Positivismo, educação e hegemonia

diálogos entre José Veríssimo e Benjamin Constant

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8659485

Palavras-chave:

Positivismo, Hegemonia, Educação

Resumo

O exercício de reflexão presente neste estudo procura compreender e analisar a presença da filosofia positiva de Auguste Comte, entre finais do século XIX e início do século XX - momento de transformações econômicas, sociais e fundamentalmente política - entre os círculos intelectuais no Brasil, com particular interesse em sua introdução no pensamento educacional brasileiro. Com efeito, procuramos incidir nossa pesquisa pela difusão do positivismo na educação a partir de dois intelectuais específicos: Benjamin Constant e José Veríssimo. Por ambos, traçarem um debate que buscava, cada qual a seu modo, a partir do ideário positivista, empreender mudanças que trariam ao Brasil o progresso e a ordem civilizatória nos mesmos marcos que se dispunham na Europa ocidental e nos Estados Unidos. Intencionamos, deste modo, expressar que a formação de certas camadas intelectuais, centradas nos preceitos positivistas, manifestava a busca por hegemonia, no sentido explicitado por Antonio Gramsci (2000, 2004), de uma elite republicana e abolicionista, composta por frações militares, funcionários públicos, bem como, de uma pequena burguesia ainda em formação constituída por profissionais liberais, tais como, escritores, médicos, jornalistas, entre outros. Tal grupo, longe de expressarem um todo coeso, procurava disputar suas concepções de mundo junto ao Estado brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helton Messini da Costa, Universidade Federal Fluminense

Mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense. Bolsista no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) junto à Universidade Federal Fluminense.

Referências

ALONSO, A. Apropriação das ideias no Segundo Reinado. In: GRINBERG, K.; SALLES, R. O Brasil Imperial: 1870 - 1889. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileiro, 2011. V. 3

ALVES, C. A Educação Nacional de José Veríssimo. In: XAVIER, M. do C.; HAMDAN, J. C. (Org.). Clássicos da educação brasileira. Belo Horizonte: Mazza, 2011. V. 2.

BOSI, A. Do positivismo à desconstrução: ideias francesas na América. São Paulo: EDUSP, 2004.

BOTO, C. Instrução pública e projeto civilizador: o século XVIII como intérprete da ciência, da infância e da escola. São Paulo: Ed. da UNESP, 2017.

BRASIL. Decreto n. 1.331 - A, de 17 de fevereiro de 1854. Rio de Janeiro, 1854. Disponível em: https://bit.ly/3u4zDN7. Acesso em: 21 jan. 2019.

BRASIL. Decreto n. 7.247, de 19 de abril de 1879. Rio de Janeiro, 1879. Disponível em: https://bit.ly/2ZqgLwO. Acesso em: 19 jan. 2020.

BRASIL. Decreto n. 981, de 8 de novembro de 1890. Rio de Janeiro, 1890. Disponível em: https://bit.ly/3ilQUfW. Acesso em: 21 jan. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: https://bit.ly/3CJidse. Acesso em: 07 mar. 2021.

CARVALHO, J. M. de. Introdução: o nacionalismo crítico de José Veríssimo. In: VERÍSSIMO, J. A educação nacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Topbooks; Belo Horizonte: Ed. da Pontifícia Universidade Católica de Minas, 2013.

CARVALHO, J. M. de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

CHAUÍ, M. A teoria marxista hoje: problemas e perspectivas. Bueno Aires: CLACSO, 2007. Disponível em: https://bit.ly/2ZsqHG4. Acesso em; 06 mar. 2020.

COMTE, A. Sociologia. Tradução e organização de Evaristo de Moraes Filho. 3. ed. São Paulo: Editora Ática, 1989.

CONDORCET, J.A.N. de C. M. de. Cinco memórias sobre a instrução pública. Tradução e apresentação de Maria das Graças de Souza. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

CUNHA, L. A. A educação brasileira na primeira onda laica: do Império à República. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2W6dktM. Acesso em; 02 fev. 2020.

CUNHA, L. A. O projeto reacionário de educação. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3lUwLhX. Acesso em: 18 jan. 2020.

DREIFUSS, R. A. 1964: a conquista do Estado: ação política, poder e golpe de classe. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

FAUSTO, B. História concisa do Brasil. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo. 2001.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5. ed. São Paulo: Globo, 2005.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Introdução ao estudo da filosofia; a filosofia de Benedetto Croce. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. V. 1.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Maquiavel. Notas sobre o estado e a política. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. V. 3

GRAMSCI, A. Socialismo e cultura. In: GRAMSCI, A. Escritos políticos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. V. 1.

INSTITUTO BENJAMIN CONTANT. 150 anos do Instituto Benjamin Constant. Rio de Janeiro: Instituto Benjamin Constant, 2007.

LEMOS, R. A alternativa republicana e o fim da monarquia. In: GRINBERG, K.; SALLES, R. O Brasil Imperial: 1870-1889. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileiro, 2011a. V. 3.

LEMOS, R. Benjamin Constant vida e história: reflexões sobre o fazer biográfico. Revista ArtCultura, Uberlândia, v. 13, n. 22, jan./jun. 2011b. Disponível em: https://bit.ly/3zySSPN. Acesso em: 12 jan. 2020.

LEMOS, R. Benjamin Constant: biografia e explicação histórica. Revista estudos históricos. v. 10, n. 19, 1997. Disponível em: https://bit.ly/3kBW5Ki. Acesso em: 12 jan. 2020.

LINS, I. M. de B. História do positivismo no Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967.

LÖWY, M. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. Tradução de Juarez Guimarães e Suzanne Felice Léwy. 5. ed. São Paulo: Cortez, 1994.

MORAES FILHO, E. Introdução. In: COMTE, A. Sociologia. Tradução e organização de Evaristo de Moraes Filho. 3. ed. São Paulo: Ática, 1989.

POMPÉIA, R. O ateneu. 4. ed. São Paulo: Martin Claret, 2013.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SCHWARCZ, L. M.; STARLING, H. M. Brasil: uma biografia. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SEMERARO, G. Saber-fazer filosofia: o pensamento moderno. 3.ed. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2011. (Coleção Saber-Fazer Filosofia, 2).

TEIXEIRA, A. S. Educação é um direito. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 2009.

VERÍSSIMO, J. A educação nacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Topbooks; Belo Horizonte: Pontifícia Universidade Católica de Minas, 2013.

Downloads

Publicado

2021-12-06

Como Citar

COSTA, H. M. da . Positivismo, educação e hegemonia: diálogos entre José Veríssimo e Benjamin Constant. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021052, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8659485. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8659485. Acesso em: 28 set. 2022.