileira: reflexões a partir da biografia de Valter Pinheiro. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021018, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8658447. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8658447. Acesso em: 19 set. 2021.